Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

"joana, o que fazes?"

EG-4nvVW4AAl61u.jpg

no presente lectivo aceitei um desafio novo: o de apoiar alunos do 10.º e 11.º anos, na disciplina de Filosofia, usando as ferramentas da filosofia [para crianças e jovens].

trata-se de um regime de tutoria, one-to-one, apoiado nos conteúdos do programa de filosofia e que pretende, acima de tudo, treinar o pensamento crítico e pensamento criativo.

 

para mais informações: info@joanarita.eu 

 

10 perguntas comuns em torno da filosofia para crianças e jovens

[texto originalmente publicado no site Mulheres à Obra, 5 Setembro 2018]

 

Desde 2008 que trabalho na área da filosofia para crianças (FpC). Fiz formação – ainda faço – trabalho em jardins de infâncias, em escolas. Tive um projecto num ginásio. Levo as oficinas de filosofia a vários pontos do país – e não só. Dou formação a professores e educadores. Tenho recebido muitos e-mails a solicitar apoio, esclarecimento de dúvidas – sobretudo a quem desenvolve investigação nesta área.

Nem sempre é fácil explicar o que faço, pois há muitas ideias pré-concebidas e tudo o que é estranho provoca… estranheza.

Tenho coleccionado muitas perguntas sobre o meu trabalho e sobre a filosofia para crianças. Fiz uma lista das dez mais recorrentes – e partilho convosco algumas respostas curtas.

 

Screenshot 2019-03-28 21.57.19.png

 

 

  1. «Joana, dás aulas de filosofia? »

Não. No sentido convencional e tradicional do termo « aula » = alguém que tem o saber (conteúdos) e os transmite a quem não sabe. Nesse sentido, não dou aulas – ainda que possa falar do espaço e tempo durante o qual a filosofia acontece como aula.

  1. “Então tu és professora?”

Não – no sentido clássico do termo, não sou professora.

Sou facilitadora – ou dificultadora como gosto de lhe chamar. O meu papel é o de “obrigar” a parar para pensar, a aprofundar. Mergulhar no mundo dos pensamentos.

  1. “O que tu fazes é pôr as crianças a conversar umas com as outras?”

Não, isso elas já fazem. O meu objectivo é que haja diálogo. Isso implica que se pratique a escuta e o parar para pensar. Além disso, pretendo aprofundar as questões de forma filosófica.

  1. “Nessas aulas podemos dizer o que quisermos?”

Sim e não. Podes dizer o que quiseres, mas isso tem que ser submetido ao grupo para avaliar se é pertinente para a discussão em curso.

Além disso, também avaliamos a sua qualidade filosófica – e é aí que eu intervenho mais e dificulto as coisas.

  1. “Isso que fazes é um modelo pedagógico?”

Na verdade, a FpC é uma estrutura que facilita processos de aprendizagem. E é algo mais do que isso. Crio um espaço e um tempo em que é fundamental realizar exercícios de cariz filosófico. Sim, a filosofia para crianças transpira intencionalidade filosófica.

 

D6th5v7XsAEmu4k.jpg

 

  1. “Então basta preparar e ter um plano ou uma planificação, para chegar ao objectivo filosófico?”

Não. A preparação, em jeito de planificação é útil. O mais importante é atender àquilo que as pessoas estão a dizer e captar as suas implicações filosóficas e a riqueza para o diálogo. É fundamental a disponibilidade para o improviso.

  1. “Basicamente o que fazes é treinar pensamento crítico?”

Também. O pensamento crítico é fundamental neste processo. Há outras dimensões: a criatividade, o caring thinking (Lipman) e a dimensão colaborativa (afinal, somos um grupo que se junta para pensar… em conjunto!).

  1. “Não achas que isso é muito difícil para as crianças? É muito abstracto.”

As crianças têm uma linguagem própria e uma experiência que é sua. A FpC abre espaço para que se possam manifestar, à medida da sua linguagem e da sua experiência. A partir daí, extraímos o sumo filosófico.

  1. “Então e tu jogas às cartas com as crianças, é isso?”

Faço jogos, sim. Utilizo muitos recursos que facilmente se associam ao jogo (quantos-queres, jogos de cartas, jogo do galo…). A ideia é partir de um recurso simples e lúdico para o trabalho filosófico. O jogo – tendo elementos físicos, nos quais as crianças podem mexer e até levar para casa – ajuda-me a tornar a filosofia palpável.

  1. “E as crianças gostam?”

Nem todas. É como a sopa: nem todas gostam, mas nem por isso deixamos de lhes dar sopa. É importante para elas, certo?

 

10968423_826999984037362_3277581017568362470_n.jpg

 

Assim é a filosofia: difícil, pois obriga a parar. Divertida, por nos permitir brincar com o pensar. Gosto da imagem da FpC como um ginásio para os músculos do pensamento. E todos nós sabemos como treinar provoca dores, num momento inicial. Depois há que manter a disciplina de treino.

 

agenda #filocri - em agosto

radio_miudos.jpg

 

durante o mês de agosto continuamos a filosofar

 

podem ouvir o programa "filosofia é coisa para miúdos",  na rádio miúdos, onde também estão disponíveis outros programas.

 

Screenshot 2019-06-10 13.21.47.png

 

café filosófico na livraria bertrand

 

no dia 26 de agosto voltamos à livraria mais antiga do mundo, a bertrand do chiado, para mais um café filosófico. começa às 18h30 e termina às 20h e a pergunta que vai orientar o nosso diálogo é: podemos amar a Sophia? 

para participar no café filosófico terá de fazer uma inscrição via e-mail ou no local, uns minutos antes de começarmos. encontra toda a informação no site da bertrand

 

18739649_ZPhl3.jpg

 

cartas com filosofia

 

se preferir pode filosofar em casa, no trabalho ou na praia: o filopenpal anda por aí, na mala dos carteiros, para chegar a quem quer filosofar e parar para pensar, através de jogos e desafios filosóficos. a quem se destina? a miúdos e a graúdos: não há limite de idade. envie um e-mail para info@joanarita.eu para saber mais sobre o filopenpal.

 

também andamos pelo facebook e pelo instagram - já nos segue por lá? 

filosofia é coisa para miúdos - um programa de filosofia, na rádio miúdos

D7WcVC_WkAAcblp.jpg

 

D7WcVDBXYAAFd5p.jpg

 

uma vez por mês vou até aos estúdio da rádio miúdos, no bombarral, para gravar os programas "filosofia é coisa para miúdos".

 

livros que provocam o pensar - e o diálogo!

nas últimas duas visitas fiz-me acompanhar de dois livros que, quanto a mim, são óptimas provocações para pensar: o livro dos grandes opostos filosóficos, de Oscar Brenifier, e a contradição humana, de Afonso Cruz. enquanto o primeiro foi concebido com intenção filosófica, entenda-se, faz parte da colecção de filosofia para crianças da Edicare, do professor Oscar Brenifier; já o segundo é um livro que sem ter sido redigido com esse propósito, apresenta um registo provocador, tal como se pretende numa oficina de filosofia para crianças e jovens. 

 

a contradição humana talvez seja um dos meus livros preferidos do escritor e ilustrador Afonso Cruz. talvez não seja um livro para crianças e jovens: é um livro que os mais crescidos deviam ler no sentido de parar para pensar no que fazemos e dizemos, diariamente. 

 

 

podem ouvir os nossos programas através da app ou aqui, no site da rádio miúdos.  

"abraço de cardume"

D6th5v7XsAEmu4k.jpg

 

de vez em quando sou convidada para fazer oficinas pontuais com turmas, nas escolas. desta vez rumei até à zona da Malveira para visitar uma turma do 5º ano e uma turma do 3º ano. com a turma do 5º ano trabalhámos a partir de um exercício de Peter Worley, sobre sentido/significado. com o 3º ano andámos a investigar o que era uma pessoa - é um jogo que gosto muito de levar para a sala de aula, pois é motor de bons diálogos, de boas interrogações. e o mais interessante é que surgem sempre coisas novas, novos pontos de vista ou juízos, a partir do mesmo exercício. por isso, ainda que seja um exercício que eu já tenha visto "em movimento" várias vezes, aprendo sempre algo novo.

sim, o facilitador também aprende coisas novas: convém que esteja disponível para isso e não se feche nas ideias que já foram ditas, que já foram pensadas.

 

o melhor destas visitas às escolas? os abraços. valem OURO! 

oficina de filosofia para crianças, na livraria Bertrand do Chiado

56285179_10155753784206548_7045172247337631744_n.p

A filosofia gira à volta das perguntas e do perguntar: por que é que fazemos perguntas? O que queremos saber quando perguntamos? E por que fazemos perguntas para as quais já sabemos a resposta? 


Nesta oficina vamos perguntar coisas às perguntas, procurando encontrar qual é a pergunta mais importante para cada um de nós. Será que a vamos conseguir descobrir?

 

com Joana Rita Sousa

informações: leitor@bertrand.pt

de que cor são os pensamentos? - oficina de filosofia, para pais e filhos

DE QUE COR SÃO OS PENSAMENTOS?
Vamos iniciar a aventura do parar para pensar. Partimos de uma pergunta pela cor. Esta existe no mundo à nossa volta, na natureza. E de que cor são os meus pensamentos? De que cor é o verde que penso, na minha cabeça? De que cor é o verde da natureza?
A dinamização da atividade está a cargo de Joana Rita Sousa.

 

filosofia_para_criancas_roda

 

 

QUANDO
27 de abril de 2019, sábado.
10:30-11:30 (pais e crianças dos 4 aos 6 anos).
11:40-12:40 (pais e crianças dos 7 aos 10 anos).
Máximo de 10 participantes em cada sessão.

PREÇO
5€ por participante.

INSCRIÇÕES E INFORMAÇÕES
movimentoroda@gmail.com 
91 4471070

ONDE
Biblioteca Municipal dos Olivais
Palácio do Contador-Mor, Rua Cidade de Lobito, Lisboa

filosofia é coisa para miúdos! - filosofia na Rádio Miúdos

Screenshot 2019-03-28 20.53.54.png

a Rádio Miúdos é um projecto com o qual colaborei desde o primeiro momento. tenho muito orgulho nisso, devo confessar. é uma rádio feita para e por miúdos; é um projecto que influencia e muda a vida de quem passa por ele. 

o empenho das "mini-'ssoas" é evidente na qualidade dos conteúdos que constroem, que partilham e também pelas emissões em directo que podemos acompanhar no site da Rádio

e a filosofia também marca presença na programação. YEAH! 

 

Oscar Brenifier: "Do not answer the questions of children, unless they first propose themselves an initial hypothesis, or different ones. Teach them to be autonomous, instead of mere consumers."

Oscar Brenifier, holds a Bachelor of biology degree (University of Ottawa) and a PhD in Philosophy (Paris IV – Sorbonne). For many years, in France as well as in the rest of the world, he has been working on the concept of ‘philosophical practice’, both from a theoretical and practical viewpoint. He is one of the main promoters of the project of philosophy in the city, organizing philosophy workshops for children and adults and philosophy cafés, working as a philosophy consultant, etc. He has published about fifty books in this domain, including the ‘Philozenfants’ series (Editions Nathan), which has been translated into over thirty-five languages. He founded the Institut de Pratiques Philosophiques (Institute of philosophical practice), to train practical philosophers and organize philosophy workshops in various places: schools, old people’s homes, prisons, social centers,organizations, etc. He is one of the authors of the UNESCO report: “Philosophy, a school of freedom”. 

 

At the Institut de Pratiques Philosophiques' website there are free books that you can download.

 

32954309_632143887166045_4224537760855228416_n.jpg

 

Can you recall the first time you heard about philosophy for children (p4c)?

I vaguely remember: I was still young at the  time. It  was when I proposed to an  elementary school to hold a philosophy workshop with the children . Until then I was primarily doing workshop with adults. But when later on I heard the coined expression “P4C”, I noticed it often had little to do with philosophy.

  

How did you started working with p4c?

In a regular way, it was when my eldest daughter entered kindergarten. I proposed to the director of the school to hold regular workshops with different classes of children, aged between 3 and 5. I then made different experiments, invented diverse exercises, to make the children think. 

 

Do you think p4c is necessary to children? Why?

No, it is not necessary. No more than art or gymnastics is necessary. Most people live without exercising their body or their mind, and manage quite well to survive. But of course, one might criticize the fact that they are missing on something important.

  

Nowadays children ( @ Portugal) have a lot of activities at school and after school. Why should we take philosophy to schools?

I don’t think we should. There is no foundation for such an obligation. But the good thing about philosophy is precisely that it is a non-activity, in the middle of all these activities.

  

What makes a question a philosophical question – from a p4c point of view?

Strange presupposition. It implies that there is a specific “p4c point of view”. I did not know. In a more general way, I don’t think there is such a thing as “philosophical questions”, but there are philosophical ways to deal with a question. For example, multiplicity of answers, guidance of reason, argumentation, problematization, etc. In this sense, all questions can be  philosophical.

  

What’s the biggest challenge p4c faces, nowadays?

To do philosophy, instead of holding cute discussions, going beyond a mere exchange of feelings and opinions. Learning to listen attentively, to analyse, to question rigorously, etc.

 

Can you give the teachers and the parents some kid of advice to help them deal with the children’s questions?

Do not answer the questions of children, unless they first propose themselves an initial hypothesis, or different ones. Teach them to be autonomous, instead of mere consumers.

  

Did the children ever surprised you with a question? Can you share that question with us?

Yes. “Can I go out to the toilet?”. I was surprised, because I naively forgot how much human beings connect to their body more than to their mind.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

@ creative mornings lx

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D