Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

>> oficinas de filosofia, para crianças, jovens e adultos >> formação para professores e educadores (CCPFC) >> nas redes sociais: #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

filocriatividade | filosofia e criatividade

>> oficinas de filosofia, para crianças, jovens e adultos >> formação para professores e educadores (CCPFC) >> nas redes sociais: #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

pensar, escutar e falar no festival de filosofia de Abrantes

0eVxSrao.jpg

 

"estivemos a pensar de uma maneira que não fazemos na escola.", disse uma das crianças participantes nas oficinas #filocri no Festival de Filosofia de Abrantes. 

 

*

as oficinas vivem muito das ideias e dos caminhos que as crianças vão traçando.

hoje uma das crianças partilhou uma forma de arte, que é a de inventar palavras novas. a partir da sua própria invenção, resolvemos inventar palavras para dizer como foi o diálogo que tivemos. 

fizemos uma nuvem de palavras e cada pessoa escolheu um par para a partir daí inventar uma palavra nova:

ARTENSAR (arte e pensar);

PENSATECA (pensar e biblioteca);

FILARTE (filosofia e arte); CIDADARTE (cidade e arte);

FILODADE (filosofia e cidade). 

depois de um diálogo intenso, com pensamento crítico sobre as ideias acerca do que é a arte e do que seria uma cidade sem arte ("uma cidade sem arte não tem vida, está mortinha") 

nas oficinas #filocri, a filosofia e a criatividade estão sempre lado a lado! 

 

*

 

se pretende que as oficinas #filocri viajem até à sua escola ou biblioteca escolar, contacte-me

(no canto superior esquerdo do blog encontra as minhas redes sociais e e-mail)

 

 

 

 

em Abrantes continuamos a pensar A Cidade e a Arte

- oficinas #filocri no festival de filosofia de Abrantes

257717878_6858606807513462_7825195082335357042_n.j

📷 festival de filosofia de abrantes / município de abrantes

o que é mesmo essencial para que possamos dizer "isto é arte"?

nestas conversas sobre a cidade e a arte, a palavra arte suscita algumas dúvidas. afinal, o que é a arte? e será que precisamos saber dizer o que é (ou seja, apresentar a sua definição) para podermos identificar a arte? 

partindo de exemplos apresentados em imagens, partimos para a descoberta daqueles exemplos que são arte. sobre esta imagem de uma peça do Bordalo II houve duas ideias: não é arte e é arte. e quais as razões? pois bem ao examinar as razões verificámos que estas eram mais parecidas do que diferentes. como é possível que uma mesma justificação possa sustentar um sim e um não? 

 

dvdo30gI.jpg

 

a cor é material ou imaterial?

as cores foram referidas como um elemento importante para reconhecermos a arte, sobretudo na pintura ou no desenho. mas onde estão as cores? estão nos materiais que usamos ou existem por si? qual a razão para as cores serem importantes quando pensamos em arte? 

que outras artes conhecemos para lá da pintura e do desenho? e essas artes também têm cores? 

 

7FWWaiRC.jpg

pensar, escutar e falar 

numa oficina de filosofia é importante a prática do pensar, do escutar e do falar (Peter Worley). no final da oficina parámos um pouco para pensar se tínhamos praticado estes três elementos tão importantes para a filosofia. "houve pessoas que não falaram", disse alguém. é verdade, nem todas as crianças participam da mesma forma: umas ficam a escutar, outras colocam o braço no ar várias vezes para falar. há várias formas de praticar o pensamento e nem todas envolvem o falar. 

à procura da arte! - oficinas de filosofia com crianças das escolas do concelho de Abrantes

Festival de Filosofia de Abrantes

 

1.png

a proposta da 4.ª edição do Festival de Filosofia de Abrantes é "A Cidade e a Arte". uma das perguntas que surgiu foi "o que é que a cidade tem a ver com a arte? o que é que a arte tem a ver com a cidade?" 

 

onde está a arte?  [oficina 1]

a partir de alguns exemplos partilhados com a turma, partimos em busca da arte. onde é que ela está? será que os exemplos partilhados são arte? quais? porquê?

no meio de um toró de ideias surgiram algumas que nos serviram de pistas (critérios) para encontrar a arte: a beleza, a cor, a expressão dos sentimentos por parte do artista, a emoção que provoca nas pessoas que observam a arte. surgiram também alguns problemas: porque é que, por vezes, as emoções do artista e da pessoa que vê / sente a obra podem ser diferentes? 

a cidade é fácil e difícil de explicar; é fácil porque é casas e prédios; é difícil porque tem muito conteúdo

a arte é desenhar e pintar; é mostrar uma arte, como o teatro; é a imaginação e o sentimento do artista; é criatividade; também há arte na comida.

os artistas também se aborrecem, quando não estão com ideias

a arte está em todo o lado, até na natureza

a arte pode ser um protesto do artista para dizer alguma coisa que não está bem

podemos fazer arte sem saber que estamos a fazer arte? 

quando é que uma coisa vira arte? 

as palavras são arte? conversar é arte? 

 

a cidade e arte? "mas isso não tem nada a ver!" [oficina 2]

o que terá acontecido na cabeça das pessoas que organizaram o Festival para juntar Cidade e Arte? pois é, parece um bocadinho estranho: "a cidade é só barulho e a arte é preciso silêncio para apreciar." 

 

um convite para continuar a pensar "a cidade e a arte"

o convite foi lançado às crianças: que até ao final do dia procurassem a arte à sua volta e que quando chegassem a casa conversassem sobre a arte que encontraram e explicassem porque é que é arte. e amanhã, no intervalo da escola ou na pausa do almoço podem trocar as ideias sobre as coisas que encontraram.

 

estendo este convite a quem está desse lado do écran: procure a arte à sua volta? onde está a arte? partilhe uma fotografia da arte que encontrar à sua volta (na sua cidade, vila ou aldeia) no instagram fazendo tag à filocriatividade e usando #àprocuradaarte 

 

[para o Festival de Filosofia de Abrantes foram pensadas oficinas dentro da àrea filosófica da estética, inspiradas no proposta temática do Festival e do livro "O que são a Beleza e a Arte?" de O. Brenifier e no trabalho de investigação Queres saber? Pergunta]

 

 

 

4.ª edição do festival de filosofia de abrantes

- comemorações do dia mundial da filosofia

 

festival_filosofia_banner.jpg

 

Cidades e mundo enfrentam os mesmos problemas e todos somos parte na sua resolução: ambiente e sustentabilidade, desemprego, mobilidade, habitação, migrações, confronto de culturas… porque no essencial todos somos urbanos e estamos todos ligados, local e global, indivíduo e humanidade.

A arte foi vista durante séculos como mero elemento decorativo, de homenagem ou reportório museológico a céu aberto, na sua relação com a arquitetura, o urbanismo e o paisagismo, disciplinas centrais na reforma da cidade. A arte pública contemporânea exprime os anseios dos movimentos sociais e suas relações de forças, posiciona-se como contrapoder, é participativa e crítica e elemento de atratividade. Por isso deve ser relevante nas políticas ou projetos de cidade.


Cidade é forma e significado. É rede de redes: de estruturas, pessoas, interações, interdependências, experiências, contextos, sensações, sentidos. É o infinitamente complexo espaço do quotidiano e do imaginário, catalisador de cultura e resultado da história. É lugar do indivíduo e da pluralidade, espaço de liberdade e reflexo da ordem social e de valores.

A aceleração da mudança pode transformar as cidades em megalópolis ou em desertos, gerando crises identitárias. A cidade pode ser lugar de especulação desenfreada, mercantilização, gentrificação, consumismo fútil, depressão e abandono, desvalorização da dimensão social do urbano e dos espaços da esfera pública, sem condições para a genuína criação individual e as interações não mercantilistas.

Arte e urbanismo devem ser os elementos críticos e criativos geradores dessas interações e recriação de vínculos. Intervenções artísticas e urbanísticas serão parte de projetos e processos de reestruturação e desenvolvimento, identificando linhas de força e mobilizando intervenções transformadoras.

Nas suas contradições a arte é sempre crítica e sistema, criação e destruição, valor e mercadoria, exclusividade e massificação, utopia e alienação. As fragilidades da arte são também a sua força, ajudando-nos a compreender as nossas contradições e a facilidade com que tudo o que é inovador é rapidamente ultrapassado.

Ao produzir a representação estética da cidade, o artista proporciona-lhe, no confronto com a realidade, a reflexão sobre o seu éthos, isto é, um sistema de valores, ideias e crenças. Ou seja, um sentido crítico que corporiza o valor social da arte.
O maior valor da arte é a luta pela liberdade. Aos artistas cabe continuarem a criar, gerando as suas criações na tensão dialética entre a sua realidade e o contexto social.

 

fonte: Biblioteca Municial António Botto

programação da 4.ª edição do festival de filosofia  disponível AQUI

 

"essa imagem é um bocado estranha!"

 

os jogos wonder ponder são uma excelente provocação para o pensar. tendo em conta o tema do festival de filosofia de abrantes (a inteligência artificial, o trabalho e o humano), o jogo "I, person" tem sido uma das provocações nas oficinas de filosofia (1º e 2º ciclos).

 

hoje o desafio teve vários momentos:

- fazer perguntas sobre a imagem;

- dizer coisas (ou afirmar) sobre a imagem;

- responder a perguntas;

e ainda: fazer perguntas às perguntas. esta parte do desafio suscitou muita curiosidade por parte dos alunos. a ideia de fazer perguntas a uma pergunta pareceu-lhes, ao início, estranha (tão estranha quanto a imagem!). 

o grupo aceitou o desafio e, com calma e paciência, conseguimos fazer 5 perguntas a uma das perguntas iniciais. este trabalho de perguntar à pergunta é um dos meus preferidos e que aconselho a qualquer pessoa que queira treinar os músculos do pensamento. obriga-nos a aprofundar e a explorar um conceito ou uma expressão na pergunta. quantas mais perguntas fazemos, mais dificuldade sentimos. a prática deste exercício vai afinando a nossa capacidade de perguntar e, às tantas, a dificuldade dá lugar ao gosto pelo perguntar.

 

esse é um dos objectivos destas oficinas: proporcionar uma experiência da filosofia, do perguntar, do investigar. deixamo-nos contaminar pela curiosidade e perseguimos as ideias que nos fazem "comichão" no pensamento.

(ah! e eu divirto-me muito!)

 

tumblr_pi6wqtB9lS1qhzqx6o1_500.jpg

 

a investigação filosófica em Abrantes

tumblr_pi6o1cQEai1qhzqx6o1_500.jpg

a oficina desta manhã seguiu os passos metodológicos do café ☕ filosófico do Tomás Magalhães Carneiro e foi muito positiva a forma como os alunos saltaram do "pensar o conteúdo" para o "pensar a forma" do trabalho da filosofia:

🗣️ "quando chegámos não sabíamos o que era a filosofia e conseguimos fazer a filosofia, sem saber mesmo o que é. fizemos um bom trabalho!" (aluna do 6º ano)

o que fizemos?

fizemos perguntas, perguntámos perguntas às perguntas e arriscámos definições de coisas para poder pensar melhor. 

tumblr_pi77664LCp1qhzqx6o1_500.jpg

da parte da tarde encontrámos um grupo cheio de pressa: muitos braços no ar e muita falta de paciência para esperar pela sua vez. durante esta oficina acabámos por fazer um exercício que permite contrariar a pressa e a vontade de dizer algo, mesmo sem ouvir o que o outro está a dizer.

 

começámos por fazer perguntas sobre uma imagem. depois, foi pedido que dissessem coisas sobre a imagem: é importante treinar o perguntar e o dizer coisas (afirmar). depois deste "aquecimento" foi-lhes proposta uma pergunta, que suscitou problemas junto do grupo. ora e o que fazem pequenos e grandes filósofos quando estão perante problemas? dedicam o seu tempo a resolvê-los.

 

no final foi pedido ao grupo que dissesse algo sobre o trabalho que tínhamos feito: "foi bom, eu gostei, mas estivemos muito apressados e agitados e não ouvimos bem as coisas". 

houve até quem confessasse que gostaria de repetir este jogo da filosofia.

 

 

 

e por Abrantes continuamos a filosofar com os mais novos

tumblr_pi4u6oTBV81qhzqx6o1_500.jpg

a pressa é inimiga da prática da filosofia. e isso é uma das coisas que se tenta transmitir aos mais novos, quando estamos numa oficina de filosofia. não há que ter pressa em pôr o braço no ar ou em falar, sem que tenha sido dada a palavra. há que ouvir as perguntas até ao fim, as ideias até ao fim. não devemos ter o braço levantado quando estamos a ouvir um colega. porquê? porque enquanto fazemos isso não estamos verdadeiramente a ouvir, mas sim focados no que temos a dizer. ora, na filosofia (repito) não temos pressa. há que desfrutar do diálogo, com calma, com os braços poisados na mesa ou em cima dos joelhos, para que nos concentremos no que está a ser dito pelos outros. 

tumblr_pi4uk3DEmv1qhzqx6o1_500.jpg

numa das turmas do Sardoal e ao enunciar o tema do festival de filosofia de Abrantes lembrei-me de fazer uma pergunta à turma do 4º ano: "o que teria passado pela cabeça dos senhores que fizeram o festival ao propor um tema destes, para ser trabalhado por crianças de 9 anos?" - de uma forma mais simples: "que interesse tem este tema para as crianças da vossa idade?"

e lá partimos na investigação, orientados por esta pergunta e por outras que fomos registando no quadro: no final de uma hora o quadro estava cheio de ideias!

tumblr_pi5327J6Fe1qhzqx6o1_500.jpg

na Chainça o desafio foi diferente: pensar a partir de uma imagem do jogo Wonder Ponder e tentar responder à pergunta: quem gostarias de ter como professor: uma pessoa ou um robot?  porquê? (sempre os porquês, não é?)

o carácter de imperfeição de ser pessoa foi assinalado por um dos meninos: "temos falhas, todos temos falhas e servem para aprender para a próxima vez não falharmos." a professora da sala, que é uma pessoa, às vezes até parece uma máquina pois faz imensas coisas ao mesmo tempo, para chegar aos 24 alunos que trabalham consigo diariamente. como podem ver pela imagem, houve mais pessoas a escolher o robot do que a pessoa. infelizmente não tivemos tempo para continuar a reflexão e tivemos de terminar com uma boa espreguiçadela: é que isto de pensar, cansa!

tumblr_pi4unoIih41qhzqx6o1_500.jpg

e quais foram as razões apontadas pela turma do 4º ano para dizer que o tema "IA, o trabalho e humano" é um bom tema para trabalhar com crianças de 9 anos? eis as razões:

- aprendemos mais coisas e ficámos a saber melhor o que era I.A.;

- tirámos muitas dúvidas;

- pudémos evoluir de nível na inteligência;

- fizemos muitas perguntas e com isso aprendemos mais;

- aprendemos um pouco de filosofia;

- divertimo-nos ao mesmo tempo que aprendemos.

conforme prometi aos alunos, vou passar a informação aos "donos do Festival" que assim podem ficar muito mais descansados pela escolha do tema: é um bom tema e as crianças de 9 anos interessam-se por ele. e até deixam perguntas como:

"quando nós somos bebés, a I.A. interfere connosco?"

 

 

 

"é um robot e ao mesmo tempo uma menina"

46118439_2346601538743858_2956141250132049920_n.jp

o tema do festival de filosofia de abrantes é "inteligência artificial, trabalho e o humano". por esse motivo, as oficinas de filosofia que iremos proporcionar às crianças das escolas do concelho giram à volta deste tema. tendo em conta que a Sophia the Robot é uma figura conhecida de muitos, uma vez que aparece na publicidade da televisão (e não só), a provocação de hoje foi responder à pergunta:

"o que é isto?" - acompanhada da imagem da Sophia.

a ideia que motivou o diálogo foi "é um robot e ao mesmo tempo uma menina". como é possível algo ser um robot e uma menina (humana) ao mesmo tempo? 

partimos em busca daquilo que a Sophia tem de humano e daquilo que a Sophia tem de robot.

houve muitas ideias sobre o assunto; para alguns a Sophia tem uma pele de humana, mas só na parte de cima.  tem fios e é feita de metal - e daí que o J. tenha defendido que ela não pode ser meio humana, pois a pele sua (transpira) e depois isso ia estragar os circuitos e avariar a Sophia. a Sophia não pode morrer, como os humanos, só pode ficar estragada. ela não tem órgãos como nós, mas pode ser arranjada, se avariar. 

depois de algum tempo a investigar se a Sophia era parecida com os humanos, chegou o momento de inverter o diálogo: e nós, humanos, somos parecidos com a Sophia?

e tu? o que é que TU pensas sobre isto?

 

ontem, na Biblioteca Municipal António Botto

 

"ia ficar baralhado com quatro cérebros, pois cada cérebro ia ter uma ideia diferente"
"dar uma resposta errada dá para tentar de novo até conseguirmos"
"é importante ter a resposta certa para os pais verem a nossa maturidade e para decidirem se passamos de ano" 
“há pessoas que têm cérebro mas até parece que não têm”

oficinas de filosofia com pais e filhos (7-10 anos)

 

filoabrantes

 

"o nome é importante para dizer que é uma pessoa"
"a senhora robot chama-se Sophia. tem nome. tem alguma coisa de pessoa?"
"uma pessoa anda e o robot é comandado."
"as pessoas não podem ser robots, não têm chip."
"e um cão que tem chip passa a ser robot?"

oficinas de filosofia com pais e filhos (3-6 anos)

 

filo_abrantes

 

*

 

estes são alguns relatos dos diálogos de ontem, na Biblioteca Municipal António Botto. estas oficinas estão integradas na programação do Festival de Filosofia de Abrantes, que começou no dia 9 e terminará no dia 18 de novembro.

 

é a segunda edição deste Festival que acontece no mês em que se comemora o dia mundial da filosofia, que este ano calha no dia 15 de novembro.

 

participar neste festival é um privilégio e uma honra: por um lado, permite-me estar com quem, como eu, gosta de pensar e de observar pontos de vista diferentes, sobre um mesmo assunto; por outro lado, tenho oportunidade para contribuir para que o trabalho da filosofia para/com crianças seja divulgado, junto das escolas. 

 

 

 

revi a Lara Sayão, que veio partilhar connosco a experiência das Olímpiadas da Filosofia e que trouxe alguns livros que passam a fazer parte da minha Biblioteca pessoal. um deles é da Vanise de Cássia de Araúho Dutra Gomes, que tive o prazer de conhecer no ano passado, no ICPIC, em Madrid. 

a vida é muito isto: diálogo, partilha e (re)encontros. o Festival de Filosofia de Abrantes permite isso (e muito mais).

 

 

Humanos, demasiado humanos, “assim assim” ou nem por isso?

wonder-ponder.jpg

 

O desafio? Realizar oficinas de filosofia, para crianças entre os 3 os 12 anos, a propósito do Festival de Filosofia de Abrantes, cujo tema é A inteligência artificial, o trabalho e o humano. Nesse sentido, procurei inspiração no jogo "I, Person", da dupla Duthie & Martagón. Levo na mochila provocações para pensar a relação entre as pessoas e os robots, procurando o que temos em comum e o que nos diferencia. 

 

Depois de ter passado três dias na Web Summit e depois de ter moderado uma conversa, na Fundação Portuguesa das Comunicações, na companhia do João Romão e da Ana Teresa Freitas, sobre Inteligência Artificial e Ética - acreditem, tenho muitas perguntas a incomodar-me, sobre estes temas. Por exemplo: por que razão queremos tanto que os robots se pareçam com os humanos? 

 

45826250_10156964986523969_5258008107472125952_n.j

 

Até 18 de Novembro, Abrantes é o local onde a Filosofia vai sair à rua, questionando, incomodando, procurando perguntas e respostas que nos aproximem da humanidade. 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

O que faço?

Filosofia é coisa para miúdos

Fórum na Revista Dois Pontos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub