Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

filosofia no quotidiano

- um café filosófico para praticar a suspensão do juízo

joana rita sousa, 03.08.22

junior-ferreira-7esRPTt38nI-unsplash.jpg

📷 Júnior Ferreira / Unsplash

 

praticar a suspensão do juízo

no dia 25 de julho o café filosófico tinha como temática "filosofia no quotidiano". a proposta de trabalho foi no sentido de criarmos condições para a prática da suspensão do juízo (epoché).

o desafio era verdadeiramente desafiante, pois é muito imediata atitude de emitir um juízo e é bastante comum a atitude de precipitação para avaliar uma situação ou uma informação. 

o exercício proposto visou a prática de uma atitude exploratória, em forma de perguntas, perante 3 situações quotidianas. se assumirmos a analogia com o ginásio, este exercício foi dia de perna: duro, intenso e revelador.

revelador pelo facto de termos experimentado que não somos neutros ou isentos quando observamos uma situação. temos enviesamentos de pensamento, temos molduras de referência e experiências que influenciam o nosso olhar sobre as coisas.

 

o que dizem as pessoas participantes do café filosófico?

Ambiente acolhedor que permitiu a participação de todos os participantes sem qualquer tipo de restrição.

A estrutura do café com a participação ativa dos participantes pessoas foi para mim uma surpresa. Talvez por ser a primeira vez que participo num café filosófico e não ter qualquer tipo de referência no que diz respeito ao formato.

 

o que ambiciona um café filosófico?

- promover um espaço de diálogo e de prática do pensar - escutar - falar (Peter Worley);

- criar um ambiente seguro para a manifestação da ignorância;

- cultivar a honestidade intelectual;

- praticar a autonomia de pensamento;

- promover um espaço de acolhimento para o desacordo;

- reconciliar a pessoa humana com a sua falibilidade. 

 

*

poderá consultar a agenda de eventos da Bertrand Livreiros e considerar a participação num dos cafés filosóficos online.

a minha agenda completa está disponível AQUI e inclui outros eventos além dos cafés filosóficos.

subscrever a newsletter filocriatividade irá garantir que recebe as novidades de agenda no seu e-mail. 

previsivelmente irracional - dan ariely

#LERePENSARcom

joana rita sousa, 23.05.22

1.png

o livro:

previsivelmente irracional, de dan ariely

(edição de 2009, da editora estrela polar) 

 

a citação:

Já foi exaustivamente demonstrado que a ligação entre o salário e a felicidade não é tão forte como seria de esperar (na verdade, é bem ténue). Há inúmeros estudos que concluem que as pessoas mas "felizes" não se incluem entre aquelas que auferem rendimentos pessoais mais elevados. (p. 36)

a reflexão:

na página seguinte o autor dá o exemplo de uma pessoa que ganhou muito dinheiro e que vive rodeada de gente com muito dinheiro. porém essa pessoa é capaz de "minimizar os círculos de comparação da sua vida". o que significa isto? significa avaliar o meu rendimento pela comparação com o rendimento dos outros, por exemplo. ou avaliar o meu carro pela comparação com o carro dos outros.

no exemplo, ariely refere que uma das coisas que essa pessoa fez para minimizar os círculos de comparação foi vender o porsche boxter e comprar um prius da toyota: "Não quero a vida de um Boxster, porque quando se tem um Boxster gostava-se de ter um 911, e você sabe o que quer quem tem um 911? Quer ter um Ferrari." (p. 39). 

 

a pergunta: 

quanto mais temos, mais queremos ter? 

 

*

#LERePENSARcom é uma rubrica #filocri que pretende divulgar leituras, leitores, reflexões e perguntas. pretende-se também ampliar o entendimento de leitura: podemos ler e pensar com livros (literatura,  filosofia, ciência, álbuns ilustrados...), com documentários, com imagens ou com jogos e até com séries. procura-se aquilo que nos faz pensar, pratica-se o voltar a pensar e termina-se (se bem que o fim é um começo) com uma pergunta. 

está disponível para participar nesta rubrica? basta preencher este formulário

o quadrante de perguntas: uma ferramenta para perguntar e pensar a pergunta

joana rita sousa, 23.05.22

Screenshot 2022-05-23 at 15.30.21.png

o quadrante de perguntas foi criado por Phil Cam e é uma ferramenta bastante útil para nos ajudar a pensar nas perguntas (e nas respostas).

desta vez a partilha da ferramenta aconteceu num projecto de continuidade desenvolvido com a biblioteca escolar - centro de recursos poeta josé fanha.

a  ferramenta foi apresentada numa turma do 9.º ano no sentido de procurarmos trabalhar a pergunta.

o trampolim para este projecto com a turma do 9.º ano foi o livro coisas que acontecem (de Inês Barata Raposo e e Susa Monteiro - bruaá editora). assim, os exemplos que levei para exemplificar a ferramenta com a turma partiram da história do livro. depois escolhemos um tema do interesse do grupo para exercitar as perguntas nos vários quadrantes. 

 

Screenshot 2022-05-23 at 20.09.32.png

os quadrantes do quadrante de perguntas

 

quadrante superior esquerdo: as perguntas de compreensão ou cujas respostas "estão lá" (no texto, na imagem, no diálogo, na série... e cujas respostas são consensuais ou aceites)

quadrante inferior esquerdo: as perguntas factuais ou que cabem aos especialistas (e às quais se obtêm respostas consensuais ou aceites) 

quadrante superior direito: as perguntas que abrem para possibilidades (e para as quais se procuram respostas razoáveis)

quadrante superior esquerdo: as perguntas que convidam à investigação em conjunto e em diálogo (e para as quais se procuram respostas razoáveis)

Screenshot 2022-05-23 at 15.38.29.png(figura: Splitter, L.J., 2016. The dispositional ingredients at the heart of questioning and inquiry. 

Journal of Philosophy in Schools, 3(2), pp.18–39. DOI: http://doi.org/10.21913/jps.v3i2.1348)

 

sobre a razoabilidade das respostas ou a observação habitual de que "a filosofia não tem respostas certas ou erradas", fica o convite para ler ou voltar a ler este artigo.

 

*

se pretende trabalhar esta e/ou outras ferramentas de geração de perguntas, considere fazer parte do #ClubeDePerguntas

CALL FOR QUESTIONS!

joana rita sousa, 05.05.22

vagas (Instagram Story) (1080 × 1350 px).png

às quartas partilho no instagram uma pergunta para convidar quem passa pelo feed a parar para pensar - e responder.

hoje lanço o desafio às pessoas que acompanhem este blog: partilhe neste formulário uma pergunta pela qual tenha um interesse genuíno e que seja suficientemente ampla para poder "incomodar" outras pessoas ao ponto de arriscarem uma resposta (ou outras perguntas). 

vamos a isso? quem está disponível para partilhar uma pergunta? será que os vossos filhos ou alunos têm alguma pergunta para partilhar?

as perguntas serão recolhidas e partilhadas nos meses de junho e julho, no instagram.

#umaperguntapordiaFILOCRI

a perguntologia - ou o estudo (e a arte) de fazer perguntas

joana rita sousa, 03.05.22

fotografia de pessoa a olhar para cima, com a mão no queixo

a perguntologia 

no livro The Book of Beautiful Questions, Warren Berger assume-se como um questionologist:

You may be asking yourself: Is that really a thing? I asked myself that very question a few years ago. Then I did some research, which turned up hundreds of different types od "ologists", ranging from the acarologist (who studies ticks and mites) to the zoologist. But searching among the Qs, I found no entry for "questionlogist." And this led me to inquire, Why not? Isn't the study of questions as worthy of classification as the study of ticks and mites? 

My questioning then advanced from the "Why not?" to the "What if?"  stage - as in, What if I just declared myself a questionologist? I did so in, among other places, the pages of the New York Times. And to my surprise, no one questioned it. 

Warren Berger é um dos autores que me tem inspirado a trabalhar e a investigar as perguntas, além de outros que têm uma ligação íntima à filosofia (o Sócrates dos diálogos platónicos, por exemplo). inspirada no seu trabalho, adoptei a designação perguntóloga, pessoa que estuda e investiga as perguntas. 

esta investigação é todo um work in progress e por isso procuro juntar-me ou criar comunidades onde possa praticar aquilo que vou estudando e encontrando nas leituras que faço e nos exercícios que crio. 

 

o #ClubeDePerguntas

o #ClubeDePerguntas foi pensado para que as pessoas possam treinar a arte de fazer perguntas. parece natural isto do perguntar, porém todos temos a sensação de já ter feito uma pergunta de forma desajustada.

seja no contexto pessoal ou profissional, a pergunta é uma porta de entrada para algo mais. perguntamos para saber, para confirmar, para esclarecer, para propor... só para chatear?

no #ClubeDePerguntas há desafios mensais para que possamos experimentar a geração de perguntas e contemplar o que perguntam as perguntas.

qualquer pessoa pode participar no #ClubeDePerguntas. há lugar a  subscrição mensal.

(e quase 2 anos depois posso dizer que os desafios foram sempre diferentes, esse é o meu desafio criativo.)

venha daí juntar-se a um grupo de pessoas curiosas e perguntadeiras: subscreva o #ClubeDePerguntas.