Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

"a prática filosófica é sofrer tranquilamente" - oscar brenifier

tumblr_pmzhlnEqtp1qhzqx6o1_500.jpg

 

pensar exige um esforço deliberado, obriga-nos a olhar para coisas que não são agradáveis e que nos deixam inseguros. o trabalho do pensamento crítico passa por parar para pensar e observar cada passo que damos.

o treino que os seminários do Oscar Brenifier proporcionam é, para mim, essencial para o desenvolvimento do meu trabalho enquanto facilitadora (ou dificultadora) de oficinas de filosofia (para crianças e jovens e até para adultos). 

descubro sempre coisas novas. redescubro coisas que vou esquecendo pois a espuma dos dias é espumosa demais e é fácil praticar o "go with the flow". é difícil tomar conta da nossa vida. contrariar isso exige consciência, exige prestar atenção, tratar de uma coisa de cada vez. 

 

52276855_10216703813800036_2201693604223647744_n.j

o hipópotamo, um ser autêntico. e praticante da simplicidade: tenho fome, como. tenho sede, bebo água. sem "mas", sem "depende", sem "agora não". sem "neste caso, não". para o hipópotamo há o aqui e agora.

parar para pensar no próprio pensamento é um trabalho de autenticidade, de pessoas se permitem ser hipópotamos. 

 

(sobre)vivi a mais dois dias de seminário de pensamento crítico: dois dias intensos, turbulentos e divertidos. o facto de os ter partilhado com pessoas que estimo e com quem tenho a possibilidade de partilhar as "dores" (e as alegrias) do pensar mais profundamente - isso foi a cereja no topo do bolo.

 

52748227_2290227584580790_744892391646822400_n.jpg

(fotografia da Elsa Cerqueira, partilhada no facebook. da esquerda para a direita: eu, Alice Santos e Oscar Brenifier)

 

até já, Oscar!

 

 

sobretudo: um podcast sobre (um bocadinho de) tudo - inclui filosofia

Screenshot 2019-02-06 18.57.28.png

o Márcio convidou-me para conversarmos no podcast SOBRETUDO. o tema? filosofia, pois claro. eu aceitei e durante quase 2h falámos de novas práticas filosóficas, de Platão, de Sócrates, dos primeiros filósofos, da história da filosofia e da filosofia que se leva à praça pública.

 

viajei até às crónicas MORA NA FILOSOFIA e recordei os meus tempos de estudante na licenciatura de filosofia, onde tive professores desafiantes e que marcaram o meu percurso académico, pessoal e profissional. enquanto falava com o Márcio, olhava para os dossiers e os livros aqui do escritório e dava-me conta como tenho uma péssima memória para arrumar os filósofos, cronologicamente. 

 

oiçam o SOBRETUDO sobre Filosofia. obrigada, Márcio, pela boa conversa!

oficina do platão

tumblr_pjmwriQB0v1qhzqx6o1_500.jpg

2018-12-12 19.48.04.jpg

a oficina do Platão está de volta a Telheiras. uma vez por mês, os pequenos-grandes-filósofos irão reunir-se para dialogar sobre as grandes questões da humanidade. e sobre as pequenas, também, pois as questões não se medem aos palmos.

na oficina de dezembro retomámos o tema abordado em novembro e começámos a usar as ferramentas de diálogo que nos permitem anunciar previamente o que vamos fazer: 

48323973_2400953529975325_186204703640518656_n.jpg

"Antes de falares, anuncia o que vais fazer: vou acrescentar uma ideia, vou contradizer, vou fazer uma pergunta, vou contar uma anedota, vou reforçar o que disseste, entre outros.

Isto exige que pensemos no que vamos dizer e na sua relação com o diálogo em curso. Além disso, tem como efeito a clarificação do discurso. Permite aos outros que analisem as tuas palavras com base no teu anúncio prévio."

 

voltamos a filosofar, na oficina do Platão, em janeiro. até lá!

 

 

 

 

 

 

"joana, temos esta situação para resolver" - filosofia no jardim de infância

tumblr_pj9lptWG451qhzqx6o1_500.jpg

 

na sala dos 3/4 anos, os caçadores de sonhos continuam intrigados com aquilo que vemos quando olhamos para o espelho. recordámos as oficinas anteriores e investigámos, não com o espelho que eu levei, dentro de uma caixa, mas com os dois espelhos que existem na sala. o que vemos quando olhamos para o espelho? 

quando olhamos para o espelho, as pessoas que lá aparecem existem mesmo ou não? existem mesmo? não existem? as opiniões dividiram-se. 

e eu continuo a existir mesmo que não esteja a olhar para o espelho? sim? não?

"sim, porque tu agora não estás a olhar para o espelho e estás a falar"

"sim, porque nós estamos a ver-te"

quem diria que iríamos abordar questões metafísicas, assim, de um dia para o outro?

tumblr_pj9lrrCfN11qhzqx6o1_500.jpg

 

na sala dos 4/5 anos, os habitantes do reino da fantasia estiveram a arrumar ideias: literalmente. cada pessoa arrumou a sua ideia tonta ou ideia normal, procurando justificar o porquê de ser tonta e de ser normal. não é um trabalho fácil e por isso, como não temos pressa,  vamos avançando devagarinho. procurar os critérios para dizer que uma ideia é tonta ou normal é um trabalho que exige tempo e que se reveja cada critério, conforme vamos avançando. para já, eis o que descobrimos acerca de um polvo:

- se o polvo for uma "ideia normal":

tem tentáculos

tem riscas no corpo

tem pernas

tem muitos braços

tem bolinhas que colam

tem boca e olhos

não tem cabelo

- se o polvo for uma "ideia tonta":

não tem pernas

só tem óculos

não tem olhos

podes pôr o nariz porque é uma ideia tonta

é careca

 

não tivemos tempo para avaliar estas ideias: vamos ocupar-nos disso na próxima oficina. 

tumblr_pj9lygQSPl1qhzqx6o1_500.jpg

 

para acompanhar o trabalho no jardim de infância 2018/2019:

oficina #1

oficina #2

oficina #3

oficina #4

a Oficina do Platão: filosofia para e com jovens, em Telheiras

2018-11-27 21.55.44.jpg

a Oficina do Platão acontece às quartas, às 14h, no centro Ser Mais (Rua Professor Mário Chicó, 2F, Telheiras, Lisboa, ao lado dos CTT, em Telheiras).

a próxima oficina está agendada para o dia 12 de dezembro e poderá inscrever os seus filhos.

no ano passado foi assim: perguntas e mais perguntas, com um grupo motivado e curioso!

as inscrições estão abertas e podem saber mais através do e-mail  geral@centrosermais ou dos telefones 968 222 980 | 914 257 323

tumblr_pik90qeiaE1qhzqx6o1_500.jpg

 

 

experimentar os diferentes pontos de vista e...

2018-11-21 11.32.49-1.jpg

 

...explicar o que é uma ideia tonta e uma ideia normal: são estes os desafios que as salas dos 3/4 e dos 4/5 aceitaram e têm vindo a explorar, de há umas semanas para cá. sem pressas, pois a filosofia faz-se respeitando o ritmo de cada um.

 

é importante que o grupo se conheça - e não me refiro aqui ao "sabermos os nomes uns dos outros" ou "qual a fruta preferida". é importante que o grupo conheça as potencialidades, as curiosidades, as vontades de cada um, no que respeita ao pensar em grupo.

 

isso implica experimentar coisas simples como não ter o braço no ar enquanto o amigo que tem a vez para falar está a dizer coisas ou mesmo a pensar, em silêncio. ou dar a vez para que um amigo que não fala tanto possa dar uma ideia para o grupo. são gestos simples, difíceis por vezes de colocar em prático: ainda a pergunta vai a meio e já há muitos braços no ar e "eu! eu! eu!" com calma, recuamos e começamos de novo: vamos ouvir a pergunta até ao fim e depois colocamos o braço no ar, em silêncio.

 

o silêncio é fundamental: para nos ouvirmos uns aos outros e até aos nossos próprios pensamentos. com gestos simples, treinamos este respeito pelo outro, pelo seu tempo para falar ou para pensar, pelo silêncio que é de e para todos. 

 

*

para acompanhar o trabalho no jardim de infância 2018/2019:

oficina #1

oficina #2

oficina #3

 

sophia network meeting | 2019: thinking the unthinkable

The Sophia Network Meeting will take place in Galway at the National University of Ireland, Galway (NUIG) on the 1st and 2nd of June, and as a bonus, the NUIG invites delegates to a P4C Symposium on the 31st of May. The SOPHIA Network Meeting this year is being co-hosted by Philosophy, NUI Galway Philosophical Dialogue Project – NUI GalwayLittle Rainbow Academy Ireland and Curo

If you would like to join us, please register here 

Thinking the Unthinkable

The theme for the Sophia Network meeting 2019 is Thinking the Unthinkable. This can be interpreted as philosophical creativity – thinking of ideas that have never been thought of, as well as philosophical critique – thinking that goes against traditional or established ideologies. Ireland can be said to have had its share of thinking the unthinkable with the 34th amendment on same-sex marriage, and perhaps it’s reputation as the green/emerald isle will provoke new ideas on nature and the environment.

Call for Papers Deadline: February 28th, 2019

 

 

uma reflexão sobre a filosofia e a filosofia aplicada

nos passados dias 5 e 6 de Setembro de 2018 realizou-se na UBI o 3º Congresso Internacional de Filosofia, organizado pela Sociedade Portuguesa de Filosofia.

pela primeira vez, neste Congresso, houve lugar para um painel sobre filosofia aplicada. 

 

nos intervalos do Congresso falou-se sobre filosofia e a filosofia aplicada, sobre filosofia dentro e fora da escola. e também sobre a filosofia académica e "a outra".

 

partilho convosco as palavras de Jose Barrientos-Rastrojo (via facebook) sobre esta questão:

 

"Medio centenar de ponencias y mesas sobre Filosofía Aplicada y Filosofía con/para Niños en el último World Congress of Philosophy, principal evento mundial de Filosofía, ¿no debería ser suficiente razón para que reflexionen los Decanos y sus equipos de las facultades europeas de Filosofía que aún no disponen de estrategias para la integración de la disciplina en los planes de estudios? Aún más, ¿no debería ser razón suficiente para que los futuros estudiantes de filosofía decidan matricularse prioritariamente en las carreras que ofrezcan esta opción? Incluso, ¿no es momento de movernos, quizás, de compartir esta breve reflexión en los "muros" de quien esté leyendo este mensaje?
Una decena de las mejores Facultades de Filosofía en Latinoamérica están dando pasos elocuentes para su implantación desde hace una década. Ya existen Masteres, Licenciaturas y formaciones de profesores universitarios en esta línea en Meso y Sudamérica. Gratifica saber que su energía se adelanta a cierta senectud europea. Ojalá el recelo se abisme en el viejo continente y la cordura se imponga..."

 

 

Sabine Yang: "Wonder should be the core capacity that we human should always treasure."

I met Sabine Yang on facebook. Social media has been such a great tool to find and to talk about P4C with investigators, teachers, facilitators all over the world. Yang Yanlu (Sabine Yang) is from China; she's a Ph.D candidate from the department of Philosophy at ZheJiang University, major in German Philosophy. From 2013 till now, Sabine Yang is doing P4C at Kindergarten, Primary School, Bookstores, Libraries and other public places.

 

sabine_yang

 

Can you recall the first time you heard about philosophy for children (p4c)?

I was a little bit astonished and at the same time very curious about it. At that time I was doing my Master of Philosophy and I encountered a Chinese book about p4c, then I got to know there was a thing called p4c and started to practice it.

 

How did you started working with p4c?

It was not easy to carry out this programm, since I was only a student and it was hard for me to find the kids. But later with the help of the community near my home, I organized a non-profit activity of p4c in my community. Even though there were few kids,maybe 3 or 4 at that time, we started to read the picturebook of Arnold Lobel, that was Frog and Toad, very dramatical story. The theme we discussed  was Bravery. Kids were very fascinated with the story and after reading the story they began to share their experience of bravery. Then we went to some deeper question, like should the bravery be afraid of nothing, what is bravery on the earth? That was my first p4c class, it was very interesting experience.

 

Do you think p4c is necessary to children? Why?

Definitely. We are facing the Artificial Intelligence Age, many people’s job will be later replaced by the machines. I was always wondering what could not be replace by AI. Yet the power of Wonder and the capacity to raise question belongs to human mind. P4C encourage children to raise their own questions and let them wonder about all the things they feel interested. As Aristotle once said: Man is desired to know. Wonder should be the core capacity that we human should always treasure.

 

Nowadays children (@ Portugal) have a lot of activities at school and after school. Why should we take philosophy to schools?

Philosophy at schools are probably good to the reform of curriculum. In traditional classes, children have not so much freedom to raise their own questions and mostly they have to answer the question which they may be not so interested in. If a class of Math can combine some p4c elements, then the children could be better motivated to find the question and figure out by cooperation. Besides inter-curriculum, the sole p4c class is also benefit to the children, since they are quite relaxing in such kind of atmosphere, staying in circle and enjoying the place of intellectural and emotional safety.

 

What makes a question a philosophical question – from a p4c point of view?

A philosophical question is a big question which could not be answered in the framework of science or any empirical study. Such question have no final answer and only a temporary reply. A philosophical question is open to all the people,no matter how old they are. Everyone has the right to think about it and find the meaning of their own.

 

What’s the biggest challenge p4c faces, nowadays?

I recognized the biggest question lying in the training of teachers. We’ve seen lot of teachers willing to change their pedagogical methods when the way of teacing are  implanted by p4c. But it’s still hard to make this change since we face the stress of established teaching objectivities and other rules in school. P4C pursuits the uncertainty of answer, which will be a conflict to a world, which is based on right answer  in the exam-oriented education.

 

Can you give the teachers and the parents some kind of advice to help them deal with the children’s questions?

When you hear about children’s question,you don’t have to reply at once. You should first examine the question: Is it a question that we could find the answer from google or any other books? Then just help them to  find them. If you realised that it was a big question like philosophical question, you can encourage the children to anwer first and then you discuss with them. Children’s questions are very diversed,sometimes adults would feel at a loss or embarrassed, sometimes even annoyed, but that’s quite normal. We can’t answer all the questions and not all the questions has the ultimate answer.

 

Did the children ever surprised you with a question? Can you share that question with us?

Yes, they surprise me all the time. For example, last Friday when we talked about “Share”, a young boy asked the whole class: Shall we share the death? Then one of the  student answered: I’d like to share, but I don’t wanna die! I also don’t wanna you die! Then replied the young boy: But we have to die. That question did make stress to us, and the students I observed were not happy anymore. Maybe it’s the time to deal with the thinking of death next class.

Carlos Carvalho: "(...) é necessário haver um espaço no qual a criança aprenda a refletir."

O Carlos foi um dos meus companheiros de viagem no 1º ano do mestrado de Filosofia para Crianças e Jovens, na Universidade dos Açores (na altura Pós-Graduação, ainda). 

É licenciado em Filosofia, Ramo Educacional, Mestre em Psicologia (Contextos Educativos), e pós-graduado em Filosofia para Crianças, pela Universidade dos Açores.

Possui vasta experiência no ensino, quer profissional, quer regular, desde a leccionação e coordenação, passando, igualmente, pela Direcção Técnico-Pedagógica, enquanto Director Pedagógico, em 2005-2006, na Escola Profissional Monsenhor João Maurício de Amaral Ferreira. Tem também experiência acumulada em diversos Programas de Ensino, tendo como público-alvo adolescentes e adultos, tais como Profij (II e IV) e Reativar, incluindo leccionação no Estabelecimento Prisional de Ponta Delgada, e coordenação do Programa Erasmus +.

O Carlos vive rodeado de azul e verde, de ilha em ilha, no magnífico arquipélago dos Açores. Foi precisamente neste contexto, da Pós-Graduação, que o Carlos teve a sua primeira experiência enquanto facilitador. 

 

carlos_carvalho

 

 

Lembras-te da primeira vez que ouviste falar de filosofia para crianças?

Não exactamente. Provavelmente, com consciência, há volta de 10 anos…. 2007, 2008.

 

Como é que começaste a trabalhar nesta àrea?

 A primeira sessão conduzida por mim foi no âmbito da Pós-Graduação que fiz, na Universidade dos Açores, em “Filosofia para Crianças”.

 

Consideras que a fpc é necessária para as crianças? Porquê?

Sim, muito importante. Provavelmente a minha resposta não traz nada de novo perante o que as autoridades na matéria dizem, mas defendo que é importante porque é necessário haver um espaço no qual a criança aprenda a refletir. As tecnologias trouxeram fontes infinitas de informação, em quantidades que eram inimagináveis nos meus tempos de criança. No entanto, essa informação não é tratada, mas sim tratada de uma forma descartável: “play”, “vejo”, “termino”, carrego imediatamente “num próximo play”. Aliás, esta é uma sequência comportamental que é já um padrão da educação das nossas crianças, sem qualquer momento de análise.

 

Hoje em dia as crianças, em Portugal, têm muitas actividades na escolar e depois da escola. Por que havemos de levar a filosofia para as escolas?

Devemos levar a Filosofia para as escolas pela razão que acima apresentei. Mas é uma questão que, em termos práticos, não é fácil de materializar. De facto, as crianças têm muitas atividades, na escola, e depois da escola. Parece que é um mal socialmente reconhecido, assente, não havendo tempo para o chamado “tempo para ser criança”. Por outro, quando ouvimos os professores de cada área correspondente a essas atividades, parece que faz todo o sentido incluir essas atividades…… O mesmo se passará com a Filosofia.

 

O que faz com que uma pergunta seja uma questão filosófica – do ponto de vista da fpc?

Em relação à Filosofia para Crianças, não creio que haja, ou não creio que deva haver, diferença ou cedência de requisitos para que uma questão seja Filosófica. Tal como na “Filosofia Adulta”, as questões filosóficas na “FPC” também deverão ser “existenciais e valorativas”; “não podem ter solução científica ou técnica”; “não podem ser questões de facto” e “devem ultrapassar o domínio da legalidade”.

 

Quais são os maiores desasfios que a Fpc enfrenta, nos nossos dias?

Enfrenta o preconceito generalizado que as pessoas e o sistema de educação têm em relação à Filosofia: a Filosofia não serve para nada.

 

Podes dar alguns conselhos aos professores e aos pais para os ajudar a lidar com as perguntas das crianças?

1º) Nunca ignorar as questões das crianças;

2º) Dar valor a cada questão formulada.

 

Alguma vez foste surpreendido com uma pergunta de uma criança? Podes partilhar connosco que pergunta foi essa?

 Provavelmente sim, mas, depois de pensar muito nessa questão, não há nenhuma em particular que me ocorra.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

@ creative mornings lx

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D