Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

parar para pensar - e dizer algo sobre a filosofia #p4c

- foi este o desafio lançado a um grupo de alunos do 1º ano, do 1º ciclo, que frequenta 1h de filosofia por semana. afinal, andamos "às voltas" com a filosofia, desde meados de setembro. o que têm eles a dizer sobre aquilo que acontece por ali? 

 

"estivemos a dizer quais são os animais rápidos, fofinhos e perigosos"

"estivemos a arrumar os animais"

"estivemos a arrumar nos balões" ( = diagramas de venn)

"a chita estava no meio dos balões por que era as três coisas" 

 

14885877_10209917143577522_1613294785_n.jpg

 

este grupo fez um percurso muito próprio: começámos com o jogo de apresentação "se eu fosse um animal, seria..." +  "se eu fosse um animal, seria... por que...". daí estivemos a verificar razões iguais para animais diferentes e razões diferentes para animais iguais.

durante estes diálogos surge a ideia do I. "há animais que correm rápido, cada um à sua velocidade".

pegando nas características mais vezes indicadas para justificar a escolha de um animal: rapidez, fofinho, perigoso, partimos para a "arrumação dos animais" em três "escalas" diferentes: pouco, mais ou menos e muito.  essas três escalas foram utilizadas para as três características, de forma a pensarmos o mesmo animal, de três maneiras diferentes. 

foi um trabalho que aconteceu a passo e passo, "demorámos" várias semanas e pelo meio houve lugar ao desenhar do animal que queríamos ser. reparámos que desde o primeiro dia até àquele momento, algumas pessoas mudaram de ideias, por terem ouvido "coisas" (as tais razões) por parte dos amigos.  

da "arrumação em escala" aos diagramas de venn foi um pulinho. os círculos foram apresentados isoladamente, identificados com cores (as crianças não sabem, ainda, ler) e foi muito rápido o movimento dos alunos no sentido de interceptar os três conjuntos, de forma a arrumar a chita, esse animal que é fofinho (sobretudo quando é bebé), perigoso (pode atacar) e rápido (corre muito, muito depressa). houve lugar a tentativas, para ver como é que podíamos colocar a chita no sítio certo (do ponto de vista dos alunos, claro). a chita "tem que ficar dentro de todos e ver-se".

 

2016-09-30 17.38.46-2.jpg

pedi aos meninos para fazermos a avaliação das aulas, até agora. podiam dizer o que tinham gostado, o que não tinham gostado, o que aprenderam e o que sentiram. aqui ficam algumas ideias:

 

gostei de

a professora Joana deixar pintar 

do jogo dos animais 

quando a professora Joana ensinou as regras

do silêncio

de trabalhar no caderno da filosofia

 

não gostei de 

acordar cedo para vir para a escola 

que me incomodem na aula

 

aprendi (que)

as regras

a fazer os jogos

de trabalharmos em conjunto e que podemos melhorar

 

sinto (que)

estamos a aprender mais

os meninos portam-se muito mal

gosto de trabalhar e conjunto e ajudar quem mais precisa 

 

 

2016-11-08 17.25.24.jpg

na próxima quinta-feira celebra-se o dia mundial da filosofia. e é um grande prazer, um desafio, uma inspiração trabalhar com crianças, nos jardins de infância, nas escolas do 1º ciclo e por aí fora. trabalhar a filosofia aplicada, provocar o parar para pensar, colocar os músculos do pensamento em movimento, para sermos cidadãos "incómodos": racionais, críticos, criativos, capazes da prática do êthos e do "cuidado" para com o outro. 

 

acompanhem as minhas aventuras diárias, no país das maravilhas (do perguntar) no instagram @filocriatividade e também no twitter @filocri_p4c

 

Nick Chandley: "I think many would agree that developing critical and creative thinkers is the main aim of education, along with encouraging children to become good citizens."

I met Nick Chandley on twitter. I was at one of my classes and we were talking about a document signed by Nick. I had a doubt about one thing I read on that document. I looked down and found that Nick had a twitter profile. I send him a tweet with my question and he replied, minutes later. Since then I follow him on twitter. I challenged Nick to give me some answers and he said yes. Thank you, Nick! 

Take a look at Philosophy for Schools

*

 

"I was a teacher in a primary school but had been seconded out to a small, very creative team of teachers working across 9 schools, from a nursery to a secondary school. I went on a Level 1 course in the UK and immediately connected with it as I felt that the P4C way was the type of teacher I already was and had always wanted to be." So, how did you started working with p4c? "I took it back to my schools immediately and they all loved it too so my employers decided it would be good to have a trainer in the local area and encouraged me to attend the various courses and complete the coursework. I became a trainer in 2006 and have been incredibly lucky to have spent my time since then taking P4C into schools." 

 

Do you think p4c is necessary to children? Why? "Yes, I do. John Holt wrote over 50 years ago that the world is changing at such an incredible pace that we need to do all we can to develop our children as thinkers as we couldn’t hope to give them all the knowledge they’ll need when they try and enter the workplace. I think many would agree that developing critical and creative thinkers is the main aim of education, along with encouraging children to become good citizens. P4C, if done well, has all this and more – and the children love it!

 

And what do the children think about philosophy?

"I asked one class of 9/10 year old children why they enjoy P4C so much. They said it’s because it makes them think, so I asked why that’s important because surely, we’re thinking all the time? One girl said that it’s important she does all her thinking when she’s young as she won’t have time when she’s older. I could see why she thought that, possibly observing the adults around her, teachers included, dashing around everywhere (take a look at David McKee’s brilliant book, Not Now, Bernard). I did ask her from what age she thinks she’s going to be too busy think and she said 15!" 

In Portugal, some schools are offering #p4c to their students, as one of the many activities at AEC (in portuguese: actividades de enriquecimento curricular). "Philosophy, as well as enhancing thinking specifically and thinking generally across the curriculum, can also be seen as an ‘activity’. Children really like wrestling with big ideas, especially when we use the various tools at our disposal and I know of many popular philosophy clubs in schools. I also know of groups of schools that come together in a ‘philosothon’, a community of enquiry involving children from various schools who meet and enjoy discussing big ideas. It’s also an activity that continues outside the session and often at home as children think more about the issues raised and explore them with other people.

 

From a #p4c point of view, what makes a question a philosophical question? Nick Chandley reminds us of SAPERE's guidelines: 

SAPERE, the UK P4C charity, says that philosophical questions:

  • are open to examination, further questioning and enquiry;
  • can't be answered by appealing only to scientific investigation or sense
  • experience;
  • are questions about meaning, truth, value, knowledge and reality

And Nick says:

 "I don’t like to use the term ‘questions where there’s no right or wrong answer’ as this could lead children to think it doesn’t really matter what you say. Of course, we’re all entitled to our own opinion but we should be encouraging children, and people generally, to examine whether what they think is based on sound reason. I like to think of philosophical questions as ones that we enjoy engaging with and which encourage us to reflect on our own experiences. In fact, the best philosophical questions, I feel, are ones where it’s difficult to avoid engaging with them. Philip Cam, in his book ’20 Thinking Tools’, introduces us to the question quadrant, a nice tool for helping children distinguish the various types of questions and to develop discussion plans. All too often, children in school are faced with what he would categorise as ‘left side’ questions, those that have an undisputable right answer. Whilst good teachers will always engage children in the wider issues, P4C gives us a methodology and a structure to develop this across the whole school."

 

When asked about the biggest challenge that  #p4c faces, nowadays, Nick anwers: "In these days of data-driven education, one challenge is that the impact of P4C is often difficult to quantify in the terms that the policy-makers demand. There are studies that show its effect but unfortunately, until these effects are statistically measurable in core subjects such as English and maths, P4C is likely to remain a marginal subject. Recent research has linked P4C with improved attainment in English and maths, with results so interesting that the EEF has recently announced another, much larger study of up to 200 primary schools, so we will await the outcome of that project. In the meantime, however, the UK has many, many headteachers that see the benefits and invest both money and curriculum time to embed it in their school."

 

Can you give the teachers and the parents some kid of advice to help them deal with the children’s questions? "Simply be interested in and listen to the children and help them explore their ideas through the use of Socratic questioning – asking for clarification, examples, reasons, similarities & differences, alternative viewpoints, connections, questions etc. People on my courses must get fed up of me saying that the children are the teacher’s best resource but it was John Dewey that said, in My Pedagogic Creed, ‘The child's own instincts and powers furnish the material and give the starting point for all education’.

 

Did the children ever surprised you with a question? Can you share that question with us? "I work regularly with the BBC and one of their producers, Katy Hall, came to observe a session with some 7/8 year-old children, a group I’d been working with for a number of years, as research for a new programme they were making. I did no preparation and didn’t bring anything for the children to think about – no story, picture, video etc, I just simply asked them what they’d really like to talk about. One boy said we should talk about ‘life’ so I asked them what specifically about life they’d like to talk about. They thought about it for a minute or two and decided they’d like to discuss ‘why is life so unfair for normal people?’. A great question and some very sparky discussion followed but I was so proud that the children were so mature and thoughtful. We should never underestimate children’s ability to think but we should give them time to do so."

 

unnamed.jpg

 

para comemorar o dia mundial da filosofia...

18832911_eP7il.jpeg

 

 

 ...vou oferecer um #filopenpal nos próximos dias!

o que é o filopenpal? bom, é um projecto que leva a filosofia à vossa caixa do correio. são cartas, escritas "à maneira antiga" e que levam desafios filosóficos a miúdos e graúdos.

 

podem saber mais AQUI ou AQUI ou ainda AQUI.

 

nas redes sociais pesquisem por #filopenpal

 

fiquem atentos ao blog! 

continuamos a dedicar o mês de Novembro...

...à celebração do dia mundial da filosofia! 

 

oficinas de perguntas.jpg

 

 

"This year’s World Philosophy Day will be celebrated on 17 November 2016, with special events taking place from 16 to 18 November at UNESCO Headquarters in Paris.

Organized by UNESCO’s Management of Social Transformations (MOST) Programme, World Philosophy Day is a collaborative initiative towards building inclusive societies, tolerance and peace.

This year’s programme falls in line with the International Day for Tolerance celebrated on 16 November 2016. In this context, events for World Philosophy Day will highlight the need for new philosophy practices in today’s world, encourage dialogue on the connections with tolerance and explore new ways to increase accessibility of philosophical teaching and learning.

Key events throughout the 3-day celebration include:
• 15th International Encounters on New Philosophical Practices (16-17 November)
• Roundtable on Tolerance (17 November)
• Launch of the UNESCO Chair on the Practice of Philosophy with Children (18 November)
• Roundtable on Teaching Aristotle (18 November)
• A Night of Philosophy (18-19 November)

In establishing World Philosophy Day in 2005, UNESCO’s General Conference highlighted the importance of this discipline, especially for young people, underlining that “philosophy is a discipline that encourages critical and independent thought and is capable of working towards a better understanding of the world and promoting tolerance and peace”. 

By celebrating World Philosophy Day each year, on the third Thursday of November, UNESCO underlines the enduring value of philosophy for the development of human thought, for each culture and for each individual."

 

fonte: UNESCO 

 

filosofar na Nazaré, com miúdos e graúdos

 

"e se viesses filosofar à Nazaré?" - o desafio foi lançado pela mãe do M. e da M., com quem já troquei algumas cartas com filosofia

claro que disse que SIM. a Dina, do espaço Beyond Academy aceitou o desafio de acolher a filosofia na oferta de actividades e eis que no sábado passado aconteceram as primeiras oficinas de perguntas! 

 

 

14607168_207766032997258_2539578999227547648_n.jpg

 

os mais velhos (11-14 anos)  filosofaram à volta de uma pergunta, cujas respostas foram sujeitas à crítica dos presentes. "foi bom parar para vermos melhor as coisas", disse a M. nem sempre temos tempo para nos demorarmos tanto tempo numa pergunta, num "problema". e para imaginar como seriam as coisas se escolhessemos outras coisas. 

 

15035036_1449387295089941_5799627075753082880_n.jp

na mochila levei ainda desafios para os mais novos (4-6 anos). um grupo participativo, cheio de energia pela manhã (YEAH) e que filosofou à volta da pergunta "o que é uma pessoa?". confesso que este é um dos meus jogos preferidos, por suscitar diálogos muito interessantes e diferentes, consoante os grupos e as idades.

 

15046767_1806497896258595_3863031888264298496_n-1.

 

no grupo dos 7-10 anos tivemos a presença de "graúdos". o desafio? "o que é uma pergunta?". e foi verdadeiramente desafiante, com "perguntas" a darem muito o que pensar.

fica aqui o feedback de uma das mães que participou: 

"Actividade 5 estrelas.
Gostaram eles e gostei eu. 
Foi uma experiência ainda mais interessante por poder interagir com a minha filha de igual para igual."

15048192_191330981273139_3803566064596418560_n.jpg

 

foi uma manhã com interrogações, mudanças de ideias, respostas, desafios, de prática do exercício crítico entre verdadeiros amigos da filosofia. 

 

prometemos voltar em breve, pois "soube a pouco"  e há muitas mais perguntas para investigar!

 

ah! e foi SUPER FIXE conhecer, ao vivo e a cores, o M. e a M. a verdade é que sentíamos que já nos conhecíamos há imeeeeeenso tempo! obrigada à mãe, pela curiosidade e persistência nestas "coisas da filosofia"!

 

até já, Nazaré!

 

oficinas de perguntas - filosofia para crianças e jovens

14333701_1195037097233647_4934520269095324035_n.jp

 

no próximo sábado, 12 de novembro, vamos estar na Beyond Academy, na Nazaré, para filosofar com miúdos e graúdos 

 

informações e inscrições: geral@beyondacademy.pt / 967108998 - Beyond Academy - Nazaré 

Horários: 
10h - 10h50 - crianças 4/6 *
11h - 11h50 - crianças 7/10 *
12h - 12h50 - jovens entre os 11 e os 14 anos

* os pais, tios, avós, irmãos mais velhos... também se podem juntar a nós!
 
 
venham comemorar o dia mundial da filosofia! 

 

continuamos a fazer a filosofia acontecer...

thumb_IMG_3973_1024.jpg

 ...com crianças de 4 e 5 anos, os verdadeiros artistas e super-heróis que andam às voltas com os "porquês", as "perguntas" e os critérios.

as provocações para pensar são os nossos amigos animais: com os artistas, andamos à procura das razões para ter ou não animais em casa. há várias: "o pai não deixa ter animais, por que depois vai sujar tudo", "os pássaros ficam na rua para voar mais" ou "as cobras podem morder, não podemos ter em casa". 

já com os super-heróis começámos a trabalhar a pergunta "como é sentir como um morcego?" e daí começámos a trabalhar semelhanças e diferenças. escolhemos critérios e andamos a fazer conjuntos com morcegos, pássaros, ratos e o Batman. 

descobrimos que o Batman, na verdade, queria muito ser um morcego. e que os morcegos são "noctívagos" (foi a L. que disse!) por que fazem as coisas da vida deles à noite e dormem de dia! já os pássaros, esses, vivem ao contrário dos morcegos.

 

no final, a avaliação por parte das crianças:

"gostei de pensar"

"gostei de falar"

"gostei de ver o morcego"

"gostei de ver o rato"

"não gostei de não tirar a carta"

 

thumb_IMG_3983_1024.jpg

 

com os mais velhos (1º ano, 1º ciclo)  estamos à procura de ideias e/ou de perguntas para trabalhar na filosofia. não está fácil. parece que quando não pedimos perguntas, elas aparecem todas. quando procuramos pensar nelas... fogem! 

2016-11-09 17.22.35.jpg

 

voltamos a filosofar em Benfica, no dia 27 de novembro

14568162_1233622806708409_9221686715277613968_n.jp

 

14570358_1233622736708416_7644305593251496756_n.jp

 

27 de Novembro (domingo)

Oficinas de filosofia para crianças e jovens (entre os 4 e os 14 anos) 

10h - 10h50 - jovens entre os 11 e os 14 anos
11h - 11h50 - crianças 7/10 *
12h - 12h50 - crianças 4/6 * 

* os pais, tios, avós, irmãos mais velhos... também se podem juntar a nós!


Facilitadora:
Joana Rita Sousa | filocriatiVIDAde 

Local:
GROW UP
(Benfica)

Inscrição: *
8,50 eur / criança
12,50 eur / criança + acompanhante
16,00 eur 2 irmãos + acompanhante



Pf enviar e-mail para info@joanarita.eu com os seguintes dados: 

- nome da criança e data de nascimento; 
- contacto telefónico do pai/mãe/avó (...).

A inscrição é válida após recepção de e-mail de confirmação.

Todos os participantes deverão levar consigo meias anti derrapantes: vamos sentar-nos no chão, em almofadas. 


* valor sujeito a IVA, à taxa legal em vigor

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

@ creative mornings lx

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D