Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

>> oficinas de filosofia, para crianças, jovens e adultos >> formação para professores e educadores (CCPFC) >> nas redes sociais: #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

filocriatividade | filosofia e criatividade

>> oficinas de filosofia, para crianças, jovens e adultos >> formação para professores e educadores (CCPFC) >> nas redes sociais: #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

a filosofia está de volta ao jardim de infância

246007821_10224068485152217_1834772854792383096_n.

chegou o dia do regresso: eu e a mochila da filocriatividade voltámos ao jardim de infância (JI) para mais um ano lectivo de porquês, de perguntas e de respostas. desta vez temos a companhia das crianças da sala do balão mágico e da sala da amizade. 

 

o foco da 1.ª visita

nesta 1.ª visita a minha preocupação passa por conhecer as crianças e também a equipa de cada uma das salas. neste momento e por já colaborar há vários anos com este JI, as pessoas educadoras e auxiliares já me são familiares. tenho o trabalho facilitado pois também as equipas já conhecem o meu trabalho e há uma série de coisas que já temos articuladas entre nós.

para conhecer as crianças imaginei um jogo simples: dizer uma coisa que gostamos e uma coisa que não gostamos. pensei em perguntar logo o porquê, porém quis dar tempo para escutar se as crianças iriam dar razões ou se alguma das crianças teria curiosidade em saber o porquê. acabou por acontecer e foram as crianças que foram "pedindo" o porquê umas às outras. 

 

fazer uma pergunta: cuidar e colaborar

neste jogo, também se pratica o acto de perguntar: as crianças são convidadas a perguntar umas às outras a coisa que gosta e as coisa que não gosta. levo uns cartões coloridos e com smiles para ajudar a perguntar. há crianças que se levantam da roda e vão mesmo para perto do amigo ou da amiga para fazer a pergunta. outras perguntam sentadas e perguntam para o outro cantinho do tapete. neste jogo treinamos a escuta e a espera pela nossa vez e praticamos assim o pensamento colaborativo e cuidadoso (cuidativo).

 

pensamento crítico e pensamento criativo 

 

ihTSmWYF.jpg

de que forma se trabalham as dimensões do pensamento crítico e criativo num jogo como este? 

escutando as coisas escolhidas por cada uma das pessoas: há coisas de que muitos gostam? é possível que a mesma coisa seja aquela de que uma pessoa gosta e a de que outra pessoa não gosta? ouvimos bem: a J. adora fazer desenhos e o M. não gosta de fazer desenhos? perguntamos pelas razões de cada um para compreender.

também é possível que haja uma mesma razão para gostar de coisas diferentes. escutando e observando as falas de cada um podemos exercitar o pensamento criativo e ser convidados a pensar o mesmo de forma diferente

enquanto facilitadora trabalho estas dimensões de pensamento a partir daquilo que acontece no diálogo. neste caso nem foi preciso eu insistir com o porquê, pois ele foi "pedido" pelas crianças que manifestaram curiosidade em saber mais sobre as ideias umas das outras. 

 

pensar, escutar e falar (peter worley) 

citando Peter Worley no seu mais recente livro Corrupting Youth, pensar, escutar e falar constituem o movimento básico para que a filosofia e o diálogo filosófico possam acontecer.

esse é o convite triplo lançado às crianças da sala do balão mágico e da sala da amizade: pensar, escutar e falar. sem pressa: temos um ano lectivo pela frente! 

 

 

 

 

oficinas de filosofia para crianças e jovens - #filocri - 2020 / 2021

🎒 estou preparada para colocar a mochila às costas e viajar até ao jardim de infância e às escolas dos vários ciclos para levar a filosofia às crianças e jovens.

💬 neste ano lectivo as oficinas para cada um dos ciclos de ensino têm o nome de uma mulher filósofa. é uma forma de homenagear estas mulheres que ficam "de fora" das histórias da filosofia e sobre as quais considero importante falar e mencionar. 

👁 espero criar curiosidade em torno dos seus nomes e levar as pessoas a pesquisar os seus nomes, a descobrir quem são. 🙂 ainda estou a aprender quem são essas mulheres, o que pensaram, como fizeram filosofia, bem como a repensar a filosofi📧a e o modo de a fazer.

 

📧 se pretende proporcionar à sua turma uma oficina de filosofia, contacte-me via e-mail: joana@filosofiaparacriancas.pt 

 

👉as oficinas podem acontecer de forma presencial ou online síncrona. 

 

*

 

oficinas no jardim de infância

(pressione a seta no lado direito da imagem para ver em detalhe as informações sobre as oficinas) 

 

oficinas no 1.º ciclo do ensino básico 

(pressione a seta no lado direito da imagem para ver em detalhe as informações sobre as oficinas) 

 

oficinas no 2.º ciclo do ensino básico

 

(pressione a seta no lado direito da imagem para ver em detalhe as informações sobre as oficinas) 

 

oficinas no 3.º ciclo do ensino básico

 

(pressione a seta no lado direito da imagem para ver em detalhe as informações sobre as oficinas) 

 

oficinas no secundário 

 

(pressione a seta no lado direito da imagem para ver em detalhe as informações sobre as oficinas) 

filosofia para crianças - formação

- pretende levar formação na área da filosofia para crianças e jovens à sua escola ou biblioteca esc

desde 2008 que a filocriatividade desenvolve acções de formação para professores, educadores, professores bibliotecários e demais agentes educativos. nesse sentido, preparei três formações que podem viajar até à sua escola e/ou biblioteca escolar ou centro de formação.

 

que acções são essas? 

* Os porquês da palavra porquê - o que é a filosofia para crianças e jovens?

* Fazer da criatividade um hábito - mapas mentais e chapéus às cores em sala de aula

* Ler para perguntar, perguntar para ler - o que são livros perguntadores?

 

qual é a duração de cada acção?

a duração das acções é ajustada às necessidades do grupo. 

consoante a duração das acções (3h, 6h ou 9h) os conteúdos serão mais ou menos aprofundados e haverá mais ou menos possibilidade de fazer exercícios que permitam aos formandos apropriar-se das ferramentas. 

 

estas acções podem ser acreditadas junto do centro de formação?

sim, as acções podem ser acreditadas. 

 

as acções são online ou presenciais? 

as acções podem acontecer no formato presencial ou online. na opção online podemos trabalhar de forma síncrona e/ou assíncrona. é uma questão de conversarmos e ajustarmos "o fato à medida". 

 

como posso saber mais? 

basta que envie um e-mail para joana@filosofiaparacriancas.pt ou que me contacte através das redes sociais. 

 

 

 

filosofia para crianças - formação online

- Academia Best Care Agency

Screenshot 2021-09-22 at 18.21.13.png

Se é professor ou auxiliar do pré-escolar ou 1º ciclo básico, e procura formas diferentes de estimular as suas crianças, este curso foi a pensar em si.

💡 𝐓𝐞𝐦𝐚: A filosofia enquanto ferramenta que provoca o pensamento crítico e criativo
💡 𝐐𝐮𝐚𝐧𝐝𝐨: 12, 19, 26 de outubro, e 2 e 9 de novembro 2021 das 19h às 21h
💡 𝐎𝐧𝐝𝐞: Online (aulas síncronas)
💡 𝐎𝐛𝐣𝐞𝐭𝐢𝐯𝐨: Criar espaço e tempo para desenvolver competências de pensamento crítico, criativo, colaborativo e cuidativo
💡 𝐅𝐨𝐫𝐦𝐚𝐝𝐨𝐫𝐚: Joana Rita Sousa 
💡 𝐕𝐚𝐥𝐨𝐫: 150€  (promoção por 144€ até 1 de outubro 2021) 

 

mais informações AQUI 

aproveite para conhecer o trabalho e as soluções da Best Care Agency 

pós-graduação em filosofia para crianças e jovens - candidaturas até 24 de setembro

conferencias (1).png

Este curso pretende responder às necessidades de todos aqueles que procuram uma formação especializada, certificada e acreditada pelo CCPFC na área da Filosofia para/com crianças e jovens, através do ensino de metodologias de aplicação em sala de aula. 

É ministrado em regime de b-learning, combinando aulas presenciais com aulas  online, na plataforma Moodle.

As aulas presenciais são de apresentação, explanação e consolidação de conteúdos, bem como de explicitação e avaliação das atividades realizadas online. As aulas online podem comportar videoconferências e são de natureza teórico-prática, de apresentação de conteúdos e realização de atividades de avaliação.

De acordo com a UNESCO, a Filosofia assume uma importância fundamental no sistema educativo, quer como instrumento para a cidadania e para a cultura, quer como meio essencial para o desenvolvimento de competências críticas, reflexivo-argumentativas, e de valores éticos e políticos.  

Esta pós-graduação procura contribuir com novos instrumentos de análise e ferramentas pedagógicas, por forma a que os formandos posteriormente possam passar às crianças e aos jovens os elementos indispensáveis para que estes estabeleçam pontes entre o pensamento concreto e o pensamento abstrato, imprescindíveis à compreensão e à interpretação crítica da realidade que os rodeia.

O plano curricular abrange aspetos fundamentais para quem pretende desenvolver trabalho nesta área: conhecimentos teóricos, de carácter técnico e metodológico, e também análise de casos práticos e simulações de oficinas.

Um dos troncos fundamentais do curso passa pelo contacto com textos filosóficos – e com a Filosofia em si. Desta forma, a pós-graduação proporciona a quem não tem formação na área a possibilidade de contactar com e (re)conhecer a Filosofia.

 

informações através deste link

«A voz das crianças e dos jovens na educação escolar»

Copy of Copy of 4.º congresso.png

 

o Conselho Nacional de Educação publicou em Diário da República (n.º 135/2021, Série II de 2021-07-14) uma recomendação sobre a voz das crianças e dos jovens na educação escolar.

Entendemos por "voz das crianças e dos jovens na Educação Escolar" a possibilidade e o direito das crianças e dos jovens terem oportunidade para exprimir as suas ideias e opiniões ao longo de todo o processo educativo, bem como de verem a sua participação ser respeitada e considerada em todas as opções que lhes digam respeito.

Referimo-nos a várias dimensões transversais da voz: como instrumento de interação, de participação, de apropriação do conhecimento e de empoderamento social, promotores de desenvolvimento humano e de afirmação de cidadania.

Não basta apenas ouvir a voz do aluno. Os professores têm um imperativo ético de fazer algo a esse propósito com os alunos, e é por isso que o envolvimento significativo dos alunos é vital para a melhoria da escola. (Fletcher, 2005)

 

o documento reconhece que não tem havido uma prática de escuta por parte da comunidade escolar adulta perante as vozes das crianças e dos jovens: 

Ouvir e considerar as opiniões dos/as alunos/as não tem sido uma preocupação frequente entre os profissionais de educação. Nas suas formas mais tradicionais, a escola desenvolveu uma cultura de transmissão de conhecimentos de sentido único: da escola para os alunos/as, com reduzidas possibilidades de acolher as suas intervenções.

 

ainda que não tenha elementos estatísticos para partilhar consigo, a verdade é que a minha experiência itinerante com a filocriatividade, que me tem feito viajar e conhecer diferentes escolas por todo o país, tem-me dado a conhecer escolas muito diversas. escolas onde essa escuta acontece e tem consequências (por exemplo, é implementada uma sugestão de uma criança) e escolas onde a escuta acontece, sem consequências e escolas onde se ouve, mas não se escuta.

devo dizer também que uma mesma escola pode albergar estilos diferentes, pois cada sala é uma realidade em si mesma. 

 

voltarei à reflexão sobre este tema, nos próximos tempos, pois o documento merece uma leitura dedicada e demorada.  além disso, gostaria de fazer uma leitura acompanhada com alguns dos pensadores e pensadoras da filosofia para / com crianças e jovens, no sentido de compreender como é que esta área filosófica se constitui como um espaço de escuta de todas as vozes do grupo, indepentemente da sua idade: 

A igualdade e o equilíbrio cognitivo entre todos os membros procuram materializar-se na própria ideia de comunidade. As perguntas filosóficas são feitas em comunidade, o que significa que não são dirigidas ao professor ou a outra figura tutelar do conhecimento, mas a quem está presente. Num espaço preferencialmente em círculo, em que não há posições físicas de destaque porque todos se sentam ao mesmo nível, fala-se no grupo, com o grupo e como um grupo. Isso não significa uma homogeneidade ou consenso permanente de posições. Antes, é sinónimo de construção de um espaço partilhado de vozes múltiplas que se tocam em confrontos e concordâncias. Cada um partilha ideias que, começando por serem suas, são colocadas no espaço comum do diálogo e da reflexão. Não é o professor que pergunta o que já sabe, aguardando que os alunos se juntem a ele num caminho trilhado e sem surpresas. São todos, professor e alunos, que acolhem filosoficamente as suas perguntas e procuram descobrir-lhes sentidos, detetar inconsistências, colocar hipóteses, matizar sentidos e até encontrar o seu irredutível incómodo. (Magda Costa-Carvalho

 

 

 

a filosofia, uma obsessão pela transparência

- por António de Castro Caeiro

hansjorg-keller-ZDHcziN9i2g-unsplash.jpg

 

nos manuais de filosofia é comum encontrar-se a leitura de filosofia como amor à sabedoria. o professor António de Castro Caeiro apresenta-nos uma leitura diferente dos termos: filo como obsessão e sofia como transparência.

a filosofia é um saber prático que lida com a opacidade, procurando ultrapassá-la. trata-se daquilo a que em inglês se chama skill, de uma técnica, de uma actividade que exige perícias.

os filósofos e as filósofas são seres obcecados e obcecadas pela transparência, são agentes do adágio grego: saber é fazer. o saber prático resulta de uma transparência, da “resolução da opacidade".

“Os gregos acentuam precisamente a função prática de saber fazer”, diz-nos Caeiro na aula 1 do ciclo O que é a filosofia?, disponibilizado na plataforma spotify pelo CCB. 

 

 

hoje e amanhã: 4.º congresso internacional da sociedade portuguesa de filosofia

1.png

o programa do 4.º congresso é bastante rico e inclui duas mesas dedicadas à filosofia para crianças, nas quais participam:
 
• Dina Mendonça (Universidade Nova de Lisboa): Filosofia para Crianças e Filosofia das Emoções
• Magda Costa Carvalho (Universidade dos Açores): A filosofia para crianças na Universidade
• Florian Fraken Figueiredo (Universidade Nova de Lisboa): Philosophy for Children and new possibilities for the practice
• Dilar Cascalheira & Chrysi Rapanta (Universidade Nova de Lisboa): Argumentação como método de ensino em Filosofia
• Maria Teresa Santos (Universidade de Évora) Filosofia para Crianças: necessidades e possibilidades para a projetar nas linhas de um horizonte futuro
• Joana Rita Sousa (Filocriatividade): Uma prática teórica, uma teoria prática: filosofia para crianças e criatividade
• Tomás Carneiro (Investigador independente): Filosofia para crianças: uma filosofia do comum
 
para mais informações sobre o congresso, visite o website da sociedade portuguesa de filosofia

como identificar momentos de pensamento crítico na sala de aula

ka5e-q6c.jpg

 

indicadores de pensamento crítico

no artigo 16 Characteristics Of A Critical Thinking ClassroomTerry Heick avança com uma proposta: encontrar alguns indicadores da presença do pensamento crítico na sala de aula. porém, o autor sublinha que, mais importante do que procurar indicadores claros que se colocam numa tabela, o professor ou professora devem procurar criar uma cultura de pensamento crítico na sala. 

"(...) o pensamento crítico não parece ser uma instância cognitiva recorrente nos seres humanos, e por isso é necessário que ele seja fomentado e fortalecido através da educação, nas escolas e universidades. Os estabelecimentos de ensino, por sua vez, devem dedicar-se à implementação de uma cultura do pensamento que forneça estímulo constante ao desenvolvimento intelectual dos estudantes, para que assim eles sejam desafiados a estruturar argumentos adequadamente embasados para justificar as suas ideias, e tenham as habilidades e a disposição necessárias para avaliar as afirmações a que forem apresentados, bem como as suas próprias crenças e ideias mais arraigadas." (Guzzo & Guzzo). 

voltaremos à cultura do pensamento um pouco mais à frente. vejamos a proposta de Heick e alguns dos indicadores apontados no artigo:

💬 as afirmações dos professores e dos alunos estão sujeitas a análise crítica, podendo ser revistas a qualquer momento

💬 a imprevisibilidade, a incerteza e a disrupção são acolhidas pelo grupo

💬 a aprendizagem acontece motivada pela investigação e pelo pensamento, mais do que pelos conteúdos

💬 aprende-se o que é uma falácia e um viés de pensamento, a partir dos diálogos que acontecem em grupo

💬 a humildade é praticada por todos, professores e alunos. dizer "não sei" ou "não tenho a certeza" faz parte do processo.

 

como é que colocamos estes indicadores em prática? fica o aviso: não será fácil e não será espontâneo. do meu ponto de vista exige treino da parte do professor ou professora na sala, que deverá estudar e saber aplicar o pensamento crítico. além disso, exige uma atitude de disponibilidade para aceitar a incerteza e o erro. ainda que Terry Heick defenda que esta sala de aula se deixa guiar pelas perguntas dos alunos, mais do que pelos conteúdos, considero que é possível partir dos conteúdos para praticar o pensamento crítico.

como?, pergunta o/ leitor/a. 

partilho algumas sugestões:

👉 aprenda o que é pensamento crítico e coloque em prática. 

👉 reveja os conteúdos que tem para abordar em sala e procure terreno fértil para aplicar o pensamento crítico (por exemplo, para trabalhar o que é um argumento). este momento leva-o/a a repensar a forma como normalmente aborda os conteúdos e pode exigir que pense "ok, vou fazer de conta que nunca trabalhei o conteúdo X. como é que o poderia fazer e ao mesmo tempo trabalhar pensamento crítico com o grupo?" - ou seja, se calhar terá de abandonar os hábitos que já têm e criar outros. 

👉 disponibilize-se a escutar as ideias e as perguntas dos alunos, pois por vezes são o ponto de partida para diálogos nos quais se podem treinar as falácias, por exemplo. 

👉 crie momentos de diálogo em sala de aula. não precisa ser uma hora inteira, avance com 10 ou 15 minutos. 

👉 não tenha receio de dizer "não sei" ou "não tenho a certeza" em frente ao grupo. ter consciência da nossa ignorância é um momento fundamental do pensamento crítico, para que possamos investigar mais e criar uma posição fundamentada sobre um tema. 

👉 estabeleça pequenas metas e não procure atingi-las ao mesmo tempo. um passo de cada vez!

 

tenho uma longa experiência de trabalho de mentoria, formação e consultoria com professores e educadores de várias disciplinas e graus de ensino que pretendem introduzir o pensamento crítico nas suas aulas. estou disponível para agendar um encontro (presencial ou online) no sentido de construirmos momentos de pensamento crítico 100% adaptados ao seu contexto. para o efeito, basta que me envie um e-mail para joana@filosofiaparacriancas.pt 

 

49578048_2447994251937919_5141473807801778176_n.jp

 

a cultura de pensamento em sala de aula 

 

Uma cultura do pensar, argumenta Lipman, só pode ser criada a partir do comprometimento dos professores e da escola, com o desenvolvimento de habilidades cognitivas. A prática da maior parte dos professores, segundo Lipman, reflete um paradigma educacional tradicional, que objetiva a transmissão de conhecimento pronto e formatado do docente para o aluno, em um sistema no qual o professor é a autoridade detentora da informação, que precisa ser apreendida pelo aluno. Não há, dessa forma, grande espaço para o questionamento, para a investigação e para a discussão de ideias, e a sala de aula transforma-se em um espaço tomado pelo dogmatismo, um ambiente que tende a formar estudantes acríticos e passivos, incapazes de elaborar argumentos ou explicitar razões que sustentem as ideias com as quais tiveram contato em aula, e a questioná-las. (Guzzo & Guzzo). 

 

mais do que uma competência, o pensamento crítico é uma atitude, uma disposição para encarar a realidade (escolar e não só):

After watching the effect of disinformation on recent national and global events, it has occurred to me that critical thinking is less of a skill and more of a willingness or habit. In short, critical thinking is a mindset. As I’ve said before about reading–here, for example, in Why Students Should Read–is that while it’s important that students can read, it’s more important that they do read.

And critical thinking–thinking rationally, with reason and evidence, humility and knowledge, understanding and skepticism–is similar: it’s important that students can think critically but it’s more important that they do think critically.

In this way, critical thinking has to be a mindset. (Terry Heick

 

pensamento crítico é prática - e por isso insisto tanto que o professor ou a educadora que queira levar o pensamento crítico para os seus grupos se veja como um aluno ou uma aluna e se predisponha a treinar o pensamento crítico. pessoalmente, é como se o treino do pensamento crítico fosse a oportunidade perfeita para não deixar de ser aluna. 

ler e praticar pensamento crítico mantém-me perto do erro e daquela "f word" tão assustadora: falhanço. ainda que pareça algo super racional e alheado das emoções e do contexto onde é aplicado, o pensamento crítico é uma forma de praticarmos a nossa humanidade.

voltarei a este tema num próximo artigo.

até lá, acompanhe a filocriatividade aqui no blog, no instagram ou no facebook e também através da newsletter

 

 

 

 

4 sugestões de livros para adolescentes

3.png

nos últimos tempos tive encontros felizes com livros dedicados ao público juvenil e adolescente. estas 4 sugestões que partilho hoje são livros verdadeiramente perguntadores. 

preparado/a para aumentar a sua lista de compras na feira do livro? vamos a isso!

 

- coisas que acontecem, de inês barata raposo e susa monteiro (bruáa)

- aqui é um bom lugar, de ana pessoa e joana estrela (planeta tangerina)

- desvio, de ana pessoa e bernardo p. carvalho (planeta tangerina)

- gosto, logo existo, de isabel meira e bernardo p. carvalho (planeta tangerina)

 

conhece algum destes livros? tem outras sugestões de leitura para os jovens? partilhe nos comentários!

Mais sobre mim

O que faço?

Filosofia é coisa para miúdos

Fórum na Revista Dois Pontos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub