Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

#filopenpal: a experiência de pai e filha no "vai e vem" da filosofia

 

o vai e vem da filosofia

o #filopenpal surgiu há uns anos. um pai que me segue no twitter tinha horários um pouco complicados e não conseguia arranjar maneira de levar o seu filho a uma das minhas oficinas de filosofia. "e se a filosofia fosse até aí a casa?" 

e assim aconteceu: a filosofia viajou até casa do J., através de carta. nesta carta o J. encontrou um primeiro desafio filosófico que se foi construindo e desenrolando à medida das suas perguntas e respostas. 

houve mais pessoas a juntar-se a este "vai e vem" da filosofia: a Sara Rodi chegou mesmo a partilhar no seu blog como foi receber a filosofia lá em casa, na caixa do correio. 

desde então, o #filopenpal já desafiou crianças, jovens e adultos - e também famílias inteiras a parar para pensar. 

 

da carta para a google drive: filosofar em família

algures em abril fui contactada por uma mãe para saber mais informações sobre o #filopenpal. foi nesse momento que surgiu a ideia de ter esta troca a acontecer na google drive, onde temos documentos colaborativos e oportunidade de ir acrescentando ficheiros ou fotografias.

a mãe C. não queria que os seus filhos fossem os únicos a filosofar: queria mesmo filosofar em família. confesso: até então só tinha trocado desafios com uma pessoa (criança, jovem ou adulto). acedi ao pedido com uma condição: que o desafio enviado por mim fosse trabalhado em família, que dialogassem, que trocassem pontos de vista e depois partilhassem comigo o resultado desse trabalho em grupo. 

além do resultado importa sublinhar o processo: 

Estamos todos entusiasmadíssimos! O desafio tem-nos feito pensar, tem aberto caminhos para grandes conversas e tem-nos ajudado a conhecermo-nos melhor uns aos outros!
Divertimo-nos muito!
 
 

pai e filha a filosofar em plena pandemia 

 

conheci o P. há alguns anos, num contexto pouco ou nada filosófico. mantivemos o contacto e o P. foi conhecendo o meu projecto filocriatividade e, de vez em quando, interagia com as minhas publicações. havia um interesse na filosofia e em filosofar. lembro-me bem que era um espectador assíduo da #FilosofiaAoVivo numa altura em que o confinamento não lhe permitia trabalhar. 

um dia o P. perguntou pelo #filopenpal. expliquei como funcionava, que podíamos trabalhar através da google drive, definir um tempo de resposta. por norma, trocamos desafios de semana a semana, mas temos ajustado ao tempo do P. e da R. afinal, estes desafios devem ser saboreados e não vividos à pressa. 

passo a palavra ao P. para falar da experiência: 

Conheci a Joana fora do ambiente da filosofia, mas sempre fui um fã da sua abordagem da Filosofia descontraída e dirigida a todos.
 
Sempre gostei da filosofia que aprendemos na escola, mas também me fui apercebendo que o que tirei destas aulas não foi mais que cultura geral sobre história da filosofia.
 
Contudo, quando lia os posts da Joana nas redes sociais, via uma abordagem completamente diferente e muito mais interessante, ainda mais porque era dirigida maioritariamente às crianças. Era sobre estimular “´ssoas humanas” (nas suas palavras) a pensarem, refletirem, imaginarem, questionarem-se, debaterem ideias e opiniões.
 
Adorava e queria isso também para a minha filha (e para mim também).
 
Assim durante a pandemia decidi o que vinha a arrastar há imenso tempo. Começámos a trocar desafios através do #filopenpal e estamos a adorar. 
 
No início para a R. foi estranho, porque ninguém é habituado a pensar com liberdade e sobre coisas que vão aparecendo.
Nunca sabemos qual é o desafio!
Enquanto adulto, no início, tentava que ela fosse estruturando mais o pensamento, sobre uma determinada temática (à semelhança do que para mim era a “Filosofia"), mas aos poucos fui-me apercebendo que o divertido era mesmo ir descobrindo novos caminhos a partir das questões que a Joana nos faz. Pensar sobre eles, questionarmo-nos, debatermos ideias, pôr diversas questões em cima da mesa, falarmos. 
 
Hoje em dia quando digo “a Joana já respondeu ao mail” vamos logo os 2 ver qual é o próximo desafio e vamos pensando sobre ele. No dia que nos sentamos para responder é sempre um bom momento a dois. A R. às vezes hesita com algumas respostas, mas eu tenho tentado que ela ganhe confiança nelas mais do que tentar pôr-lhe uma resposta minha. Na verdade sei que do outro lado a Joana encontra sempre uma maneira de tornar os desafios super interessantes com o material que lhe damos.
 
Acredito sinceramente que esta troca de correspondência tem sido e vai ser muito útil.
 
Olho à minha volta e vejo muitas pessoas que têm medo de pensar, de ter uma opinião própria que por vezes contradiz a do outro. O inverso também acontece e também nos agarramos demasiado a opiniões e pensamentos que tantas vezes nos limitam em vez de estarmos abertos a outras perspectivas.
Tem sido o meu contributo para que a R. e eu, eventualmente, possamos ser mais e melhores ’ssoas humanas.

 

desafios filosóficos

à distância, com a confiança na mediação do adulto ou de forma one to one com a criança e o jovem, procuro criar um tempo e um espaço para praticarmos o parar para pensar.

trabalhamos o pensamento crítico e também o criativo. o trabalho é, por si mesmo, colaborativo. só o primeiro momento é definido por mim: o desafio inicial. a partir daí a forma como desenrolamos os novelos do pensamento vai depender do que pai & filha, do que a criança ou o jovem, do que a família me der em troca. 

neste desenho, o P. e a R. desenharam as "ideias a conversar". este momento aconteceu pois a R. mudou de ideias relativamente a um tema que estávamos a aprofundar.

humm como é que acontece isto de mudar de ideias?

será que as ideias conversam entre si? 

 

#filopenpal.png

 

 

 

 

Mais sobre mim

O que faço?

Filosofia é coisa para miúdos

Fórum na Revista Dois Pontos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D