Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

FILOSOFIA e PSICOLOGIA Habilitação Profissional para a docência nos domínios não abrangidos pelo Decreto-Lei nº 43/2007

joana rita sousa, 31.07.10
Leia-se esta mensagem do Professor Manuel Curado, recebida via Lekton.


« Li com preocupação o projecto de portaria que segue em anexo. Aparece aí pela primeira vez a figura do Professor de Psicologia, Sociologia e Antropologia. Lembro que esta figura afecta directamente *a presença da Filosofia no ensino secundário* porque têm sido os professores de Filosofia a leccionar a Psicologia. Esta nova proposta será um duro golpe para a Filosofia no ensino secundário português.

A junção de créditos nas áreas de Psicologia, Sociologia e Antropologia também me parece preocupante por várias razões. Em primeiro lugar, estamos perante um desrespeito para com a história da própria Psicologia. A Psicologia tem historicamente pouco a ver com a Sociologia e a Antropologia; a sua filiação é claramente filosófica desde o seu início (com William James, Wundt e muitos outros). Em segundo lugar, não se vê como é que um estudante poderá obter o número de créditos exigidos nas três áreas, sabendo que pertencem a cursos diferentes e, em Portugal, a cursos que são leccionados em escolas diferentes. A proposta de créditos nas três áreas implicaria um percurso escolar anómalo para qualquer estudante que deseje vir a ser professor de Psicologia no secundário (150 créditos no conjunto das três áreas e nenhuma com menos de 40); isto implicaria que um estudante que esteja a fazer uma licenciatura numa dessas áreas teria ainda que fazer 80 créditos das outras duas, o que é uma violência.»

Deixo-vos com a sugestão do Professor Manuel Curado:

«Proponho que se faça a recomendação para que esta proposta de portaria seja alterada. Como me parece difícil deter mais esta manifestação da autonomia da Psicologia, uma área científica que todos estimamos pela sua criatividade  e impacto, penso que será importante lutar por estes aspectos:

- manter a Filosofia como formação principal do futuro professor de Psicologia no ensino secundário;

- acrescentar à formação filosófica num determinado número de créditos na área da Psicologia, créditos que poderiam ser obtidos por livre escolha de entre as disciplinas dos cursos de Psicologia ou em pós-graduações comuns de Filosofia e de Psicologia (120 créditos em Filosofia e 40 em Psicologia).»