Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

#LERePENSARcom

joana rita sousa, 09.08.22

 

#LERePENSARcom boneco.png

 

sugestão da Ana Filipa Gaspar, especialista em marketing digital, de Benfica, Lisboa

o livro:

As Ondas, de Virginia Wolf (Relógio D'Água)

imagem via wook

 

a citação:

“Palavras, palavras e palavras, observem o modo como galopam, como abanam as longas caudas e crinas, mas, e por qualquer falha minha, não me posso dar ao luxo de as montar; não posso voar junto com elas.”

 

a reflexão:

A desconstrução dos pensamentos, dos diálogos e das relações é feita em continuo nesta pequena obra, em que o leitor é convidado a participar no discurso psicológico de cada personagem. Não é fácil acompanhar o dia-a-dia dos outros nesta perspectiva tão íntima e individual. Estamos habituados a viver com os nossos pensamentos, mas não com os pensamentos dos outros.

 

a pergunta: 

O que move verdadeiramente cada pessoa?

 

👉 #LERePENSARcom é uma rubrica #filocri que pretende divulgar leituras, leitores, reflexões e perguntas. pretende-se também ampliar o entendimento de leitura: podemos ler e pensar com livros (literatura,  filosofia, ciência, álbuns ilustrados...), com documentários, com imagens ou com jogos e até com séries. procura-se aquilo que nos faz pensar, pratica-se o voltar a pensar e termina-se (se bem que o fim é um começo) com uma pergunta.  

gostaria de participar nesta rubrica? basta preencher este formulário

Conversa com notas de rodapé. Questões para a filosofia africana

joana rita sousa, 05.08.22

O livro do filósofo e professor Marcos Carvalho Lopes nos traz uma História da Filosofia Africana de maneira dialogada. Com leveza poética, apresenta e analisa as categorias e conceitos estruturantes do pensamento africano dentro do contexto histórico, fazendo anotações que permitem uma leitura didática e rigorosa. Ao mesmo tempo, percebem-se, no texto, duas tensões: a primeira aponta para a experiência bem sucedida do professor Marcos em ensinar, durante oito anos consecutivos (2014-2022), a disciplina de Filosofia Africana para estudantes brasileiros e de cinco países africanos, empreitada vivenciada na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB) no Recôncavo da Bahia. Ensinar a um público mais ou menos homogêneo é imensamente diferente e menos desafiador do que ter em sala de aula pessoas de origens tão diversas: seis países, uma rica diversidade étnica e sociocultural, com situações políticas, muitas vezes, traumáticas e ainda manter consigo a utopia de compreender para transformar. A segunda tensão, diz respeito ao enorme esforço de auto reconhecimento do filósofo-professor Marcos Carvalho Lopes, como um acadêmico possuidor de sólida formação na Filosofia Ocidental, e que, de maneira incansável, buscou acessar e tornar acessíveis as bibliotecas “não coloniais” de estudiosos e estudiosas africanos e africanas. Humildemente, ele precisou sentar-se e apreender. O livro percorre uma longa viagem que inclui Zera Yacob (1599-1692), Wilhelm Amo (séc XVIII), Cheikh Anta Diop, Alexis Kagame, Hountondji, passando por temas como a força vital até o mais recente e importante debate sobre o feminismo africano. África é um imenso continente com 54 países e cada autor interpreta o mundo e a tradição filosófica desde sua própria história e há que ainda se levar em conta que a “filosofia” se escreve e se pensa em línguas ocidentais diferentes….em suma,  a obra de Marcos Carvalho Lopes nos brinda com uma síntese erudita, mas compreensível; crítica, mas não panfletária; ampla e apaixonante da   filosofias-pensamentos africanos. Uma contribuição inestimável deste grande intelectual para o campo dos estudos africanos.

 

pode fazer o download do livro AQUI

#ICPIC2022 - de Tóquio para o mundo

joana rita sousa, 04.08.22

Screenshot 2022-08-03 at 19.46.17.png

 

realiza-se nos dias 8, 9, 10 e 11 de Agosto a conferência bianual do ICPIC.

esta é a 20.ª conferência que reune pessoas de todo o mundo que se envolvem na pesquisa e na prática da filosofia para / com crianças e jovens. 

o tema da conferência é "philosophy in and beyond the classroom: P4C across cultural, social, and political differences" e acontece em Tóquio, em formato híbrido.  

eis a mensagem de Arie Kizel, presidente do ICPIC: 

On behalf of the ICPIC Executive committee, I would like to welcome you to the 20th biennial ICPIC conference website in Rikkyo University, Tokyo, Japan. We are confident that this conference will offer rich educational and philosophical experiences through presentations and dialogues, formal and non-formal and informal, with a diverse and international company of scholars, academics, and practitioners.
We are devoting this conference to philosophy in and beyond the classroom: P4C across cultural, social, and political differences. Philosophy for/with Children and other forms of philosophical practices such as philosophy café has been developing rapidly and powerfully in Japan over the last two decades. Significantly, the major earthquakes and Tsunami in the Tohoku area in 2011 urged the Japanese people to reflect deeply on the fundamental value of life, human bonds, and the direction of their society and civilization. Under such circumstances, the Japanese people have seen the importance of dialogue on philosophical topics and its importance for citizens and school children.
Many Japanese children enjoy discussing philosophical subjects in a P4wC class, doing better than their teachers and parents’ expectations. More and more teachers are becoming eager to introduce the P4wC methods in their studies.

 

avizinham-se dias de intensa partilha. grande parte das pessoas que me inspiram neste trabalho e que já citei inúmeras vezes vão estar presentes nesta conferência. terei a oportunidade de dinamizar um workshop sobre o tema "is voting a sign of democracy?", que decorre de um conjunto de diálogos e de trocas com o Pieter Mostert e com a comunidade #P4Cthursday. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

filosofia no quotidiano

- um café filosófico para praticar a suspensão do juízo

joana rita sousa, 03.08.22

junior-ferreira-7esRPTt38nI-unsplash.jpg

📷 Júnior Ferreira / Unsplash

 

praticar a suspensão do juízo

no dia 25 de julho o café filosófico tinha como temática "filosofia no quotidiano". a proposta de trabalho foi no sentido de criarmos condições para a prática da suspensão do juízo (epoché).

o desafio era verdadeiramente desafiante, pois é muito imediata atitude de emitir um juízo e é bastante comum a atitude de precipitação para avaliar uma situação ou uma informação. 

o exercício proposto visou a prática de uma atitude exploratória, em forma de perguntas, perante 3 situações quotidianas. se assumirmos a analogia com o ginásio, este exercício foi dia de perna: duro, intenso e revelador.

revelador pelo facto de termos experimentado que não somos neutros ou isentos quando observamos uma situação. temos enviesamentos de pensamento, temos molduras de referência e experiências que influenciam o nosso olhar sobre as coisas.

 

o que dizem as pessoas participantes do café filosófico?

Ambiente acolhedor que permitiu a participação de todos os participantes sem qualquer tipo de restrição.

A estrutura do café com a participação ativa dos participantes pessoas foi para mim uma surpresa. Talvez por ser a primeira vez que participo num café filosófico e não ter qualquer tipo de referência no que diz respeito ao formato.

 

o que ambiciona um café filosófico?

- promover um espaço de diálogo e de prática do pensar - escutar - falar (Peter Worley);

- criar um ambiente seguro para a manifestação da ignorância;

- cultivar a honestidade intelectual;

- praticar a autonomia de pensamento;

- promover um espaço de acolhimento para o desacordo;

- reconciliar a pessoa humana com a sua falibilidade. 

 

*

poderá consultar a agenda de eventos da Bertrand Livreiros e considerar a participação num dos cafés filosóficos online.

a minha agenda completa está disponível AQUI e inclui outros eventos além dos cafés filosóficos.

subscrever a newsletter filocriatividade irá garantir que recebe as novidades de agenda no seu e-mail. 

#LERePENSARcom

Apostar no Cavalo Errado, de Eric Barker

joana rita sousa, 02.08.22

lerepensarcom (10).png

sugestão da Sónia Vieira Costa,  consultora de ecommerce e marketing digital.

 

o livro:

Apostar no Cavalo Errado, de Eric Barker (Ideias de Ler)

imagem via wook 

 

a citação:

"As pessoas com sorte maximizam as oportunidades. Essas pessoas são mais abertas a novas experiências, são mais extrovertidas e menos neuróticas. Dão ouvidos aos seus palpites. Acima de tudo, os sortudos tentam cenas. Faz sentido: se ficar trancado dentro de casa, quantas situações excitantes, novas, fixes lhe vão acontecer? Poucas."

 

a reflexão:

Sempre me senti um pouco "louca" porque, sem ter qualquer explicação a não ser "dar ouvidos aos meus palpites", durante toda a minha vida eu sempre "tentei cenas". E cenas é mesmo a expressão certa e foi exatamente por, apesar de ter medo, eu sempre ter tentado cenas que já fiz coisas tão aleatórias como ser professora e bailarina de dança do ventre; ser formadora de diversas matérias relacionadas com redes sociais e marketing digital; ter ido viver para o Dubai e trabalhar para o Grupo Emirates; ter começado a falar em público sobre o meu percurso profissional e várias áreas do marketing digital; organizar conferências; etc. Não que eu por ter feito isto me sinta particularmente sortuda, mas sem dúvida alguma, sinto que já fiz coisas e já tive oportunidades incríveis precisamente porque tento cenas. Isso sempre me abriu portas, fez-me conhecer pessoas novas, fez-me viver e trabalhar em imensos sítios e empresas (mais de 15 ao longo da minha "carreira") o que me profissionalmente dá um perfil muito híbrido e pessoalmente me dá a sensação que costumo estar no sítio certo à hora certa. Esta citação marcou-me porque nunca tinha num livro, escrito por um autor reconhecido, o meu comportamento. Que sempre tive sem lhe dar demasiada importância. Mas que, reconheço agora, fez toda a diferença na minha vida e em quem me tornei - quem eu sou hoje.

 

a pergunta: 

Como teria sido a minha vida sem esta componente de tentar cenas que sempre fiz de forma "inconsciente" - quem seria eu hoje?

 

*

#LERePENSARcom é uma rubrica #filocri que pretende divulgar leituras, leitores, reflexões e perguntas. pretende-se também ampliar o entendimento de leitura: podemos ler e pensar com livros (literatura,  filosofia, ciência, álbuns ilustrados...), com documentários, com imagens ou com jogos e até com séries. procura-se aquilo que nos faz pensar, pratica-se o voltar a pensar e termina-se (se bem que o fim é um começo) com uma pergunta. 

gostaria de participar nesta rubrica? basta preencher este formulário