Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

a oficina de filosofia para / com crianças: Em que pensas tu?

joana rita sousa, 18.11.22

6GoZShiR.jpg

 

🗓 no passado dia 12 de Novembro dinamizei uma oficina de filosofia dedicada ao tema do pensamento.

❓ o motivo? Novembro é mês de celebração do Dia Mundial da Filosofia e escolhi essa temática para as oficinas de filosofia (Platão e philoTEEN), bem como do #kitdedialogoFILOCRI

📚 fui buscar alguns livros à estante para me ajudar a preparar a oficina: Em que pensas tu?, Museu do Pensamento e A Casa das Perguntas. li e voltei a ler. iniciei um perguntário (inventário de perguntas) sobre o tema do pensamento. fiz um mind map com alguns conceitos e expressões. voltei a ler os livros. parei no Museu do Pensamento (Joana Bértholo)  e nalgumas perguntas deliciosas como esta: "Opinar" é uma forma de pensar e fazer o pino ao mesmo tempo?

👀 suspendi este trabalho para reunir com uma aluna do 10.º ano para a ajudar a orientar os estudos de filosofia. estivemos a falar de proposições, do quadrado da oposição e A, E, I e O. 

🚗 depois, fui buscar o carro à oficina, voltei a casa e ainda não tinha decidido o que iria propor na oficina do Platão. voltei a ler as minhas notas e deixei os pensamentos a "marinar". 

⏰ quando a oficina começou surgiu uma ideia: vamos brincar com frases (proposições) verdadeiras e falsas? vamos!

*

a filosofia exige preparação, planeamento e estudo e abertura ao improviso. é um pouco como o jazz, tal como defende Marina Santi neste artigo:

This paper is based on the content of the talk held at the ICPIC Conference in Madrid, titled “Improvising as a way of inquiring and inventing” in which the jazz metaphore for education and philosophy is introduced. The arguments proposed are adapted to respond also to some critical issues put forward by Gert Biesta in his paper about philosophical work with children and the related experience in schools through Philosophy for/with Children programmes.  My contribution to the discussion deals with two main focus. The first one is theoretical and considers improvisation as expression of human cognitive constructivism and form of adaptive/exaptive human agency in the environment. Improvisation is interpreted as a privileged form of “complex thinking”, in which the three components identified by Lipman - critical, creative and caring thinking - are integrated and mutually implemented. The second focus is pragmatic and proposes eight “jazz” doors to embody education in the dimension of improvisation, opening teaching to the authentic experience of changing implied in growing/aging, in which the stability of identities are always at risk. A jazzing way to Philosophy for/with Children is proposed as antydote to the risk of learnification of education and capitalization of human skills to which – according to Biesta – Philosophy for/with Children seems to be exposed in its school application, while proposing a jazz framework for a new “poor pedagogy”.

 

*

inscreva o seu filho / a sua filha numa das oficinas da filocriatividade: 

> oficina do Platão - O sentido da vida das moscas (online) - para crianças dos 7 aos 12 anos
10 de Dezembro, das 15h30 às 16h30 - inscrições AQUI

> oficina philoTEEN - O sentido da vida (online)
 - para jovens dos 13 aos 17 anos

10 de Dezembro, das 17h30 às 18h30 - inscrições AQUI

Tenho um adolescente. E agora?

- programa de Sara Rodi no Canal S+

joana rita sousa, 08.11.22

1666267547063.jpg

/ participação no programa “Tenho um Adolescente. E agora?” dedicado ao Pensamento.

👉 com Sara Rodi (escritora, aqui no papel de moderadora da conversa) e Francisco Gonçalves Ferreira (psicólogo fundador da Casa Estrela-do-Mar, Centro Terapêutico para Adolescentes e Famílias)

para ver ou rever online, no Canal S+

what is critical thinking and why does it matter?

joana rita sousa, 07.11.22

lou-levit-B4op5oZ4x5Q-unsplash.jpg

 

what is critical thinking? 

when you search for "critical thinking" you will find different perspectives about the topic. not all of the quotes or texts you find are related to philosophy, some focus on education, others on maths, just to give you two examples.

 

bell hooks: “Critical thinking requires us to use our imagination, seeing things from perspectives other than our own and envisioning the likely consequences of our position.”

John Dewey: “Conflict is the gadfly of thought. It stirs us to observation and memory. It instigates to invention. It shocks us out of sheep-like passivity, and sets us at noting and contriving…conflict is a sine qua non of reflection and ingenuity.”

 

hooks and Dewey are two major references for people that study critical thinking in a philosophy for / with children context, just like me. these quotes highlight different things about critical thinking that are relevant when you want to create a safe place for people to engage in a dialogue. 

 

what is dialogue? 

I will invite you to take a look at a book called On Dialogue, written by Bohm:

In a dialogue, however, nobody is trying to win. Everybody wins if anybody wins. There is a different sort of spirit to it. In a dialogue, there is no attempt to gain points, or to make your particular view prevail. Rather, whenever any mistake is discovered on the part of anybody, everybody gains. It's a situation called win-win (...) a dialogue is something more of a common participation, in which we are not playing a game against each other, but with each other. In a dialogue, everybody wins. [p. 7]

Bohm wants to draw a distinction between a discussion, where we can point out the winner and the loser, and a dialogue, where everybody wins. in a dialogue opinions are considered assumptions, things that we stand for and don't bother to question or challenge. "People can't resist defending them, and they tend to defend them with an emotional charge", says Bohm on p. 8. 

a dialogue has to push us to challenge our assumptions, to go behind the assumptions and those opinions that we take for granted. 

Opinions thus tend to be experienced as "truths", even though they may only be your own assumptions and your own background. You got them from your teacher, your family, or by reading, or in yet some other way. Then for onte reason or another you are identified with them, and you defend them. (p. 10)

when you gather a group in order to engage in dialogue it's natural that those people will bring their own interests and assumptions. it would help if an experienced facilitator could help people to suspend their own judgement and to look at other points of views, to listen to each participant, to avoid taking part and to contemplate the views and see what it means. 

 

why does critical thinking matter? 

critical thinking matters because it's a tool (or a set of tools) that can help us to understand the world around us. quoting Tom Chatfield, I consider that critical thinking matters because it "means actively setting out to understand what is really going on, by carefully evaluating information, ideas and arguments - and thinking carefully about the process of thinking itself." (p. 26, Critical Thinking). 

 

are there any connections between critical and creative thinking?

yes, creative thinking gives us tools to help us to find alternatives, to explore possibilities, to work on building hypotheses that had not yet been considered. critical thinking and creative thinking mutually enrich each other in the dialogue process.

 

tobias-rademacher-CeF_z3pEzLg-unsplash.jpg

can critical thinking make a difference when we try to engage people in thinking about climate change? 

it depends on our aims.  do we want to promote awareness about the topic? do we want to convince people to act?

last year I facilitated a workshop with young people (7 /12 years old) and one question came up: if the planet earth's survival is at stake, should we force people to think in a specific way? 

I'm still thinking about the question and while I think about it I try to create a space and time for people to engage in dialogue about climate change. 

critical thinking is an essential tool because it can help us to get in touch with facts and to discard fake news and misinformation. 

in my point of view, people need to understand what is really going on about climate change and to carefully evalutate information, ideas and arguments about the topic. 

climate change has been treated condescendingly by relevant people with a voice in society. there is a lot of misinformation circulating on the topic.

for me and for you it may be an obvious matter, but we can't assume that it is so. we have to open space for dialogue, share facts and reliable sources on the subject and give people the critical and creative thinking tools so they can think for themselves about the problem - and the possible solutions.

 

sources: 40 of the best crititical thinking quotes

[this article was written to support a critical thinking workshop about climate change]

"everybody wins"

joana rita sousa, 18.08.22

giorgio-trovato-_XTY6lD8jgM-unsplash.jpg📷 Giorgio Trovato / Unsplash

 

In a dialogue, however, nobody is trying to win. Everybody wins if anybody wins. There is a different sort of spirit to it. In a dialogue, there is no attempt to gain points, or to make your particular view prevail. Rather, whenever any mistake is discovered on the part

of anybody, everybody gains.

It's a situation called win-win (...) a dialogue is something more of a common participation, in which we are not playing a game against each other, but with each other.

In a dialogue, everybody wins.

 

Bohm, On Dialogue, p. 7

filosofia no quotidiano

- um café filosófico para praticar a suspensão do juízo

joana rita sousa, 03.08.22

junior-ferreira-7esRPTt38nI-unsplash.jpg

📷 Júnior Ferreira / Unsplash

 

praticar a suspensão do juízo

no dia 25 de julho o café filosófico tinha como temática "filosofia no quotidiano". a proposta de trabalho foi no sentido de criarmos condições para a prática da suspensão do juízo (epoché).

o desafio era verdadeiramente desafiante, pois é muito imediata atitude de emitir um juízo e é bastante comum a atitude de precipitação para avaliar uma situação ou uma informação. 

o exercício proposto visou a prática de uma atitude exploratória, em forma de perguntas, perante 3 situações quotidianas. se assumirmos a analogia com o ginásio, este exercício foi dia de perna: duro, intenso e revelador.

revelador pelo facto de termos experimentado que não somos neutros ou isentos quando observamos uma situação. temos enviesamentos de pensamento, temos molduras de referência e experiências que influenciam o nosso olhar sobre as coisas.

 

o que dizem as pessoas participantes do café filosófico?

Ambiente acolhedor que permitiu a participação de todos os participantes sem qualquer tipo de restrição.

A estrutura do café com a participação ativa dos participantes pessoas foi para mim uma surpresa. Talvez por ser a primeira vez que participo num café filosófico e não ter qualquer tipo de referência no que diz respeito ao formato.

 

o que ambiciona um café filosófico?

- promover um espaço de diálogo e de prática do pensar - escutar - falar (Peter Worley);

- criar um ambiente seguro para a manifestação da ignorância;

- cultivar a honestidade intelectual;

- praticar a autonomia de pensamento;

- promover um espaço de acolhimento para o desacordo;

- reconciliar a pessoa humana com a sua falibilidade. 

 

*

poderá consultar a agenda de eventos da Bertrand Livreiros e considerar a participação num dos cafés filosóficos online.

a minha agenda completa está disponível AQUI e inclui outros eventos além dos cafés filosóficos.

subscrever a newsletter filocriatividade irá garantir que recebe as novidades de agenda no seu e-mail. 

inteligência e pensamento

ecos de um café filosófico

joana rita sousa, 14.07.22

 

alan-de-la-cruz-CmO_GydmKaY-unsplash.jpg

 

o plano 

no passado dia 15 de junho aconteceu o café filosófico [online] com o tema inteligência e pensamento. 

este era o plano de trabalhos que tinha delineado para este café filosófico que tem a duração de 1h30 e que começou ao som da música THINK, da Aretha Franklin:

(I) gerar perguntas sobre inteligência e pensamento e/ou que coloquem inteligência e pensamento em relação;

(II) seleccionar uma pergunta para o diálogo;

(III) dialogar.

 

o momento (I) aconteceu  dividindo o grupo em duas salas de trabalho. quando regressámos à sala "grande", começámos por anotar as perguntas de cada grupo. seguia-se uma tarefa difícil: escolher a pergunta para o diálogo.

o café filosófico não passou deste momento (II) e foi muito enriquecedor por isso. passo a explicar porquê.

 

o diálogo sobre a maneira como vamos dialogar 

foram colocadas algumas hipóteses para resolver esta etapa da escolha: votar (por ser democrático e rápido), eliminar perguntas com certas características (perguntas que pediam definições), escolher a pergunta mais atractiva ou ainda a pergunta que escolhemos "sem pensar muito".

demorámos algum tempo a dialogar sobre como iria acontecer este processo de escolha e acabámos por realizar um excelente exercício de metacognição. como? pensando sobre o caminho que iríamos percorrer no diálogo se escolhessemos de uma ou outra forma:

"É interessante pensarmos qual a melhor forma de diálogo: do concreto para o abstrato ou vice-versa?"

acabámos por encontrar um procedimento que acolhia as várias sugestões sobre como escolher a pergunta para o diálogo.

ainda que não tenhamos aprofundado o tema do café com o trabalho sobre UMA pergunta, acabámos por dialogar sobre o tema ao esclarecer as perguntas, ao perguntar o que é que cada pergunta estava a perguntar. 

 

o que dizem as pessoas participantes? 

uma das pessoas participantes confessou que o aspecto mais positivo deste café filosófico foi precisamento o facto de termos ficado pelo momento (II). eis alguns olhares sobre o café filosófico: 

"o tema adorei e o facto de não termos começado o diálogo." 

 "nem todos participaram no diálogo o que não significa que não tenham escutado."

"a abordagem crítica e diferencial de cada participante adotou sobre o tema da inteligência e pensamento e como o desenvolver."

 

🧩 [para continuar a ler e aprender sobre]

seleccionei alguns links que podem ser úteis para quem quer pensar a inteligência e o pensamento:

- podcast Carne Esperta

- documentário Deus Cérebro

- inteligência artificial senciente? (artigo de Lemoine, artigo do Público e ponto de vista do professor Mário Sérgio Cortella)

 

o que ambiciona um café filosófico?

- promover um espaço de diálogo e de prática do pensar - escutar - falar (Peter Worley);

- criar um ambiente seguro para a manifestação da ignorância;

- cultivar a honestidade intelectual;

- praticar a autonomia de pensamento;

- promover um espaço de acolhimento para o desacordo;

- reconciliar a pessoa humana com a sua falibilidade. 

 

*

poderá consultar a agenda de eventos da Bertrand Livreiros e considerar a participação num dos cafés filosóficos online.

a minha agenda completa está disponível AQUI e inclui outros eventos além dos cafés filosóficos - em julho e agosto a agenda estará a passo de caracol 🐌

subscrever a newsletter filocriatividade irá garantir que recebe as novidades de agenda no seu e-mail. 

 

 

🏝 sugestões para as férias de verão

- vamos filosofar?

joana rita sousa, 27.06.22

alexis-brown-omeaHbEFlN4-unsplash.jpg

 

oficinas intergeracionais (a partir dos 8 anos): fazer uma pausa, olhar e pensar 

 

5 de julho, terça, das 15h às 16h30 - eu quero e posso fazer aquilo que quero.
12 de julho, terça, das 15h às 16h30 - uma sereia é uma sereia. será?
19 de julho, terça, das 15h às 16h30 - e se houver um robot mais inteligente do que tu?
26 de julho, terça, das 11h às 12h30 - era uma vez um campeonato de crueldade

 

as oficinas são moderadas por Joana Rita Sousa, filósofa, perguntóloga e mestre em filosofia para crianças, responsável pelo projecto filocriatividade (desde 2008).

as oficinas são INTERGERACIONAIS e foram pensadas para pessoas a partir dos 8 anos. podem participar crianças, jovens ou adultos. 

oficinas online e síncrona, via plataforma zoom. as oficinas são independentes entre si, poderá inscrever-se apenas numa. saiba mais AQUI.

 

 

 

#filocriSUMMERCAMP - para levar a filosofia consigo, na mala de viagem 

 

👉  e que tal aproveitar o verão para treinar pensamento crítico e criativo, de forma lúdica com propostas para dialogar em família?

👉 receba no seu e-mail um conjunto de actividades pensadas para serem trabalhadas em grupo: com os amigos ou com a família (a partir dos 4 anos).

 

saiba mais AQUI.

“Praticar a boa filosofia é a melhor ligação à cidadania. É a arma mais eficaz e pacífica contra a desinformação."

- Augusto Santos Silva, na sessão de abertura do Parlamento dos Jovens

joana rita sousa, 31.05.22

FUGcDU2WQAAqVnt.jpgfonte: Twitter

 

O impacto da desinformação na Democracia - o tema do Parlamento dos Jovens, 31 de Maio de 2022 

Como contrariar o impacto da desinformação na Democracia? Sermos nós a pensar pela nossa cabeça, a pensarmos em conjunto e de forma organizada. Essa é a melhor arma contra os factos alternativos e a pós-verdade. (Augusto Santos Silva) 

 

o Pedro Figueiredo alertou-me para esta sessão com o seguinte tweet:

Screenshot 2022-05-31 at 17.59.34.png

o discurso completo pode ser ouvido aqui. logo no início Augusto Santos Silva, Presidente da Assembleia da República elogia o lado prático da filosofia, fazendo referência a Kant, Descartes e Sócrates (entre outros). Santos Silva sublinhou ainda a importância do diálogo e do pensamento colaborativo no exercício da cidadania. 

gostaria de um dia conversar com Augusto Santos Silva para partilhar o que tem vindo a ser feito em Portugal no âmbito da filosofia aplicada: cafés filosóficos, filosofia no jardim de infância, 1.º, 2.º e 3.º ciclos. pelo seu discurso de hoje talvez até já conheça bem o que se faz - eu é que assumo sempre que a filosofia aplicada é algo novo para a grande maioria das coisas. 

 

Não se aprende filosofia, mas a filosofar, já disse Kant. A filosofia não é um conjunto de ideias e de sistemas que possamos aprender automaticamente, não é um passeio turístico pelas paisagens intelectuais, mas uma decisão ou deliberação orientada por um valor: a verdade. É o desejo do verdadeiro que move a filosofia e suscita filosofias. (Marilena Chaui, Convite à Filosofia, p. 112)

 

durante o ano lectivo 2021/2022 tive oportunidade de passar por algumas escolas e trabalhar a questão da desinformação com alunos do ensino secundário, através do diálogo filosófico. 

 

sugestões para alimentar a curiosidade das crianças - e a sua!

joana rita sousa, 28.05.22

1.png

  • pergunte à criança o que pensa sobre o mundo à sua volta
  • inclua actividades culturais nas suas rotinas, como por exemplo visitas a museus ou a exposições
  • encare o erro como algo que faz parte da aprendizagem e também do processo criativo
  • promova experiências novas, como comer um alimento novo ou inventar uma receita
  • admita respostas que não correspondem às suas expectativas: "nunca tinha pensado nisso! podes explicar melhor?"
  • incentive a criança a colorir fora dos traços
  • faça perguntas à criança e aproveite para arriscar respostas
  • valorize as ideias das crianças ou as suas sugestões para resolver problemas

 

tem outras sugestões? partilhe nos comentários! 

❤️ se reconhece valor nos conteúdos que partilho por aqui, considere pagar-me um café.