Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / cafés filosóficos / educação / filosofia da educação / #filocri

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / cafés filosóficos / educação / filosofia da educação / #filocri

estóico todos os dias

- 10 minutos de estoicismo por dia, não sabe o bem que lhe fazia!

joana rita sousa, 30.01.22

 

MCW-BwDn.jpg

conheço o Ryan Holiday no seu podcast Daily Stoic e já tinha percebido que tinha livros publicados. fiquei por isso muito contente com este presente da Editora Lua de Papel que me chegou a casa há alguns dias.
ficou ali em cima da mesa à espera de um café com calma para o conhecer. 
 
"Estóico todos os dias" é um excelente livro de entrada para quem não conhece os estóicos (Marco Aurélio, Epicteto, Séneca), pois tem uma estrutura temática e um pensamento para cada dia do ano. é um bom livro para ter na mesa de cabeceira e ler ao acordar ou para ter na mesa do escritório e acompanhar a pausa e o café. 
 
para quem já leu os estóicos, como eu, também se apresenta como um trampolim para exercitar a reflexão. 
 
o meu amigo e professor Jose Barrientos Rastrojo recomenda este exercício de reflexão a partir dos estóicos no projecto BOECIO: partir de um pensamento dos estóicos e escrever algumas linhas a partir daí. 
 
hoje, 30 de janeiro, o pensamento é dedicado à clareza. além de ler a citação de Epicteto e a reflexão de Ryan, já tenho o post it pronto para registar a minha própria reflexão.  

oficinas de perguntas na malaposta

joana rita sousa, 30.01.22

272934807_10224596831720551_167017872373965990_n.j

 

fui chamar as pessoas participantes da oficina e vejo uma cara conhecida:
(eu) espera lá, de onde é que eu te conheço?
(pessoa de 8 anos) do computador!
(eu) e tu conheces-me de onde?
(pessoa de 8 anos) do computador!
(eu) uau, tu existes mesmo! e tens assim pernas e um corpo todo 😁
 
 
🤖 na oficina filosofámos a partir de uma das propostas wonder ponder, da caixa "I, person". 
 
 
✌ muito bom ver que as famílias ficam cativadas com as oficinas online, continuam a fazer parte e também aparecem nas presenciais. a vida é todo um ONLIFE 💥
 
 
regresso à Malaposta no último fim-de-semana de fevereiro e já há inscrições abertas AQUI para as oficinas de perguntas para famílias. 

conversas nem sempre fáceis

- mas há livros que dão uma ajuda!

joana rita sousa, 28.01.22

 

9am_mZJg.jpg

nota: esta conversa aconteceu entre mãe (m)  e filha (f). a mãe tem 30 e poucos anos, a filha tem dez anos e frequenta o 4.º ano do 1.º ciclo. os nomes são fictícios. 

 

f -"sabes, mãe, a julieta da minha turma diz que quando for mais crescida quer fazer uma operação e mudar de sexo. vai chamar-se joaquim."

m -"ah sim, filha? e como é que tu sabes disso?"

f -"foi ela que nos contou."

m - "que bom que ela se sente à vontade para falar convosco lá na escola sobre isso, não é? olha e tu? tu sentes-te bem a ser rapariga ou queres mudar?"

f - "mãe, eu gosto de ser rapariga, mas gosto mesmo de brincar mais com os rapazes. não quero mudar. mas olha aqui uma coisa, mãe. a julieta tem um namorado rapaz. se ela mudar de sexo, então passa a ser homossexual."

 

nem sempre estas conversas são fáceis, seja na escola ou em casa.

nem sempre sabemos bem como reagir, o que responder ou até o que perguntar.

para ajudar, procurei nas estantes cá de casa alguns livros que podem ser trampolins para conversas sobre o tema da sexualidade e da identidade de género.

aceito sugestões de outros livros ou recursos na caixa de comentários. 

 

o Jaime é uma sereia e o Jaime no casamento 

Jessica Love é a autora destes dois livros sobre o Jaime que tem uma avó super especial.  

a ilustração é deliciosa e ternurenta e nas páginas onde não há textos as pessoas leitoras (crianças ou adultas) podem aproveitar para conversar sobre os meninos que querem ser sereias [o Jaime é uma sereia] ou sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo [o Jaime no casamento]. a edição destes livros está a cargo da fábula. 

 

os vestidos do Tiago

No armário alentejano ao fundo do corredor, estão guardados, dobrados, pendurados, os vestidos do Tiago.

a autora Joana Estrela presenteia-nos com um livro pequenino em tamanho e gigante em ternura e colorido. o livro os vestidos do Tiago  está à venda na livraria aberta (que fica na rua do paraíso, não é incrível?).

 

o livro do Pedro 

Estes são os meus pais: o Pedro e o Paulo. Fui viver para casa deles quando era muito pequenina. Não me lembro, mas contaram-me. Eu tinha 7 anos quando o Pedro ficou sem emprego durante um ano e durante esse ano fez muitos desenhos. 

Manuela Bacelar escreveu e ilustrou este livro editado pelas edições afrontamento em 2008. foi a Júlia Martins (da equipa PNL2027) que me apresentou a história da Maria dos 7 aos 8 anos. ficou curioso/a? toca a visitar a biblioteca da sua zona para conhecer este livro.

 

heartstopper (vols. 1, 2 e 3)

conheci estes livros de Alice Oseman na apresentação do mais recente catálogo PNL2027. heartstopper está publicado em Portugal pela Cultura Editora e fala de amor, de paixão, de dúvidas, de brigas, de estudo (e da falta de vontade para estudar) e também de homossexualidade. 

 

quem disse? 

Caroline Arcari escreveu e Guilherme Lira ilustrou o livro Quem disse? que me chegou às mãos através de uma partilha feita pela sexóloga Vânia Beliz. é um excelente livro para perguntar e responder aos "quem disse que é assim ou assado":

Quem disse, Andreza, que menina só se fantasia de princesa? Quem disse, Lelê, que menino não brinca de ser pai de um bebê? Nesse livro, a rima de Carol e as ilustrações de Gui conseguiram se encontrar, trazendo novas possibilidades de brincar, ser e sonhar. 

 

por quem me apaixonarei?

comprei este título há muitos anos num arraial pride em lisboa. o livro é assinado por Wieland Pena e Roberto Maján e a edição é da responsabilidade da eraseunavez e ILGA Portugal

Não podes escolher a pessoa por quem te vais apaixonar. Pode ser um menino ou uma menina, pode ter cabelo louro ou moreno, pode gostar de ler ou jogar. 

 

um dia na vida de Marlon Bundo

o coelho Marlon, a quem a família chama de CEU conhece um coelho muito especial, o Xavier. saltitaram muito juntos e apaixonaram-se. porém, o Percevejo Fedorento não aprovava aquela relação tão especial. na minha opinião, as pessoas que não se opõem a que dois coelhos como o Marlon e o Xavier se casem e saltitem juntos para sempre podem mesmo ser chamadas de qualquer coisa Fedorentas. 

a edição do livro está a cargo da Cultura Editora

 

0FWwGkjs.jpg

 

o que é um homem sexual? 

a editora eterogémeas é uma caixinha de boas surpresas. este livro, o que é um homem sexual?,  assinado por  Ilda Taborda e o Gémeo Luís, com contributos de várias pessoas como Ana Tato, Júlio Machado Vaz, Teresa Lapa. 

Este livro, editado com o Colégio Primeiros Passos no Porto, é para ler nas entrelinhas, para oferecer as primeiras palavras a uma conversa, para descongelar o medo de falar disto e daquilo, para ser lido em família, à lareira, no jardim, ao adormecer, pelos maiores e pelos mais pequenos, para brincar e aprender a ler outros livros, é uma pequena quantidade de matéria-prima para uma primeira conversa e para todas as que se seguirem. Não é um manual mas pode estar sempre à mão, é para oferecer tempo, se ele for escasso para conversar.

além de ser um livro bonito por dentro, é um livro bonito por fora. a boniteza está nas cores da capa, das guardas, das ilustrações, bem como nas perguntas e respostas que por lá encontramos, página após página.  

 

*

 

outros livros que a Luísa me recomendou, mas que não tenho nas minhas estantes: Oliver Button é uma menina, Menino Menina, A história da Júlia, Matias Mondragão e o Vestido Tangerina e el niño perfecto

 

 

 

venha fazer parte do #ClubeDePerguntas

joana rita sousa, 28.01.22

4.png

"mas para que serve um #ClubeDePerguntas?"

- de forma muito simples respondo que o Clube serve para perguntar. "ora, mas isso eu já faço todos os dias." - não tenho dúvidas e essas perguntas de todos os dias são muito válidas, porém nem sempre prestamos atenção às mesmas. no #ClubeDePerguntas treinamos a atenção às perguntas que já fazemos e perguntamos novas perguntas a partir dessas. também inventamos perguntas novas a partir das coisas de todos os dias.

os desafios do #ClubeDePerguntas permitem uma prática consistente do perguntar, tornando os seus membros em pessoas que comunicam com mais clareza. através do Clube são apreendidas ferramentas que permitem um entendimento mais profundo do mundo que nos rodeia. 

*

 

📌 como acontece o #ClubeDePerguntas?


ao tornar-se num membro do #ClubeDePerguntas receberá no início do mês um desafio para praticar o perguntar. esse desafio dar-lhe-á oportunidade de colocar em prática o pensamento crítico e o pensamento criativo.

📌 na última semana do mês é agendado um encontro via zoom para partilha do exercício entre os membros do Clube. em fevereiro reunimos no dia 24, quinta-feira às 21h.

📌 há lugar ao pagamento de subscrição mensal. saiba mais neste formulário

 

vamos falar sobre fins e começos

joana rita sousa, 24.01.22

1.png

Home Talk (Diálogos em Casa) consiste num conjunto de actividades para parar e dialogar, em família ou na escola.
apresentamos propostas para pensar a partir de um tema, para as seguintes faixas etárias:
📌 3 / 5 anos,
📌 6 / 9 anos
📌 e dos 10 anos em diante
 
em inglês, espanhol e português
 
para aceder aos recursos, clique aqui

"agora ficas aí a pensar na vida"

joana rita sousa, 21.01.22

Copy of Copy of Copy of Copy of 4.º congresso.png

 

eis uma repreensão comum: a criança porta-se mal e não vai ao recreio, ficando na sala "a pensar no que fez" ou "a pensar na vida". 

hoje convido-o/a para pensar nesta frase - e note que não se trata de um castigo ou de uma repreensão, mas de um convite honesto para pensar sobre estas palavras. 

tenho dúvidas que quando a criança se porta bem haja a mesma atitude: "agora ficas aí a pensar na vida".

só temos de pensar na vida quando erramos ou fazemos algo que vai de encontro ao que esperam de nós?

pode o pensamento ser associado ao reconhecimento de uma atitude que valorizamos e que promovemos? 

podemos adoptar palavras como "agora vamos pensar sobre o jogo" ou "agora vamos pensar sobre o que lemos?" 

será que a associação do pensar a uma repreensão cria resistências por parte das crianças sempre que ouvem que vão fazer uma oficina de pensar (como as oficinas de filosofia)? 

 

e o/a leitor/a que está aí desse lado do écran: associa o pensar a um castigo ou a uma recompensa? partilhe o que pensa nos comentários ⤵️

 

 

 

 

em 2019 a revista fórum estudante visitou a oficina do Platão

joana rita sousa, 20.01.22

ka5e-q6c.jpg

 

"Aqui, nós aprendemos o que as coisas são, o que são as palavras. andamos a ver o que existe, o que é real, explicamos as palavras e as perguntas!", diz Marco, um dos alunos participantes na Oficina do Platão, experiência que já funciona há 3 anos e que estimula, a FORUM comprovou ao vivo, o poder de debate e de argumentação, bem como a tolerância.

Mariana, Catarina, Diogo, Francisco, Carlota, Laura, Rita, Sofia e Mário, todos entre os 11 e os 13 anos, frequentam esta oficina de filosofia que pretende ser “um espaço e um tempo para parar para pensar, treinar o olhar crítico, explorar possibilidades e investigar - em conjunto”. “Fazemos perguntamos, damos respostas, às vezes fazemos jogos, pensamos”, resume Mário sobre a ordem de trabalhos.

“Nas oficinas, procuramos identificar problemas, sob a forma de perguntas, para investigar em conjunto”, explica Joana Rita Sousa. Este trabalho pode partir da leitura de um texto ou de uma notícia de jornal, por situações vividas pelos participantes ou até imagens ou vídeos. A partir daí, explica a mentora desta oficina, constroem-se “condições para o diálogo, estabelecendo algumas regras, como por exemplo, para falar, pedimos a palavra”.

 

para ler na íntegra na revista Fórum Estudante

 

nota: neste artigo eu digo que "não há uma grande preocupação com respostas certas ou erradas, mas mais com as perguntas: os problemas”. parece uma afirmação contraditória com este meu posicionamento - mas não é. 

trata-se de uma frase apelativa e que convida todas as pessoas a arriscar respostas. porém, exige algum enquadramento e por isso convido à leitura deste artigo para o qual convido Alves Jana, Jose Barrientos Rastrojo e Peter Worley para a roda do diálogo. 

 

a #FilosofiaAoVivo está de volta

joana rita sousa, 19.01.22

_#FilosofiaAoVivo Primeiro Café.png

recorda-se da #FilosofiaAoVivo? as lives no instagram que também estavam disponíveis em audio no twitter? pois é, o projecto ficou na gaveta algures em abril 2021, pois precisava na altura de dar prioridade a outras tarefas. continuou na lista "To Do / To Think" e estava a precisar de um empurrão para avançar.

esse empurrão chegou pelas mãos do jornalista Lucas Rohan e do seu Primeiro Café, um projecto de jornalismo independente. 

assim, a partir de 8 de Fevereiro há #FilosofiaAoVivo n' O Primeiro Café.

para conhecer este projecto visite o website onde encontra os links para as redes sociais (instagram e twitter). 

 

formações de curta duração - filosofia para crianças e jovens

joana rita sousa, 19.01.22

Screenshot 2022-01-19 at 19.27.09.png

durante o 1.º semestre de 2022 é possível frequentar acções de formação na área do diálogo filosófico, pensamento crítico e criativo, filosofia para/com crianças e jovens [parceria Bertrand Livreiros]:

 

Oficina (online) | A perguntar é que a gente se entende. A “arte” de fazer perguntas 

Oficina (online) | Pensar DENTRO da caixa – criatividade no dia-a-dia

Oficina (online) | Dialogar na sala de aula: transformar a sala de aula numa sala de pensar

Oficina online | O papel do diálogo criativo na formação de crianças perguntadoras

Oficina online | Ferramentas de pensamento crítico para o diálogo

 

*

 

se procura acções de formação "à medida" dos seus interesses ou da instituição de ensino onde trabalha, contacte-me através deste formulário

Pág. 1/2