Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / cafés filosóficos / educação / filosofia da educação / #filocri

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / cafés filosóficos / educação / filosofia da educação / #filocri

10 livros para trabalhar nas oficinas de filosofia

sugestões de livros filosoficamente provocadores

joana rita sousa, 20.06.22

 

PH0lwEAz.jpg

 

se trabalha na área da filosofia para crianças ou filosofia com crianças (e jovens!) e procura inspiração em livros, este artigo é para si. 

se procura um livro para as crianças e os jovens aí de casa, talvez encontre aqui algumas sugestões que possam ir ao encontro dos seus interesses.

 

já escrevi sobre o assunto aqui no blog (em agosto 2020) e hoje retomo o tema pois há muitos e bons livros que são excelentes trampolins para o diálogo. 

 

 

¿Hay alguien ahí?, de Ellen Duthie e Studio Patten (Wonder Ponder) 

¿Hay alguien ahí? convoca-nos a pensar na humanidade. já parámos para pensar na humanidade? o que faz de nós humanos? o que será que outros seres podem pensar sobre nós? de que forma é que um conjunto de perguntas, um guião de perguntas muito perguntadeiras pode dizer TANTO sobre a humanidade? 

 

Não abras este livro, de Andy Lee e Heath McKenzie (Jacarandá, recomendado pelo PNL2027)

- este livro - e os outros que se lhe seguem - é um excelente trampolim para pensar sobre as regras, sobre o que devemos ou não fazer. acima de tudo é um livro muito divertido e que consegue captar a atenção da criançada. abrimos o livro? viramos a página? 

 

A Grande Fábrica das Palavras, de Agnès de  Lestrade e Valeria Docampo (Paleta de Letras, recomendado pelo PNL2027)

- sou muito fã deste livro, da proposta de pensamento e das ilustrações. foi um dos livros escolhidos para um projecto em parceria com uma biblioteca escolar e a turma que o trabalhou (2.º ciclo)  ficou rendida à história.

 

Gosto, logo existo, de Isabel Meira e Bernardo P. Carvalho (Planeta Tangerina, recomendado pelo PNL2027)

- este livro acompanhou-me no passado ano lectivo em vários encontros com alunos do ensino secundário e também nalgumas oficinas de pensamento crítico destinadas a pessoas adultas. 

 

Os Três Bandidos, de Romu Ungerer (kalandraka, recomendado pelo PNL2027)

- excelente provocação para pensar as boas e as más acções. podem os bandidos ter bom coração? sim ou não? um excelente livro para ler em família.

 

Petit, o Monstro, de Isol (Orfeu Mini)

- na sequência d'Os Três Bandidos, o Petit é um bom trampolim para pensar quando é que cada um de nós é uma boa ou má pessoa. podemos ser as duas coisas? o que nos faz ser bons ou maus?

 

Agora não, Tiago, de David McKee (Kalandraka)

- um livro clássico na área da filosofia para / com crianças e que conheci numa das formações que fiz. já me levou a partilhar uma reflexão aqui no blog, chegou a ler

 

Uma cova é para escavar, de Ruth Krauss e Maurice Sendak (Kalandraka)

- conheci este livro numa formação com a Ellen Duthie e fiquei rendida à simplicidade e à proposta. vejo ligações com o Para que serve? e Uma mesa é uma mesa. Será?, bem como com o Isto não é, ou com o livro que se segue aqui nas recomendações.

 

O Dicionário do Menino Andersen, de Gonçalo M. Tavares e Madalena Matoso (Planeta Tangerina)

- este livro tem sido uma excelente provocação para pensar as palavras e os sentidos que lhes damos, os seus significados. cá em casa faz companhia ao dictionary of the untranslable.

 

Where the wild things are, de Maurice Sendak (Red Fox)

- mais um clássico para quem trabalha livros ilustrados nas oficinas de filosofia para / com crianças e jovens. um livro provocador e que estica a nossa imaginação enquanto acompanhamos a aventura do Max. 

 

*

se é educador/a ou professor/a e gostaria de saber mais sobre o desenvolvimento de oficinas de filosofia a partir de livros, contacte-me para agendar uma mentoria

 

este artigo foi útil para si? partilhe com quem possa ter interesse em livros e nas oficinas de filosofia. também pode ajudar-me a continuar a criar conteúdos relevantes, pagando-me um café através da plataforma buy me a coffee. obrigada por acompanhar a filocriatividade!

"agora, não"

- reflexão sobre a infância e a adultês [dia mundial da criança]

joana rita sousa, 31.05.22

 

1.png

 

O Dia Mundial da Criança

Celebra-se amanhã o Dia Mundial da Criança e a data tem particular significado para a filocriatividade: afinal, este projecto move-se com e pelas crianças.

O movimento iniciado por M. Lipman e Ann Sharp entre 1960 e 1970 provocou um olhar diferente face à criança. A filosofia para/com crianças parte da ideia de que a criança é capaz de pensar, que tem algo a dizer sobre o mundo, seja em forma de pergunta ou em forma de resposta.

 

A filosofia para/com crianças no mundo

São inúmeros os projectos, as associações, as escolas, as instituições que acolhem a filosofia para/com crianças, um pouco por todo o mundo. Em 2016 conversei com algumas pessoas de vários pontos do globo para saber como pensam e como trabalham a filosofia para crianças. Faço parte de um grupo de diálogos filosóficos internacional que acolhe pessoas de 16 países.

 

A voz da infância num mundo adulto

Inspirada pelas experiências internacionais, criei duas iniciativas que pretendem apoiar as pessoas que estão a trabalhar na área, em Portugal: Diálogos Filosóficos e Grupo de Estudos e Leitura #filocri. Faço-o, pois considero que é fundamental que num mundo onde a adultês impera, a criança nem sempre tem uma palavra, nem sempre é ouvida.

 

As pessoas adultas decidem muitas coisas pelas crianças – e com boas razões, entenda-se – mas nem sempre as escutam nesse processo de decisão. De tal forma que o CNE lançou uma recomendação nesse sentido. Escutar parece algo muito óbvio e corriqueiro – será que escutamos verdadeiramente?

Pode a filosofia dar algum contributo para afinar essa escuta?

 

Criar espaços de escuta e de diálogo

São várias as actividades promovidas pela filocriatividade no sentido de criar um tempo e espaço para a escuta da infância. Um exemplo disso são as oficinas de perguntas para famílias, onde pessoas adultas e crianças são convidadas a perguntar, a responder, a problematizar – de igual para igual. Outro exemplo: o #filopenpal ou os desafios filosóficos que são enviados via CTT ou partilhado num documento online para que as famílias possam pensar em conjunto. O Clube de Leitura em Voz Alta #filocri que funcionou em formato online em 2020/2021.

 

“Nunca pensei que a minha filha tivesse coisas destas para dizer. Foi uma descoberta para mim”, disse-me uma mãe à saída de uma oficina na qual dialogámos sobre “podes fazer tudo aquilo que queres?”.

 

O diálogo assume um carácter de encontro e de troca e para tal é fundamental a disponibilidade para pensar, escutar e falar (Peter Worley) com os outros, sejam crianças ou jovens ou adultos, de igual para igual.

 

3.png

Provocações literárias para pensar: escutamos a infância?

 “Agora não, Tiago”

O livro de David Mackee é uma excelente ilustração da invisibilidade à qual a infância está sujeita. Agora não. Agora não. E de repente o Tiago já não está lá e ninguém dá conta. Agora não. Agora não.

Então... quando?

 

Whatever you want / Cruelty Bytes

Ellen Duthie e Daniela Martagón provocam-nos com cenas provocadoras entre a infância e a adultês. “Agora ficas aqui a pensar na tua vida” – é uma frase comum, enunciada por pessoas adultas, quando a criança se porta mal. E quando se porta bem? Não pensamos na vida nesses momentos? E o que é isso de portar bem ou mal?

4.png

 

Sugestões para praticar escutar a infância

Crie um diário de perguntas para a família (ou para a sua turma). Diariamente registem uma pergunta: cada um regista a sua pergunta e deixa um espaço em branco por baixo dessa pergunta. No final do primeiro mês, voltam à primeira pergunta e iniciam um diálogo sobre a pergunta, procurando arriscar respostas e/ou investigando o tema, o problema que essa pergunta traz dentro de si.

Recomendação para as pessoas adultas: evitem a precipitação de querer responder ou de julgar se a pergunta é tonta ou não. Escutem a pergunta e deixem-se perguntar por ela.

 

Além do #filopenpal e das oficinas de perguntas para famílias, acompanhe o blog e as demais redes sociais da filocriatividade. Diariamente partilho conteúdos e faço uma curadoria de recursos e de ideias que podem ser úteis para esta prática. Convido-o/a a subscrever a newsletter para receber sugestões no seu e-mail.

 

Um exemplo desses recursos são as Home Talks (Diálogos em Casa) que estão disponíveis gratuitamente em inglês, espanhol e português.

 

Outras sugestões para as pessoas adultas

As #ComunidadesCriativasFILOCRI e o #ClubeDePerguntas são actividades regulares que permitem a prática do pensamento crítico e criativo. Por vezes participam famílias, porém a grande maioria das pessoas que subscrevem estas actividades são adultas e algumas delas trabalham com crianças e jovens.

Numa altura em que o pensamento crítico é uma espécie de bandeira no perfil do aluno, nos planos curriculares, aqui e ali, dentro e fora da escola, importa perguntar: e as pessoas educadoras e professoras sabem o que é pensamento crítico? Sabem como trabalhá-lo? Sabem como propô-lo aos seus grupos de crianças e de jovens?

Estas actividades procuram responder a estas perguntas e proporcionar um espaço e tempo para que a pessoa adulta possa treinar o seu pensamento crítico e assim promover momentos de prática com as crianças e os jovens.

 

Uma pergunta final

Quando foi a última vez que escutou a infância? O que escutou?

falar de morte com crianças e jovens

joana rita sousa, 11.03.22

1.png

 

as crianças perguntam pela morte? 

hoje as 3 da manhã falavam das conversas que tiveram com os seus filhos durante esta semana e um dos temas foi a morte. a Ana Galvão, a Joana Marques e a Inês Lopes Gonçalves têm filhos de distintas idades e foi curioso ouvir como uma pessoa de 6 anos e uma pessoa de 12 anos perguntam ou falam sobre a morte. 

a morte é um tema comum nos diálogos que tenho com as crianças. por vezes é um tema que surge a propósito da vida e do tempo, outras vezes é trazido para o diálogo de forma muito directa. em julho de 2020 quando iniciei as minhas oficinas de filosofia online aconteceu o seguinte: iniciei a oficina perguntando se alguém tinha uma pergunta que incomodasse e da qual gostassem de falar. após um bocadinho de silêncio surgiu um braço no ar.

"há uma pergunta que me incomoda há muito tempo e gostava mesmo de saber a resposta. o que é que acontece depois de morrermos?"

o jovem justificou o interesse pela pergunta e o grupo alinhou na investigação da pergunta. acabámos por, a partir da pergunta, abordar a importância da resposta para a pergunta (para esta e para outras). o motivo? compreendemos que é impossível responder a esta pergunta por nos faltar um "especialista" - que neste caso seria alguém que tivesse falecido e pudesse relatar a experiência. 

 

motivada pela conversa de hoje na rádio e por considerar que os livros podem dar uma boa ajuda para abordar temas difíceis como a morte, resolvi partilhar alguns títulos (para crianças, jovens e adultos) que podem ser um trampolim para pensar o impensável que é a morte. 

 

o que você vai ser quando morrer? 

este livro chega-nos do Brasil e é assinado por Lia Zatz, com ilustrações de Inácio Zatz. o título, em forma de pergunta, é provocador e inesperado, assim como o desenrolar da narrativa. conheci-o através de uma professora bibliotecária e a livraria Travessa (Lisboa) trouxe um exemplar até à minha aldeia. 

 

supergigante

Ana Pessoa é autora de livros que adoro, como o Coisas que acontecem ou o desvio. o Supergigante (Planeta Tangerina) fala de uma perda e... bom, já agora que tal ouvir a Ana Pessoa, em pessoa, a falar do livro? 

 

eu espero 

a temática da morte encontra-se intimamente ligada à temática do tempo e por isso este livro é tão pertinente. como se desenrola o fio da vida? David Cali e Serge Bloch respondem neste livro editado pela Bruáa Editora

 

o livro da avó 

conheci este livro há muitos anos, através da Ana (educadora de infância). Luís Silva é responsável pelo texto e pelas ilustrações do livro publicado pelas Edições Afontamento. uma narrativa que nos convoca a pensar nas pessoas que nos fazem faltam. 

 

what happens next? 

Yoshitake é um autor que muito admiro e cujo livro "Que seca!" é um dos preferidos de uma das filósofas que participa nas oficinas do Platão.  What happens next? vai ao encontro da pergunta que o jovem partilhou na oficina que descrevi no início do artigo. e responder? 

 

era uma vez

Johanna Schaible é a autora deste texto cuja narrativa e cujo livro (enquanto objecto físico) é surpreendente. é um livro perguntador, que me provoca perguntas sobre o tempo e a vida. o tempo encolhe ou estica? o que é o futuro? o que fazer do presente? 

 

four thousand weeks

quantas semanas temos para viver? e como vamos vivê-las? Oliver Burkeman pergunta e arrisca respostas neste livro que, sem tratar da morte de um modo directo, trata da gestão do tempo que temos para viver e que não dura para sempre. recomendo este livro aos adultos que querem sentir-se mais preparados para dialogar sobre a morte e o tempo com crianças , jovens e outros adultos. 

 

o livro do ano 

recomendo o livro do ano pois considero que os livros que tratam da vida também tratam da morte. este livro é uma narrativa simples e complexa, bela e cruel, sobre a vida, da qual a morte faz parte. o autor é o Afonso Cruz: 

 

O meu avô passa muito tempo no parque. Diz que o problema de envelhecer não é esquecermo-nos das coisas, é que tudo se esqueça de nós. (p. 134)

 

 

[mais #livrosperguntadores]

joana rita sousa, 21.12.21

 

 

🤓 ainda a propósito do #diamundialdafilosofia e da partilha de #livrosperguntadores com a equipa do PNL2027, aqui ficam outras sugestões que não fizeram parte da live do dia 23 de novembro, com a Júlia Martins.
 
 
📌 duas das sugestões não são livros: são baralhos e recursos que "arrumo" na categoria dos #livrosperguntadores por serem tão bons trampolins de perguntas.
 
 
📚 Ignorance - How it drives science, Stuart Firestein / Oxford University Press
 
📚 Um dia na vida de Marlon Bundo, Marlon Bundo, Jill Twiss, Eg Keller / Cultura Editora
 
📚 Portuguesas com M Grande, Lúcia Vicente e Cátia Vidinhas / Nuvem de Tinta 
 
📚 baralhos unhu: para parar, jogar, pensar e arriscar respostas
 
📚 ekui.pt, um recurso que pergunta e dá resposta às questões da #educacaoinclusiva
 
📚 Fim? Isto não acaba assim, Noemi Volta / Planeta Tangerina
 
📚 Vazio, Catarina Sobral / Pato Lógico
 
dida, Inês Fonseca Santos e Marta Madureira / Arranha Céus
 
📚 A bola vermelha, Vanina Starkoff / Orfeu Negro 
 
📚 O pedaço que falta, Shel Silverstein / Bertrand Editora
 
📚 A árvore generosa, Shel Silverstein / Bruaa
 
📚 Et Pourquoi ?, Michel Van Zeveren / Ecole des Loisirs
 
📚 Discórdia, Nani Brunini / Pato Lógico
 
📚 Máquina, Jaime Ferraz / Pato Lógico
 
 

 

 
 
lembre-se que não tem de comprar livros para ter acesso aos mesmos: visite a biblioteca municipal e/ou incentive os seus filhos a visitar a biblioteca escolar. boas leituras e boas perguntas!
 
 

 

 

 

#livrosperguntadores para celebrar o #diamundialdafilosofia

joana rita sousa, 01.12.21

1.png

 

no dia 23 de novembro encontrei-me "na esquina" do instagram com a Júlia Martins para partilharmos #livrosperguntadores.

no âmbito das comemorações do dia mundial da filosofia a filocriatividade e o pnl2027 organizaram um conjunto de sugestões e de reflexões disponíveis no portal e cuja visita muito recomendo!

 

eis a lista dos livros escolhidos no encontro do dia 23 de novembro: 

📚 Diógenes, de Pablo Ablo e Pablo Auladell /  Kalandraka 

📚 A grande questão, Wolf Erlbruch / Kalandraka

📚 O menino que coleccionava palavras, Peter Hamilton Reynolds / Presença

📚 Palomar, de Italo Calvino / Dom Quixote

📚 Migrantes, Issa Watanabe / Orfeu Negro 

📚 Notas sobre um naufrágio, David Enia. / Dom Quixote 

📚 Era uma vez, Johanna Schable / Planeta Tangerina

📚 Como ver coisas invisíveis, Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso / Planeta Tangerina

📚 O homem que carregava pedras, O rapaz que conheceu o homem que caregava pedras, O cão do rapaz que conheceu o homem que carregava pedras / Marco Taylor

📚 Feliz, de Mies Van Hout / Poets & Dragons Society

📚 Mary John, de Ana Pessoa / Planeta Tangerina

📚 Migrando, Mariana Chiesa Mateos / Orfeu Negro
 
📚 Si no te gusta leer no es culpa tuya, Jimmy Liao / Barbara Fiore Editora
 
📚 Seis Propostas para o Próximo Milénio começar e acabar, Italo Calvino / Teorema 
 
 
 

 

estes foram os livros partilhados durante a live no instagram. porém... temos mais sugestões de #livrosperguntadores (e algumas recomendações nem são livros...). por isso, fique atento/a ao blog e ao instagram.

 

4 sugestões de livros para adolescentes

joana rita sousa, 03.09.21

3.png

nos últimos tempos tive encontros felizes com livros dedicados ao público juvenil e adolescente. estas 4 sugestões que partilho hoje são livros verdadeiramente perguntadores. 

preparado/a para aumentar a sua lista de compras na feira do livro? vamos a isso!

 

- coisas que acontecem, de inês barata raposo e susa monteiro (bruáa)

- aqui é um bom lugar, de ana pessoa e joana estrela (planeta tangerina)

- desvio, de ana pessoa e bernardo p. carvalho (planeta tangerina)

- gosto, logo existo, de isabel meira e bernardo p. carvalho (planeta tangerina)

 

conhece algum destes livros? tem outras sugestões de leitura para os jovens? partilhe nos comentários!

#livrosperguntadores - sugestões para a sua lista de compras na feira do livro

joana rita sousa, 02.09.21

2.png

esta foi uma escolha difícil, pois tenho as estantes "a abarrotar" com #livrosperguntadores na categoria de livros infantis ou livros ilustrados.  defendo que estes livros são para todas as idades - e não estou sozinha a defender esta tese, tendo comigo a Júlia Martins (equipa PNL2027). nesse sentido, eu e a Júlia temos partilhado várias sugestões de livros no instagram (disponíveis na IGTV da filocriatividade). 

 

👉 preparado/a para tomar nota das sugestões? vamos a isso!

- selma, de jutta bauer (GATAfunho)

- uma mesa é uma mesa. será?, de isabel martins e madalena matoso (planeta tangerina)

- 29 histórias disparatadas, de ursula wolfel e neus bruguera (kalandraka)

- balbúrdia, de teresa cortez (pato lógico)

- 1.º direito, de ricardo henriques e nicolau (pato lógico)

- o jaime é uma sereia, de jessica love (fábula)

 

no instagram encontra outras sugestões, para o efeito pesquise por #livrosperguntadores. se tiver outras sugestões de livros perguntadores, partilhe nos comentários! 

 

livros perguntadores - recomendações #filocri e #pnl2027

joana rita sousa, 02.06.21

em fevereiro deste ano lancei um desafio aqui no blog e no instagram no sentido de partilharmos #livrosperguntadores. 

 

o que é um livro perguntador? como identificar um livro perguntador? 

há muitos livros que carregam perguntas: no seu interior e até na capa. nesse sentido, valem livros com perguntas na capa e também livros que carreguem perguntas lá dentro. 

perante um livro perguntador é natural que surjam... perguntas! perguntas que trazem outras perguntas, a saber: 

- a pergunta é importante para si? 

- o livro criou-lhe uma pergunta? qual?

- essa pergunta tem resposta?

- uma pergunta precisa de um ponto de interrogação? 

 

em março juntei-me com a Júlia Martins, da equipa PNL2027, no instagram, para fazermos um directo com recomendações de #livrosperguntadores. foi desta forma que a filocriatividade participou nas comemorações da semana da leitura

 

há que recordar o primeiro encontro com a Júlia Martins, no instagram, que aconteceu no dia 20 de Novembro de 2020, a propósito das comemorações do Dia Mundial da Filosofia. na altura reunimos recomendações de livros filosoficamente provocadores. e já nesse dia sentimos dificuldade em escolher os livros e em parar de seleccionar e recomendar. era inevitável voltar a fazer directos deste tipo, com recomendações de leitura. 

 

ontem voltámos a entrar em directo no instagram para partilhar #livrosperguntadores e assim assinalar o dia mundial da criança. poderá ver ou rever o vídeo na IGTV. as sugestões que fizemos vão ser partilhadas nos próximos dias, aqui no blog e no instagram. 

 

instagram.jpg

 

uma nota: eu e a Júlia não partilhamos a selecção de livros previamente. portanto, é uma descoberta para ambas! e já houve momentos em que escolhemos os mesmo livros, sim. mas são raros! 

vou preparar as publicações com as fotografias dos livros que recomendámos ontem. são muitos e tão perguntadores!

até lá, acompanhe a filocriatividade por aqui e no instagram, bem como o portal PNL2027 (aqui encontra recomendações de livros para todas as idades!). 

*

se gosta de ler e gostaria de fazer parte de um Clube de Leitura, participe num dos Clubes apoiados pelo PNL2027: o Clube de Leitura em Voz Alta #filocri é um deles!

 

 

 

 

 

 

 

 

no dia do livro infantil: 5 livros perguntadores

joana rita sousa, 02.04.21

 

no dia do livro infantil reuni cinco títulos de #livrosperguntadores para partilhar consigo.

o que são #livrosperguntadores?

há muitos livros que carregam perguntas: no seu interior e até na capa.
refiro-me a livros com perguntas na capa e também livros que carreguem perguntas lá dentro.

 

eis as minhas sugestões:

 

Duck! Rabbit!, de Amy Krouse Rosenthal e Tom Lichtenheld, (Chronicle Kids)

- um livro que me me faz viajar até ao filósofo Ludwig Wittgenstein e Investigações Filosóficas, para pensar na questão de percepção.

 

Barafunda, de Afonso Cruz e Marta Bernardes, ilustrado por José Cardoso (Caminho)

- um livro em diálogo que arruma e desarruma ideias em cada página.

 

Il Bárbaro, de Renato Moriconi (Gallucci)

- ouvi falar deste livro numa oficina com o Afonso Cruz e fiquei rendida à sua proposta. É um livro sem texto, para descobrir a vida do guerreiro. quem é ele? que batalha está a travar? de que lado da batalha se encontra?

 

Para que serve?, de José Maria Vieira Mendes e Madalena Matoso (Planeta Tangerina)

- pode ler-se na contracapa: “Eu sou um livro que gosta de fazer perguntas. Eu gosto mais de um mundo com perguntas do que de um mundo com respostas porque eu gosto de investigar e também gosto de confundir.” – e eis a razão para este livro constar na categoria de livro perguntador!

 

A grande fábrica das palavras, de Agnès de Lestrade e Valeria Docampo (Paleta de Letras)

- é um livro recomendado pelo PNL2027 e foi um livro que a Júlia Martins me deu a descobrir. não quero dizer muito sobre a história que é surpreendente e levanta muitas perguntas: o que fazer com poucas palavras? como dizer o mundo com palavras contadas? (de repente estou no 1984, de George Orwell, a pensar em todo aquele esforço feito pelo governo para reduzir as palavras do povo, criando a Novilíngua).

 

tem outras sugestões de #livrosperguntadores para celebrar o dia do livro infantil?

partilhe nos comentários!

 

Em que pensas tu?

joana rita sousa, 28.02.21

20210207_134128.jpg

Em que pensas tu?

Laurent Moreau é o autor deste livro que nos ajuda (literalmente) a visitar a cabeça de várias pessoas e os seus pensamentos.

 

EM QUE PENSAS TU? é um livro da autoria de Laurent Moreau, publicado n' O Bichinho de Conto. Foi lançado na Feira do Livro, em 2017, e eu tive a oportunidade de participar neste lançamento, na companhia da Dora Batalim, da Paula Cusati e da Mafalda Milhões.