Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

oficina de filosofia, para crianças e jovens: em Odivelas

 

 

57503257_2663384900398852_2693844586593255424_n.jp

no dia 16 de Outubro, às 15h, vou estar no DaVinci - Ginásio da Educação em Odivelas (Colinas do Cruzeiro), para uma oficina de filosofia, para crianças e jovens.

podem saber mais informações e inscrever-se neste link, bem como no facebook do DaVinci.

Av. Magalhães Coutinho, nº13, loja 3 - Colinas do Cruzeiro, 2675-654 Odivelas / e-mail: odivelas@davinci.edu.pt

 

*

 

O que são as oficinas de Filosofia?

"Aqui nós aprendemos o que as coisas são, o que são as palavras; andamos a ver o que existe, o que é real, explicamos as palavras e as perguntas!" - dizia o Marco, ao avaliar uma das oficinas de filosofia. Estas pretendem ser um espaço e um tempo para parar para pensar, "treinar" o olhar crítico, explorar possibilidades e investigar - em conjunto.
 

A quem se destinam?

A crianças e jovens.
 

Como funcionam?

Nas oficinas procuramos identificar problemas, sob a forma de perguntas, para investigar em conjunto. Podemos fazê-lo através da leitura de um texto ou de uma notícia de jornal, de uma situação vivida pelas crianças ou até de imagens, vídeos. Os recursos podem ser diversos e devem ser adaptados às idades das crianças com as quais vamos trabalhar. A partir daí, constroem-se condições para o diálogo, estabelecendo algumas regras.
 

Qual é o objectivo?

Estas oficinas equivalem a um treino de ginásio: em vez dos músculos do corpo, trabalhamos os músculos do pensamento.
 
Fazemos exercícios de resistência – verificamos se a nossa ideia é forte, se há boas razões para a aceitar e se resistem aos argumentos contra – treinamos a flexibilidade – será que eu sou capaz de defender o ponto de vista do outro? Mudar de ideias é possível, assim como trabalhar com as ideias uns dos outros.
 
Podemos “adoptar” perguntas e ideias dos amigos, oferecer perguntas, explorar hipóteses de respostas, descobrir outros pontos de vista e, sobretudo, construir um espaço de liberdade onde posso dizer aquilo que penso, sem que seja julgada por isso. Podemos testar ideias, avançar, voltar atrás – tudo isso faz parte do processo que nos encaminhará para o aprofundamento filosófico.

 

 

10 perguntas comuns em torno da filosofia para crianças e jovens

[texto originalmente publicado no site Mulheres à Obra, 5 Setembro 2018]

 

Desde 2008 que trabalho na área da filosofia para crianças (FpC). Fiz formação – ainda faço – trabalho em jardins de infâncias, em escolas. Tive um projecto num ginásio. Levo as oficinas de filosofia a vários pontos do país – e não só. Dou formação a professores e educadores. Tenho recebido muitos e-mails a solicitar apoio, esclarecimento de dúvidas – sobretudo a quem desenvolve investigação nesta área.

Nem sempre é fácil explicar o que faço, pois há muitas ideias pré-concebidas e tudo o que é estranho provoca… estranheza.

Tenho coleccionado muitas perguntas sobre o meu trabalho e sobre a filosofia para crianças. Fiz uma lista das dez mais recorrentes – e partilho convosco algumas respostas curtas.

 

Screenshot 2019-03-28 21.57.19.png

 

 

  1. «Joana, dás aulas de filosofia? »

Não. No sentido convencional e tradicional do termo « aula » = alguém que tem o saber (conteúdos) e os transmite a quem não sabe. Nesse sentido, não dou aulas – ainda que possa falar do espaço e tempo durante o qual a filosofia acontece como aula.

  1. “Então tu és professora?”

Não – no sentido clássico do termo, não sou professora.

Sou facilitadora – ou dificultadora como gosto de lhe chamar. O meu papel é o de “obrigar” a parar para pensar, a aprofundar. Mergulhar no mundo dos pensamentos.

  1. “O que tu fazes é pôr as crianças a conversar umas com as outras?”

Não, isso elas já fazem. O meu objectivo é que haja diálogo. Isso implica que se pratique a escuta e o parar para pensar. Além disso, pretendo aprofundar as questões de forma filosófica.

  1. “Nessas aulas podemos dizer o que quisermos?”

Sim e não. Podes dizer o que quiseres, mas isso tem que ser submetido ao grupo para avaliar se é pertinente para a discussão em curso.

Além disso, também avaliamos a sua qualidade filosófica – e é aí que eu intervenho mais e dificulto as coisas.

  1. “Isso que fazes é um modelo pedagógico?”

Na verdade, a FpC é uma estrutura que facilita processos de aprendizagem. E é algo mais do que isso. Crio um espaço e um tempo em que é fundamental realizar exercícios de cariz filosófico. Sim, a filosofia para crianças transpira intencionalidade filosófica.

 

D6th5v7XsAEmu4k.jpg

 

  1. “Então basta preparar e ter um plano ou uma planificação, para chegar ao objectivo filosófico?”

Não. A preparação, em jeito de planificação é útil. O mais importante é atender àquilo que as pessoas estão a dizer e captar as suas implicações filosóficas e a riqueza para o diálogo. É fundamental a disponibilidade para o improviso.

  1. “Basicamente o que fazes é treinar pensamento crítico?”

Também. O pensamento crítico é fundamental neste processo. Há outras dimensões: a criatividade, o caring thinking (Lipman) e a dimensão colaborativa (afinal, somos um grupo que se junta para pensar… em conjunto!).

  1. “Não achas que isso é muito difícil para as crianças? É muito abstracto.”

As crianças têm uma linguagem própria e uma experiência que é sua. A FpC abre espaço para que se possam manifestar, à medida da sua linguagem e da sua experiência. A partir daí, extraímos o sumo filosófico.

  1. “Então e tu jogas às cartas com as crianças, é isso?”

Faço jogos, sim. Utilizo muitos recursos que facilmente se associam ao jogo (quantos-queres, jogos de cartas, jogo do galo…). A ideia é partir de um recurso simples e lúdico para o trabalho filosófico. O jogo – tendo elementos físicos, nos quais as crianças podem mexer e até levar para casa – ajuda-me a tornar a filosofia palpável.

  1. “E as crianças gostam?”

Nem todas. É como a sopa: nem todas gostam, mas nem por isso deixamos de lhes dar sopa. É importante para elas, certo?

 

10968423_826999984037362_3277581017568362470_n.jpg

 

Assim é a filosofia: difícil, pois obriga a parar. Divertida, por nos permitir brincar com o pensar. Gosto da imagem da FpC como um ginásio para os músculos do pensamento. E todos nós sabemos como treinar provoca dores, num momento inicial. Depois há que manter a disciplina de treino.

 

demorar

tumblr_pn8i7q2aBe1qhzqx6o1_500.jpg

 

Então, mas demorámos estas aulas todas para chegar a esta conclusão? Não podias ter dito logo, Joana?”, disse-me o Leandro, no final da terceira aula sobre a investigação “o que é uma pergunta?”. Sim, três aulas, isto é, três semanas às voltas com aquilo que faz com que uma frase seja uma pergunta. Parece um trabalho inútil, no sentido de salientar o óbvio – afinal, todos nós sabemos o que é uma pergunta, certo? Basta ter um ponto de interrogação? Ou há outros critérios que fazem parte da pergunta e que, por serem óbvios, nem sempre atendemos?

 

para ler na íntegra no site Up To Kids 

grande coisa: livros infantis, perguntas e mind maps

image2.jpeg

 

grande coisa, de william bee (planeta tangerina)

 

desta vez o desafio é criar a vossa agenda de discussão usando mind maps. há muitos anos que uso esta técnica, de Tony Buzan, para estudar, para preparar uma apresentação, para preparar entrevistas e também para preparar as oficinas de filosofia. e nestas caso tenha possibilidade de usar o quadro para registo das ideias é comum haver mind maps no quadro. e o curioso é que as crianças começam a "imitar" esta forma de registo.

 

mind maps para tudo

 

perante o pequeno e amarelo livro "grande coisa" optei por registar as perguntas em forma de mind map - é mais fácil quando se tem folhas A3, na horizontal,  lisas,  e lápis ou canetas coloridos. mas podem fazê-lo em qualquer suporte de papel. há também programas para usar em computador: o senhor google certamente irá ajudar.

 

image3.jpeg

 

screaming words

 

depois de fazer um mapa com um número considerável de perguntas comecei a olhar para as perguntas e a procurar relação entre elas. procurei as screaming words, as palavras mais "gritantes", que se repetem, que têm mais força (esta expressão, screamign words, ouvi-a há uns anos no exercício do Nuno Paulos Tavares). assinalei algumas no canto superior esquerdo após ter rodeado ou sublinhado as tais palavras com lápis de cor.

 

e agora? 

 

agora, a partir daqui, temos uma boa fonte de trabalho sobre este livro. podemos partir para a problematização a partir das screaming words, fazendo uma nova ronda de perguntas: desta vez já não sobre o livro, mas sobre as screaming words em si. desta forma, começamos a "levantar voo" a partir do livro para chegar a terreno desconhecido. 

 

o mapa não é o território

 

recordo que estes últimos artigos que tenho publicado por aqui têm como objectivo principal fornecer ferramentas de trabalho para que o facilitador se sinta preparado para as oficinas de filosofia. estas agendas de discussão são mapas, não são o território: não as imponha ao seu grupo se o caminho que é escolhido pelos membros for outro. pense neste trabalho preparatório como um ginásio para o seu próprio pensamento. 

 

 

se pretende explorar possibilidades de trabalho nesta área e/ou se procura formação one-to-one na área da filosofia para crianças e jovens poderá contactar-me via e-mail: info@joanarita.eu 

 

 

mais um café filosófico na livraria mais antiga do mundo

Cafés Filosóficos na livraria mais antiga do mundo
- Levar a filosofia para junto das pessoas. 

• 24 de Junho: Por que é que há alguma coisa?

A quem se destina o Café Filosófico?

Destina-se a pessoas que, independentemente dos seus conhecimentos no âmbito da filosofia, aceitam o desafio para praticar o parar para pensar.

54434320_10155740557061548_5823345783537139712_n.p



Como acontece? 

Tudo começa com uma pergunta, seguida de uma proposta de exercício de pensamento crítico.
É natural que, ao princípio, os participantes sintam algum desconforto, tal como acontece no primeiro dia do ginásio; só que aqui são os músculos do pensamento que vão sentir-se incomodados. Só com a persistência e a insistência será possível superar este desconforto, focando no objectivo final: um pensamento flexível, resistente, adaptável, capaz de traduzir ideias em palavras, de defender uma posição e/ou de mudar de ideias.



Moderação: Joana Rita Sousa


Café Bertrand, Livraria Bertrand Chiado
Horário: 18:30h /20h

Inscrições: leitor@bertrand.pt

quando a tristeza chama - perguntas para pensar a partir de livros infantis

2019-06-12 10.55.58.jpg

 

investigação partilhada

 

as oficinas de filosofia são espaços de investigação partilhada, onde se promove a liberdade e a responsabilidade, onde há regras assumidas e espaço para criarmos outras.

cabe ao facilitador moderar esse trabalho de investigação, proporcionando que se pratique e que se tenha consciência do "forward movement". por esse motivo é tão importante que o facilitador se prepare bem para estar disponível para avançar ao ritmo do grupo, dando ferramentas aos seus membros para tomar consciência desse ritmo, para compreender onde chegámos, de onde partimos e se temos um horizonte de chegada.

 

 

prática de agendas de discussão

 

um dos trabalhos que faço para me preparar, enquanto facilitadora, é treinar o acto de perguntar. parto de livros (confesso que sou fã de livros infantis) ou de excertos de livros e proponho-me a fazer agendas de discussão em torno desses recursos. nesse exercício surgem muitas vezes ideias para criar um jogo ou um exercício que possa aplicar com as crianças e jovens, em contexto de oficina.

 

como preparar esta agenda de discussão?

 

- ler o livro.

- começar a fazer perguntas a partir do que lemos ou do que vemos (ilustrações).

- desafio: começar com 10 perguntas (mínimo). avançar para a 11ª - quanto mais nos obrigamos a perguntar, depois de começar a ser mais díficil, mais possibilidades temos de aprofundar temáticas e perspectivas.

- as perguntas devem ser registadas nalgum tipo de suporte: eu gosto de usar papel e lápis ou caneta e de usar os mind maps.

- depois de ter as perguntas registadas, pode começar a perceber se há várias temáticas em jogo e procurar agrupar as perguntas (será que há perguntas que cabem em 2 ou mais temáticas?).  também poderá ser uma altura interessante para começar a criar jogos em torno dessas perguntas: peça ajuda à sua criatividade!

 

*

 

este é um exercício que faço para me preparar para as oficinas e que me ajuda a ver possibilidades de trabalho e de interrogações que possam surgir a partir de um dado livro. por exemplo, pode ser útil para introduzir pontos de vista diferentes numa oficina. quanto mais o perguntar se encontra afinado por parte do facilitador, maior é a possibilidade de eu ser capaz de provocar o perguntar durante uma oficina - ou, diria, de manter níveis elevados de inquietação junto do grupo de trabalho.

 

nos próximos dias partilho aqui a agenda de discussão em torno do livro "quando a tristeza chama", de eva land, publicado na editora Livros Horizonte. subscrevendo este blog receberá um e-mail com esse e outros artigos que vou publicando.

 

se pretende explorar possibilidades de trabalho nesta área, se procura formação one-to-one na área da filosofia para crianças e jovens poderá contactar-me via e-mail: info@joanarita.eu 

 

café filosófico na Livraria Bertrand (Chiado)

Cafés Filosóficos na livraria mais antiga do mundo
- Levar a filosofia para junto das pessoas. 

• 13 de Maio: A vida é um mistério?

A quem se destina o Café Filosófico?

Destina-se a pessoas que, independentemente dos seus conhecimentos no âmbito da filosofia, aceitam o desafio para praticar o parar para pensar.

54434320_10155740557061548_5823345783537139712_n.p



Como acontece? 

Tudo começa com uma pergunta, seguida de uma proposta de exercício de pensamento crítico.
É natural que, ao princípio, os participantes sintam algum desconforto, tal como acontece no primeiro dia do ginásio; só que aqui são os músculos do pensamento que vão sentir-se incomodados. Só com a persistência e a insistência será possível superar este desconforto, focando no objectivo final: um pensamento flexível, resistente, adaptável, capaz de traduzir ideias em palavras, de defender uma posição e/ou de mudar de ideias.



Moderação: Joana Rita Sousa


Café Bertrand, Livraria Bertrand Chiado
Horário: 18:30h /20h

Inscrições: leitor@bertrand.pt

"Pensamento Crítico em Sala de Aula: os 26 movimentos de pensamento"

26423_100975519942696_4354590_n.jpg

 

Roger Sutcliffe passou os últimos 10 anos a desenvolver formas de ensinar a pensar de forma mais simples e eficaz.. O resultado foi um esquema com “26 Movimentos de Pensamento de A a Z”.  

 
 
 
 
 
 
O que são os Movimentos de Pensamento?
 
Os 26 Movimentos de Pensamento são um conjunto de actos mentais que nos ajudam a estruturar as muitas formas possíveis de pensamento. 
 
Organizados por ordem alfabética e com várias ligações intuitivas entre si (pensar À frente/ lemBrar; Conectar/Dividir, etc.) estes movimentos quando utilizados de forma competente em sala de aula são uma excelente estratégia pedagógica para levar os nossos alunos a desenvolver um pensamento crítico mais focado, rigoroso e consciente. 
 
Os 26 “Movimentos de Pensamento” foram traduzidos e adaptados para português por Tomás Magalhães Carneiro (Clube Filosófico do Porto) e serão disponibilizados aos participantes deste workshop.
 
 
 
Em que consistirá este workshop com Roger Sutcliffe?
 
O objectivo deste workshop será explicar cada um dos "26 movimentos", levar os participantes a compreender a forma como se estruturam e relacionam e, sobretudo, mostrar como cada um destes "movimentos de pensamento" podem ser aplicados em sala de aula com os alunos de qualquer idade e de qualquer disciplina. Roger Sutcliffe também procurará mostrar como estes princípios podem ser usados fora da sala de aula por forma a ajudar-nos a pensar melhor no nosso quotidiano. 
 
Quem é Roger Sutcliffe?
 
Licenciou-se em Filosofia e Línguas Modernas (Philosophy and Modern Languages ) em Oxford em 1975.
 
Fez voluntariado na Índia antes de começar a trabalhar como professor no Reino Unido. Depois de 5 anos a trabalhar como professor primário juntou-se ao departamento de matemática numa escola secundária e licenciou-se em matemática e gestão educacional numa “Open University”.
 
No início dos anos 90 deixou o ensino a tempo inteiro e dedicou-se à Filosofia para Crianças (P4C) com Matthew Lipman em New Jersey e ao Pensamento Criativo com Edward de Bono em Malta. 
 
Roger foi um dos membros fundadores da fundação SAPERE (www.sapere.org.uk) e em 1993 foi eleito presidente em 2003. Nesse mesmo ano foi eleito presidente da ICPIC (www.icpic.org) , organização internacional dedicada à FpC em que mais de 60 países estão representados. Exerceu esse cargo por dois anos.
 
Desde 2010 é consultor para a www.thinkingmatters.com e entre 2013 e 2016 foi professor da disciplina de Ensino da Filosofia no Heythrop College em Londres. É co-director da empresa DialogueWorks (www.dialogueworks.co.uk) e também co-director do site www.p4c.com, um dos mais importantes sites de recursos em Filosofia para Crianças. Foi co-autor dos livros  ”The Philosophy Club’, ‘Newswise’ e ‘The Pocketbook P4C’. O seu último livro “Thinking Moves A – Z” será publicado em Abril de 2019.
 
*
 
 
Organização do Clube Filosófico do Porto e da Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira
 
Local e Data
Biblioteca de Santa Maria da Feira
18 de Maio (sábado) | 15h00 – 17h00
 
Valor: 30€
 
Inscrições até 1 de maio para clubefilosoficodoporto@gmail.com 
 
 
Podem aderir ao evento no Facebook aqui: https://www.facebook.com/events/353621728589861/

café filosófico em Lisboa - na livraria Bertrand

Cafés Filosóficos na livraria mais antiga do mundo
- Levar a filosofia para junto das pessoas. 

• 8 de Abril: O que é uma pergunta? 

A quem se destina o Café Filosófico?

Destina-se a pessoas que, independentemente dos seus conhecimentos no âmbito da filosofia, aceitam o desafio para praticar o parar para pensar.

54434320_10155740557061548_5823345783537139712_n.p



Como acontece? 

Tudo começa com uma pergunta, seguida de uma proposta de exercício de pensamento crítico.
É natural que, ao princípio, os participantes sintam algum desconforto, tal como acontece no primeiro dia do ginásio; só que aqui são os músculos do pensamento que vão sentir-se incomodados. Só com a persistência e a insistência será possível superar este desconforto, focando no objectivo final: um pensamento flexível, resistente, adaptável, capaz de traduzir ideias em palavras, de defender uma posição e/ou de mudar de ideias.



Moderação: Joana Rita Sousa


Café Bertrand, Livraria Bertrand Chiado
Horário: 18:30h /20h

Inscrições: leitor@bertrand.pt

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

@ creative mornings lx

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D