Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

16 de Fevereiro, 2023

Filosofia, substantivo feminino - no Café Filosófico CPFL

- resgate das mulheres filósofas

joana rita sousa

 

A história da filosofia como conhecemos nas antologias é marcada por inúmeras exclusões, sendo as mais marcantes aquelas de gênero, raça e localidade geográfica. Recentemente a atenção de pesquisadoras tem se voltado para reparar este estigma limitante da prática filosófica, resgatando obras escritas por filósofas ao longo da história, e fazendo aparecer nomes importantes como: Aspásia de Mileto, Temistocléia, Hipátia de Alexandria, Cleobulina de Rodes, Lastênia de Mantinéia, Hidelgarda de Bingen, Cristine de Pizan, Heloisa, Catariana de Siena, Oliva Sabuco, Teresa D’Ávila, Túlia D’Aragona, Sor Juana Inés de La Cruz, Ana Van Schurman, Lucrécia de Marinela, Princesa Elisabeth de Boêmia, Mary Astell, Anne Conway, Margareth Cavendish, Damaris Marsham, Emilie du Châtelet, Mary Wollstonecraft, Anna Julia Cooper, Nísia Floresta, Francisca Senhorinha da Mota Diniz, Maria Firmina dos Reis, Josefina Álvarez de Azevedo, Simone de Beauvoir, bell hooks, Maria Lugones, Judith Butler, Oyèrónké ̣Oyěwùmí. Ou seja, com o olhar atento para os arquivos e bibliotecas procurando obras representativas, conclui-se, por evidências concretas, que mulheres sempre filosofaram. A presença silenciosa ao longo da história é, então, denunciada como uma ausência gritante — nos livros, nas antologias e nas narrativas filosóficas de modo geral. (fonte: youtube)