Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

sugestão de exercício para uma oficina de filosofia (online)

 

tumblr_084f4f273abcaff336e0f13b4df2cedf_7c920604_5

GET UP!

 

eis um exercício simples que podemos colocar em curso numa oficina online - com crianças, jovens ou adultos.

uma vez que a maioria das pessoas acede às oficinas online estando sentado, em frente ao computador, a ideia do exercício passa por colocar o corpo (e o pensamento) a mexer.

o desafio passa por 

1) escolher um conceito (pode ter sido escolhido previamente pelo facilitador da oficina);

2) pedir aos participantes que se levantem e se dirijam à divisão da casa mais próxima do lugar onde estão para escolher um objecto que tenha alguma relação com o conceito escolhido. o facilitador deverá indicar o tempo disponível para esta tarefa (por exemplo, um minuto). 

3) no regresso, os participantes devem apresentar o objecto ao grupo e justificar a sua relação com o conceito.

 

nesta fase várias coisas podem acontecer: podemos ter objectos diferentes justificados com a mesma razão; podemos ter objectos iguais e razões diferentes para a escolha. este pode ser um caminho para o momento seguinte do diálogo: a apreciação das razões.

outra possibilidade passa por dividir o grupo em grupos mais pequenos e pedir que cada grupo apresente 2 perguntas sobre as razões apresentadas e a sua relação com o conceito (nesta fase, "esquecemos" o objecto e focamo-nos nas razões e no conceito).

 

por experiência recomendo o registo dos objectos e das razões num documento que possa ser partilhado entre os participantes (por exemplo, google drive).

 

o livro apresentado na fotografia, de David Shapiro,  tem várias propostas de exercícios, pensados para oficinas presenciais e que podem ser adaptados para o online. se precisar de ajuda neste processo, contacte-me!

 

Quem disse?

20200905_160240.jpg

Quem disse? é, à primeira vista, uma pergunta rebelde, feita por alguém que procura questionar uma regra ou uma fala instituída por alguém. noutro contexto, é uma pergunta que faço algumas vezes no sentido de averiguar a origem ou a fonte de quem diz que ouviu X ou leu Y. 

o livro Quem disse? (de Caroline Arcari e Guilherme Lira, editado no Brasil pela Caqui) tem um enquadramento específico, o da educação sexual. podemos ler na ficha técnica que "os conteúdos estão alinhados à legislação brasileira que protege crianças e adolescentes." a editora Caqui pretende intervir na área da "educação sexual, dos feminismos, masculinidades positivas e alternativas, violência de género, educação não-machista, anti racismo e prevenção contra as violências sexuais."  este é um livro com uma intencionalidade de abrir o diálogo, de questionar ideias feitas sobre certos temas.

 

podemos levar este livro para uma oficina de filosofia para crianças?

sim, podemos. trata-se de um livro que toca nalguns dos pontos mais cristalizados da nossa sociedade, como o "quem disse, Lelê, que menino não brinca de ser pai de um bebê?"

e o azul, é uma cor só de meninos? e o rosa? e a cozinha é o lugar de quem? 

o livro aponta para um mundo que é azul, que é rosa e que é de todas as cores. abre possibilidades, abre espaço para pensar nos "quem disse?" desta vida, das regras, do "faz isto" e do "não faças aquilo" que interiorizamos e que não colocamos em causa.

trata-se de um livro que amplia para a diversidade e, se há uma mensagem que está presente no livro, é "não existe padrão". 

 

sugestão de trabalho a partir do livro "quem disse?"

como trabalhar este livro em sala? eis a minha sugestão, passo a passo:

- leitura partilhada do livro;

- no final da leitura dar algum tempo para pensar sobre o que ouvimos;

- perguntar às pessoas em sala se têm alguma pergunta ou se quem comentar alguma coisa do livro (este é um bom momento para treinar a diferença entre perguntar e dizer uma coisa);

- registar as perguntas e comentários de todos, num papel ou no quadro, para que todos possam ver (se estivermos em aula online, utilize um documento partilhado ou uma opção de power point em modo de edição);

- pergunta se alguém já tinha ouvido algumas das ideias presentes no livro; por exemplo, que os meninos não usam cabelo comprido. será que sabemos dizer quem disse isso? e qual será a razão para o dizer?

- seguindo este exemplo, podemos avançar para pensar qual é a diferença entre um menino de cabelo comprido e um menino de cabelo curto? o que diz o tamanho do cabelo? quem na sala gostaria de ter cabelo comprido? quem gostaria de ter cabelo curto?

 

esta proposta pretende criar espaço para pensar

1) o que pode levar a alguém a dizer (x ou y)

e 2) se isso que diz tem sentido e se é suportado por razões válidas. 

 

sobre a faixa etária e o trabalho em sala, com a educadora ou com o educador

sobre a faixa etária: note que na descrição da sugestão de trabalho escrevo "pessoas" e não crianças ou jovens. o motivo? este livro poderá ser apresentado a diferentes grupos etários. consigo pensar em grupos com 5 e 6 anos com os quais já trabalhei junto dos quais haveria interesse e pertinência em abordar esta temática. note-se que não chegamos para o grupo a dizer: vamos trabalhar um tema da educação sexual! simplesmente, abordamos o livro como qualquer outro. 

no caso do jardim de infância e do 1.º ciclo e assumindo o papel que normalmente desempenho (o de professora externa que visita a sala para fazer acontecer a filosofia) julgo que será pertinente a partilha prévia do livro com a educadora ou com o educador. às vezes também os adultos precisam questionar os quem disse, pois também os perpetuam, tantas vezes de modo inconsciente.

o trabalho em parceria com a educadora ou com o educador da sala é algo que estimo e que procuro praticar. o trabalho de reflexão filosófica conduz-nos a um olhar diferente sobre aquilo que vemos todos os dias e, de repente, podemos ter um menino a perguntar a razão pela qual a sua bata é azul e a da Catarina é rosa. e esta pergunta pode muito bem acontecer num momento que não é o da oficina de filosofia e daí ser tão importante o trabalho partilhado com a educadora ou com o educador. 

a meu ver, trabalhar temas como a educação sexual em sala, com crianças, jovens e adultos, tem toda a pertinência e exige preparação, integração e uma sensibilização junto de todos os agentes educativos. a escola não é aquilo que acontece da porta para dentro; a escola somos todos nós: educadores, pais, avós, tios, vizinhos.

se nas oficinas de filosofia abordamos o sentido da vida, também podemos falar do sentido que tem dizer que um menino não pode usar cabelo comprido.  

 

 

 

Quem disse? /  Carolina Arcari  e Guilherme Lira / Editora Caqui 

 

recursos para a prática da filosofia para crianças

em Portugal ainda há muito material de Lipman por traduzir; arrisco mesmo a dizer: está quase tudo por fazer. 

ainda que eu não seja uma lipmaniana de raiz e tenha começado o meu trabalho com outros recursos (como as imagens, os seis chapéus do pensamento, os livros infantis), reconheço que é importante conhecer o material de Lipman e de Sharp. 

o currículo de filosofia para crianças de Lipman é composto pelas histórias (ou novelas) e o manual do professor. neste é possível encontrar muitas ideias para trabalhar em oficina, ou seja, mapas de trabalho.

convém lembrar que o mapa não é o território e que essas propostas de trabalho presentes nos manuais de Lipman e de Sharp são isso mesmo: propostas. durante uma oficina de filosofia a imprevisibilidade dita o curso do diálogo e a qualidade filosófica deste vai depender, numa primeira fase,  em muito do trabalho do facilitador. com o tempo, a comunidade irá incorporar autonomia e responsabildiade nesse campo.

 

hoje em dia é possível encontrar ideias e recursos em vários sítios da internet. reuni alguns dos meus websites preferidos para partilhar consigo. 

 

SAPERE 

- recursos online e sugestões de actividades validadas pela equipa SAPERE.

 

The Philosophy Man

- Jason Buckley e Tom Bigglestone apresentam várias actividades para crianças, em diferentes faixas etárias. 

 

Dialogue Works 

- a equipa Dialogue Works é constituída por Roger Sutcliffe, Bob House e Nick Chandley. vale a pena conhecer (e praticar) as hometalks

 

Tomás Magalhães Carneiro 

- no seu blog, o Tomás apresenta várias possibilidades de trabalho em ambiente de diálogo filosófico

 

The Philosophy Foundation 

- Peter e Emma Worley partilham alguns recursos bastante úteis para quem pretende praticar a filosofia para crianças e jovens. 

 

i287104489302255714._szw1280h1280_.png

SAFE P4C (#covid19pt)

- um conjunto de facilitadores de P4C juntou-se para criar este documento com ideias para implementar o nosso trabalho em tempos de #covid19pt. pode fazer o download gratuito AQUI.

 

JANA MOHR LONE - UNIVERSITY OF WASHINGTON 

- o website do Centro de Filosofia para Crianças é muito rico em materiais e ideias para a prática da filosofia para crianças. a pensar nos pais, foi disponibilizado este documento para ajudar a responder à pergunta: How can parents and grandparents inspire philosophical conversations with your children and grandchildren?

 

WONDER PONDER 

- este é um dos websites mais acarinhados aqui no blog: a filosofia visual para crianças e jovens surpreende-nos a cada momento. vale MUITO a pena visitar este trabalho

 

JANE YATES - PHILOSOPHER'S BACKPACK 

- o website da Jane tem um conjunto de recursos que a Jane vai actualizando ao longo do tempo. sugiro que coloque este link nos favoritos. 

*

 

aqui mesmo, neste blog, é possível encontrar sugestões de trabalho a partir dos relatos das oficinas que desenvolvo:

- jardim de infância

- oficina do platão (para crianças e jovens)

também aqui é possível ler um conjunto de entrevistas com investigadores e facilitadores de todo o mundo sobre esta temática. 

 

este artigo foi útil? tem sugestões? partilhe nos comentários!

 

A perguntar é que a gente se entende

– oficina sobre a “arte” de fazer perguntas

117813881_10156979972651548_2362499544415491926_o.

 

A pergunta é a porta de entrada para tantas coisas na nossa vida. Quando conhecemos alguém pela primeira vez perguntamos: “Como se chama?”. Depois segue-se o “Como está?” e a conversa de circunstância que começa com perguntas.

No quotidiano precisamos de perguntas para trabalhar, para estudar, para nos relacionarmos com os outros à nossa volta. Como fazer perguntas simples? O que fazer para tornar as perguntas mais claras?

 

Nesta oficina vamos praticar a pergunta, exercitando o pensamento crítico e o pensamento criativo, bem como o pensamento colaborativo.

 

A quem se destina? A entrada é permitida a quem quer perguntar.

 

 Tópicos:

  • O que é uma pergunta?
  • Como perguntar de forma simples?
  • O que torna uma pergunta clara e distinta?
  • O que pergunta uma pergunta?

 

 Autores de referência:  René Descartes, Platão, Edward de Bono, Robert Fisher

 Duração: 10h (sessões síncronas e assíncronas) 

 Funcionamento da oficina:  Haverá sessões online, via zoom e síncronas, para a parte mais teórica da formação e para permitir o pensamento colaborativo e trabalho em grupo.

Também vamos trabalhar colaborativamente através da Google drive, havendo acompanhamento de trabalho através da Google classroom.

 

 Sobre a formadora:

Joana Rita Sousa é filósofa, formadora e mestre em filosofia para crianças. Trabalha na área da filosofia aplicada desde 2008.

 

 Calendário: 

1.ª sessão síncrona 2h – 28 de Agosto, sexta, 18h30/20h30

2.ª sessão assíncrona 2h

3.ª sessão síncrona 2h – 2 de Setembro, quarta, 18h30/20h30

4.ª sessão assíncrona 2h

5.ª sessão síncrona 2h – 8 de Setembro, terça, 18h30/20h30

 

 

Informações e inscrições junto da Bertrand Livreiros

pensar DENTRO da caixa - oficinas para treinar a criatividade, no dia-a-dia

98456262_10156763057021548_4181907766606036992_o.j

 

Parar para pensar – e para criar, DENTRO da caixa.

 

Eis o desafio destas oficinas, durante as quais os participantes terão oportunidade de dar largas à criatividade. Esta entende-se como algo que pode ser aplicado no quotidiano. O curso pretende dar ferramentas para que a prática da criatividade faça parte dos seus dias. Vamos a isso?

Durante estas oficinas vamos procurar pontos de criatividade no nosso dia-a-dia, desde a forma como organizamos o dia de trabalho ou uma reunião, ou a forma como criamos uma lista de comprar no supermercado.
Apoiados em ferramentas da área da criatividade, vamos fazer pontes entre a teoria e a prática da criatividade, procurando tácticas que permitam tirar partido dessas ferramentas, na vida de cada um.
O desafio: que cada um de nós olhe para o seu dia de uma forma nova, procurando gerir o tempo com um toque de criatividade. Aceita o desafio?

 

Autores de referência: Tony Buzan, Robert Fisher, Immanuel Kant e Edward de Bono.

TÓPICOS
a) Caixa? Mas qual caixa?
b) Mapear o pensamento
c) Técnicas de criatividade para o dia-a-dia
d) O diálogo como ferramenta de criatividade

Destinatários: adultos motivados para aprender e colocar a criatividade em prática

3 de junho, terça-feira, 18:30h - 21:30h
5 de junho, quinta-feira, 18:30h - 21:30h

Valor de inscrição: 25,00€

Com Joana Rita Sousa, Filocriatividade - Filosofia e Criatividade, formadora na área da criatividade, consultora na área da estratégia digital, filósofa e colecionadora de perguntas.
__________
Inscrições: bit.ly/oficina-criatividade-

 

"e depois andamos ali a ver"

[na escola, encontro um petiz que me olha de alto a baixo. digo boa tarde. o petiz responde.]

- olha, tu és professora de quê?
- de filosofia, respondi.

franziu o sobrolho: "o que é isso?"

- pergunta àqueles amigos que estão ali sentados [todos eles meus alunos]

o G. olhou para o T. o R. encolheu os ombros e disse "não sei explicar".
o T. avançou com uma resposta:

- é assim, é uma aula com perguntas. a professora faz perguntas, nós também damos perguntas e depois andamos ali a ver.

#filocri Filosofia e Criatividade no 1º ciclo

C R I A T I V I D A D E - para todos

a realidade (ir)real: pensamento criativo para o dia-a-dia - curso de 12h

website-landingpage.png

Parar para pensar – e para criar: eis o desafio deste curso, durante o qual os participantes terão oportunidade de dar largas à criatividade. Esta entende-se como algo que pode ser aplicado no quotidiano.

O curso pretende dar ferramentas para que a prática da criatividade faça parte dos seus dias.

Vamos a isso?

 

> 7 e 14 de março (sábados) - total de 12h 

> 10h-17h30 

> Coworking de Torres Vedras

mais informações na agenda do Coworking Torres Vedras

 

 

Mais sobre mim

O que faço?

Filosofia é coisa para miúdos

Fórum na Revista Dois Pontos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D