Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / cafés filosóficos / educação / filosofia da educação / #filocri

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / cafés filosóficos / educação / filosofia da educação / #filocri

procura recursos na área da filosofia para / com crianças?

joana rita sousa, 12.06.22

 

IPb6CbnH.jpg

 

hoje em dia é possível encontrar ideias e recursos em vários sítios da internet. para que possa pesquisar com algumas referências, reuni alguns dos meus websites preferidos para partilhar consigo. 

 

SAPERE 

- recursos online e sugestões de actividades validadas pela equipa SAPERE.

 

The Philosophy Man

- Jason Buckley e Tom Bigglestone apresentam várias actividades para crianças, em diferentes faixas etárias. 

 

Dialogue Works 

- a equipa Dialogue Works é constituída por Roger Sutcliffe, Bob House e Nick Chandley. vale a pena conhecer (e praticar) as hometalks

 

Tomás Magalhães Carneiro 

- no seu blog, o Tomás apresenta várias possibilidades de trabalho em ambiente de diálogo filosófico

 

The Philosophy Foundation 

- Peter e Emma Worley partilham alguns recursos bastante úteis para quem pretende praticar a filosofia para crianças e jovens. 

 

JANA MOHR LONE - UNIVERSITY OF WASHINGTON 

- o website do Centro de Filosofia para Crianças é muito rico em materiais e ideias para a prática da filosofia para crianças. a pensar nos pais, foi disponibilizado este documento para ajudar a responder à pergunta: How can parents and grandparents inspire philosophical conversations with your children and grandchildren?

 

WONDER PONDER 

- este é um dos websites mais acarinhados aqui no blog: a filosofia visual para crianças e jovens surpreende-nos a cada momento. vale MUITO a pena visitar este trabalho

 

JANE YATES - PHILOSOPHER'S BACKPACK 

- o website da Jane tem um conjunto de recursos que a Jane vai actualizando ao longo do tempo. sugiro que coloque este link nos favoritos. 

 

THE PRINDLE INSTITUTE for ethics 

- neste website é possível encontrar sugestões de livros acompanhados de orientações para oficinas de filosofia a partir desses mesmos livros. 

 

*

caso se sinta algo perdida/o com os recursos e precise de alguma orientação para compreender como se faz acontecer uma oficina ou sessão de filosofia para/com crianças, contacte-me para agendar uma mentoria.

também poderá consultar a agenda e participar numa das próximas formações que vou ministrar.

estudar para o exame de filosofia

- e não só!

joana rita sousa, 07.06.22

siora-photography-hgFY1mZY-Y0-unsplash (1).jpg

nesta altura do ano recebo algumas mensagens de famílias ou de estudantes que têm o exame de filosofia à porta e que procuram apoio ao estudo. tenho acompanhado estudantes cujo problema de estudo não diz respeito à disciplina em si, mas ao facto de terem dificuldades em organizar ou planear o seu estudo.

há muitas técnicas e ferramentas que nos podem ajudar e por vezes é preciso tempo para as conhecer, experimentar e escolher aquela que funciona connosco. uma vez que os exames estão mesmo à porta, escolhi aquilo que melhor funciona comigo na esperança de que possa ser útil a alguém.

 

pausas: a técnica pomodoro 

no artigo três sugestões para estudar melhor falo da técnica pomodoro que pode ser muito útil para gerir os tempos de estudo e ajudar o nosso cérebro no balanço entre o modo difuso e o modo focado. no trabalho ou no estudo, a pausa é essencial para conseguirmos ter produtividade nas tarefas. 

 

apontamentos: os mapas mentais

sou fã dos mapas mentais e do Tony Buzan e não abdico desta forma de tirar apontamentos. preparei as defesas das minhas duas dissertações de mestrado com mapas mentais. organizo leituras com mapas mentais. é revolucionária a forma como os mapas mentais nos fazem pensar num assunto. exige alguma prática e tempo para apanhar o jeito, mas depois é algo que fica para a vida. 

 

apontamentos: faz a tua própria sebenta

confesso: adoro a palavra sebenta. para mim uma sebenta é o conjunto de apontamentos de uma disciplina. pode conter texto corrido, imagens, gráficos e mapas mentais. podem ser feitas num simples documento word, mas hoje em dia há evernote ou notion que podem perfeitamente ajudar a agregar a matéria. 

deverá haver um índice orientador para que facilmente possamos encontrar os conteúdos de que precisamos. quando se tem colegas na turma que têm óptimos apontamentos, nada como pedir-lhes as suas notas para incluir na nossa sebenta. aliás, podem construir a sebenta em conjunto, usando ferramentas colaborativas (como a google drive). 

 

estudar sozinha e acompanhada?

esta é uma nota muito pessoal: adoro estudar sozinha. organizar o meu tempo e as minhas papeladas. e também gosto de momentos de diálogo e de troca sobre elementos da matéria. a minha sugestão passa por ter momentos de encontro com quem está a estudar para conversar sobre a matéria, fazer perguntas, trabalhar pormenores e/ou a visão do todo. o diálogo é uma excelente ferramenta de estudo. 

 

*

 

o planeamento é fundamental na hora da preparação para os exames. é um engano pensar que basta estudar muito e nas vésperas, pois a qualidade do estudo é duvidosa e a pressão pode mesmo atrapalhar o processo. 

a ideia de ir estudando atempadamente, dividindo a matéria em pequenos blocos, parece-nos mais morosa e menos atraente numa altura em que queremos tudo rápido e já e no momento. porém, é uma excelente estratégia de estudo. quanto mais cedo começamos a fazer este planeamento, melhor. 

 

👉 outras sugestões disponíveis neste artigo P3

votos de bom estudo! 

 

 

filosofia e o ensaio filosófico

joana rita sousa, 01.06.22


yannick-pulver-hopX_jpVtRM-unsplash.jpg

hoje tinha duas mensagens no twitter de jovens que pretendiam indicações para redigir um ensaio filosófico. são alunos do 11.º ano e têm temas e perguntas a partir dos quais são convidados a ensaiar pensamento.

a minha recomendação foi idêntica para ambos: uma vez tendo a pergunta bem definida, é necessário analisar a pergunta, os conceitos que nela habitam, circunscrevendo o seu âmbito. esse processo pode incluir alguma pesquisa sobre a temática que poderá conduzir-nos a ideias de pessoas filósofas. 

no livro The Basics of Essay Writing, Nigel Warburton salienta a importância da pesquisa e do planeamento, ainda antes do momento da escrita. durante esse processo é bom cultivar uma certa suspensão do juízo (epoché) e estar atenta/o aos enviesamentos de pensamento (é natural ter uma tendência para concordar com um lado da questão e por isso pensar de forma mais superficial o outro lado da questão.

um exemplo:  imaginando que o ensaio versa sobre a pergunta: "a resposta científica e a resposta religiosa são opostas ou complementares?, convém dizer o que caracteriza uma resposta científica e uma resposta religiosa. poderá ser pertinente ver se essas respostas respondem às mesmas perguntas -  ou não.

há ainda que manifestar o nosso posicionamento face à pergunta do ensaio: partindo do exemplo, há oposição ou complementaridade? e justificar. 

julgo que é importante sublinhar que nem todas as respostas que damos à pergunta do ensaio filosófico irão assumir um dos lados a 100%: ou seja, eu posso concordar em parte com a oposição e em parte com a complementaridade. para tal, tenho de elaborar bem o meu ponto de vista, esclarecendo onde encontro relevância ou suficiência nas posições.

também é importante lembrar que aquilo que é um argumento tem de estar bem claro na nossa cabeça; o dicionário Crítica na Rede pode dar uma ajuda.

 

*

📌 o David Erlich partilhou comigo que aprecia bastante a sugestão sobre ensaio filosófico presente no manual Como pensar isto tudo?, 10.º ano - versão do professor e que elenca os seguintes passos:

- formulação explícita do problema;

- explicitação da importância do problema;

- esclarecimento de conceitos;

- caracterização das principais teses em confronto;

- formulação explícita da tese defendida;

- argumentação a favor da tese defendida;

- argumentação contra as teses opostas;

- conclusão: breve resumo das ideias e argumentos apresentados. 

*

alguns recursos que podem ser úteis: 

- o professor Vitor Lima disponibiliza um vídeo intitulado Argumentação sem stresse;

- o canal Isto Não É Filosofia tem várias aulas sobre temas distintos - alguns deles podem ser úteis para pensar a pergunta do ensaio filosófico;

- também no youtube: espreitar os canais do Rolando Almeida e A Tua Filosofia, do David Erlich. 

- o #EstudoEmCasa disponibiliza um vídeo onde se responde à pergunta "como escrever um ensaio filosófico?"

 

boa pesquisa, boa leitura e boa escrita!

 

se este artigo foi útil considere pagar-me um café

ou participar numa das oficinas de filosofia philoTEEN

e/ou do #ClubeDePerguntas.

nudge

joana rita sousa, 15.04.22

sSse3m8v.jpg

no último encontro de mentoria com o meu amigo filósofo Vitor Lima falámos deste livro, nudge. um livro de capa amarela e com uns elefantes catitas na capa da autoria de Richard Thaler e Cass R Sunstein. 

estes encontros de mentoria em dupla têm sido muito felizes e enriquecedores. ambos somos mentores e mentorados um do outro, falamos de igual para igual. ainda que ambos tenhamos percursos na área da filosofia (e foi isso que nos aproximou) são percursos distintos e desde a  primeira hora compreendemos que teríamos uma situação verdadeiramente win win se nos encontrássemos regularmente para conversar, partilhar obstáculos e conquistas, arriscar perguntas e respostas. 

a referência que o Vitor fez ao livro nudge foi o empurrão que eu precisava para comprar o livro e incluir na pilha de livros a ler, lado a lado com os títulos trabalho e a arte da boa vida (de outros autores). 

um dos episódios do [IN]PERTINENTE aborda este livro e é uma boa forma de entrar no tema: 

Todos os dias tomamos decisões importantes - sobre a escola e saúde dos filhos, sobre o que compramos, o que comemos ou como investimos o nosso dinheiro. Infelizmente, muitas vezes tomamos más decisões. Um simples preconceito, ou uma leitura equívoca das probabilidades, podem levar a que percamos a perspetiva racional, e passemos a fazer escolhas que apenas nos prejudicam.
Nudge - a obra de referência do Prémio Nobel Richard H. Thaler - explica-nos o processo de decisão e como podemos aperfeiçoá-lo. Com recurso a décadas de experiências no campo da economia comportamental, os autores mostram-nos como usar a "arquitectura da escolha". (fonte: bertrand livreiros) 

 

se quiser comprar um destes livros considere fazê-lo entrando neste link da bertrand livreiros, o meu link afiliados. obrigada!