Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal | #FilosofiaAoVivo

Ovelappings - da arquitectura do lugar e das sobreposições do pensar|criar


Estivemos à conversa com Ricardo Carvalho, um dos arquitectos cujo atelier está presente na exposição Overlappings. Uma ideia que nasceu em Londres, a convite do RIBA – Royal Institute of British Architects  e que se encontra, agora, em Lisboa.  Jonathan Sergison, o Comissário da exposição,  sublinha a capacidade de colaboração e de partilha de ideias que está por detrás desta exposição.  Do individual ao colectivo – eis o caminho que podemos percorrer em modo «overlapping», no Museu da Electricidade.

Quem se lembra  das arcas que eram utilizadas pelos nossos avós para guardar, entre outros, o enxoval? E que eram tão úteis para  transportar coisas, em momentos de mudança? Overlappings apresenta-nos seis ateliers de arquitectura «religiosamente» guardados em arcas, que já viajaram de Londres para Milão, Barcelona, Loulé e agora permanecem em Lisboa. Esta é uma exposição itinerante e verdadeiramente portátil.

Seis arcas, seis ateliers, seis capítulos de um mesmo livro em que se expõe a arquitectura portuguesa do agora.  Como é que se pensa uma exposição a seis? Ricardo Carvalho responde-nos, lembrando que a arquitectura é, por si, uma actividade partilhada e que exige uma equipa em torno de um projecto. «Os sete arquitectos aqui presentes  usufruem de um conhecimento mútuo e de uma proximidade pessoal que facilitou este trabalho, para além da cumplicidade conceptual em torno da arquitectura».  E nesta exposição encontramos um espaço de representação da arquitectura, sob seis formas diferentes. Os visitantes são, assim, convidados a ver a representação daquilo que existe algures por aí e que foi concebido pelos sete arquitectos. A ver e a reflectir, pois a arquitectura surge da reflexão permanente sobre o colectivo; é pensada e construída para o colectivo. 

Aires Mateus, Bak Gordon, Bugio.João Favila, I. Lobo, Paulo David, Ricardo Carvalho + Joana Vilhena: seis ateliers portugueses que nos solicitam um momento para ver aquilo que se faz, no momento, em arquitectura.  Cada arca transporta em si a ideia da arquitectura portuguesa e convoca o visitante a descobrir as diferenças que os ateliers apresentam na sua visão do mundo. A construção da exposição  também exigiu, por parte dos arquitectos, um momento de «parar para pensar, sobretudo para mudar a nossa relação com o próprio objecto da criação», disse-nos Ricardo Carvalho. 

Será surpreendente o facto desta exposição, de arquitectos portugueses,  ter nascido em Londres? Não. Na arquitectura, como em outras áreas, os portugueses e os seus trabalhos são frequentemente valorizados lá fora, quando em Portugal não passam de desconhecidos. A arquitectura portuguesa é acarinhada no estrangeiro, diz-nos Ricardo Carvalho, pelo facto de comportar três aspectos que a tornam única: é uma arquitectura situacional (enraizada nos lugares), é low tech e manifesta uma força poética muito forte. É essa força que nos distingue, enquanto portugueses, habituados a lidar com inúmeros obsctáculos quando queremos fazer algo. Sim, podemos afirmar com alguma segurança que  a arquitectura portuguesa terá o seu caminho internacional assegurado; mas o mesmo não podemos dizer do caminho em Portugal, uma vez que nos aproximamos de um estado em que a arquitectura será algo ao qual só alguns terão acesso, pelas óbvias dificuldades económicas que o país atravessa, bem como consequência da extinção do Ministério da Cultura. Exemplo desse caminho internarcional é a presença dos nossos arquitectos em exposições como Tradition is Innovation,  patente de 29 de Setembro a 11 de Outubro no Living Design Gallery Ozone,  em Tóquio.
Pedimos uma nota de optimismo: Ricardo Carvalho sugere que se abandone uma vivência superficial e construamos uma reflexão profunda, tendo por base a pergunta «o que é que eu posso fazer?».   
Antes que as arcas se fechem e rumem a um novo destino, convidamo-los a incluir na  vossa reflexão uma paragem no Museu da Electricidade, para ver o que de melhor se faz, nos dias de hoje, na arquitectura portuguesa. De escolas a hoteis, a grutas e casas, um museu e uma faculdade: encontrará de tudo um pouco, sempre em modo «overlapping».

O Museu de Electricidade, em Lisboa, acolhe a exposição de seis ateliers de arquitectura portugueses, até 11 de Dezembro. Não perca a oportunidade de presenciar uma leitura partilhada sobre a arquitectura portuguesa. 

(trabalho realizado para a Rua de Baixo | Novembro de 2011) 

Mais sobre mim

O que faço?

Filosofia é coisa para miúdos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D