Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

3º Congresso Internacional de Educação de Surdos

Realizou-se no passado dia 11 de Abril, na Casa Pia de Lisboa, o 3º Congresso Internacional de Educação de Surdos. O programa prometia diversidade de opiniões e de posturas perante alguns temas que são "polémicos" no âmbito da educação para surdos. Os implantes, o bilinguismo, a língua primeira, a língua natural, a língua materna... Para quem "entrou" recentemente neste mundo, é fácil perceber que, como em muitas matérias da actividade humana, o consenso é difícil de se alcançar.

 

A professora Isabel Correia, da Escola Superior de Educação de Coimbra apresentou-nos uma perspectiva muito inclusiva da educação. Em vez de pensarmos na inclusão como um caminho surdos -» ouvintes, podemos pensar no caminho inverso: ouvintes -» surdos. Esta questão parece-me muito pertinente; penso que seria possível que todas as crianças aprendessem Língua Gestual Portuguesa (LGP) na escola. Poderia ser uma oferta como o inglês ou o francês. Ou o mandarim!
Olhando à nossa volta, "tomando um banho de realidade", o que acontece é que há escolas onde as próprias crianças surdas não têm acesso à aprendizagem da LGP, tal como está contemplado na lei.

 

Joaquim Melro partilhou connosco alguns dados e números preocupantes relacionados com a educação dos surdos: em 2012, 80% dos surdos não tinham acesso à educação. E dos 20% que contrariam este número apenas 2% acede através da Língua Gestual.
É preocupante que muitos surdos, adultos, não sejam capazes de ler ou escrever em português - e por isso encontrem tantos obstáculos comunicacionais num mundo onde a língua gestual não é praticada pela maioria da população. Aliás, há um número considerável de surdos que não domina a língua gestual. Eu cresci com um surdo que, apesar de ter frequentado uma escola específica para surdos, há uns 30 anos, não domina a LGP. Acho que eu, a meio do nível II de LGP, domino melhor a língua do que ele. E a sua escrita/leitura do português é deficiente.
 

 

A tarde permitiu-nos conhecer alguns projectos muito interessantes, ao nível das artes, da expressão plástica e da aprendizagem da matemática no pré-escolar.
Felizmente realiza-se muito trabalho ao nível dos recursos que permitam a aprendizagem das mais variadas matérias, no jardim de infância, através da língua portuguesa e da língua gestual portuguesa. Uma estratégia win/win para crianças surdas e ouvintes, na minha modesta opinião.
O professor Carlos Santos referiu o método de Singapura, para o ensino da matemática, que inclui momentos de abstração e expressão ("oralidade") que vão ao encontro daquilo que, por exemplo, se defende ao nível da filosofia aplicada (para crianças). A criança escolhe X ou Y num dado exercício e é levada a JUSTIFICAR, a dizer o PORQUÊ daquela escolha e não de outra.

 

Houve lugar, ainda, a algumas posições sobre os implantes cocleares e a necessidade de aprendizagem de Língua Gestual Portuguesa desde o jardim de infância. De uma forma muito empírica, eis algumas das coisas que observo:
- falta de acesso das crianças à aprendizagem de LGP em sala de aula;
- ausência de sensibilização para com as famílias e amigos das crianças surdas para a aprendizagem de LGP e o seu uso na comunicação com a criança;
- corre-se o risco de criar aqui um terceiro termo, entre os surdos e os ouvintes, e que são os implantados. O implante deverá, quanto a mim, constituir uma opção consciente da família (infelizmente muitos gostariam de optar e não têm condições financeiras para tal) mas não deverá retirar a criança do seu processo de aprendizagem da LGP. Parece-me que o bilinguismo deverá ser uma realidade. Aliás, o multilinguismo - por exemplo, eu sei língua portuguesa, francês, inglês... tenho "umas luzes" de espanhol, de japonês e de sânscrito. E agora estou a aprender LGP. Parece-me natural que outras pessoas o façam;
- para além do terceiro termo, os implantados, cria-se um conceito estranho: o de surdo-ouvinte. Parece-me que uma criança, ainda que implantada, não deixa de ter a sua identidade como pessoa surda, apesar dos ganhos auditivos que o implante possa trazer.
Louva-se o trabalho de escolas como a ESEC, que tem, neste momento, uma oferta única para os alunos surdos: em todos os cursos há intérprete de LGP.
O aspecto MAIS POSITIVO foi mesmo o facto das associações, federações, escolas, pais considerarem de máxima importância construir pontes de diálogo, até para que se possa compreender as mudanças que se estão a preparar relativamente à lei 3/2008

No quadro da equidade educativa, o sistema e as práticas educativas devem assegurar a gestão da diversidade da qual decorrem diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas dos alunos. Deste modo, a escola inclusiva pressupõe individualização e personalização

das estratégias educativas, enquanto método de prossecução do objectivo de promover competências universais que permitam a autonomia e o acesso à condução plena da cidadania por parte de todos.  

 

(...)

 

A educação das crianças e jovens surdos deve ser feita em ambientes bilingues que possibilitem o domínio da LGP, o domínio do português escrito e, eventualmente, falado, competindo à escola contribuir para o crescimento linguístico dos alunos surdos, para a adequação do processo de acesso ao currículo e para a inclusão escolar e social.

 

No meio destes encontros e desencontros, espero que a comunidade surda possa (re)pensar a sua própria identidade e cultura, defendendo a LGP como base essencial, a par da aprendizagem da língua portuguesa. Com prótese auditiva ou com implante - ou sem nada disso, o importante é que os surdos sejam capazes de comunicar, de debater, de dialogar sobre aquilo que é ser surdo. Acima de tudo, que possam assumir-se como pessoas plenas e que a surdez não seja uma condenação a uma vida com qualidade inferior e sem liberdade, sem a hipótese de considerar alternativas para o seu futuro.

 

 

 

A Liberdade é consolidada pela consciência de múltiplas  alternativas; Para cada opção no nosso quadro familiar, profissional, artístico, social, de cidadania, cada um de nós devia ser capaz de listar um conjunto de caminhos; temos de poder escolher para que a liberdade seja real, a liberdade não é um estado de consciência, um estado de alma - embora muitos discordem - a liberdade cresce quanto mais hipóteses conscientes e presentes de caminhos tivermos de trilhar, em cada momento da nossa vida e junto de cada grupo de contexto;

A consciência das alternativas depende da aprendizagem, do estudo, da investigação, que cada vez mais estão ao alcance de todos; aprender é hoje em dia a melhor evidência (resultado) da democracia; já quase tudo foi escrito e essas alternativas já foram pensadas, vividas, recusadas, escolhidas por outrém; não é a originalidade dos caminhos que fomenta a liberdade, é sim a consciência de que cada um pode listar um sem fim de alternativas; e mais, nem sequer importa, quando falhemos uma opção, porque na maioria dos casos, temos na vida muitas oportunidade de fazer e desfazer opções;

Depois mesmo que não as escolhamos, isso também não importa, porque nos apoderámos do processo, fomos nós que não quisermos seguir um caminho diferente, fizemos a escolha. E sempre que escolhemos somos donos de nós próprios.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

O que faço?

Filosofia é coisa para miúdos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

subscrever feeds