Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

café filosófico: 24 de março, em Setúbal

há perguntas proibidas?

 

o simpático espaço Casa d'Avenida acolhe pela segunda vez um Café Filosófico. a convite da Maria João Frade irei estar em Setúbal para moderar um Café Filosófico cujo mote é "Há perguntas proibidas?".

53671903_2408806602471844_4935171410290016256_n.jp

 

o que são os cafés filosóficos?

 

os Cafés Filosóficos são uma forma de levar a filosofia às pessoas e as pessoas à filosofia - e é aqui que cito o meu amigo Tomás Magalhães Carneiro que tem realizado eventos como este na zona do Porto:

"Os Cafés Filosóficos procuram proporcionar uma pequena pausa para pensar discutir educadamente temas do universo filosófico recorrendo às competências e atitudes cultivadas na filosofia académica e pondo-as à disposição dos participantes que, dessa forma, são convidados a melhorar a forma como pensam e articulam os seus raciocínios com a ajuda do grupo e, por vezes, do moderador."

 

quem pode participar num café filosófico?

 

não é necessário qualquer tipo de conhecimento filosófico para participar: basta estar disponível para parar para pensar, para exercitar os músculos do pensamento crítico, do pensamento criativo e também do pensamento colaborativo. aqui, o pensar acontece em grupo, em colaboração: eu trabalho com as ideias que os outros me dão e vice-versa. o diálogo acontece num vai e vem de análise, de crítica, de síntese e de boa disposição - é que isto de pensar, meus amigos, é divertido. 

 

 

quando acontece o próximo café filosófico? 

 

temos encontro marcado para o dia 24 de março, em Setúbal, às 18h30.

 

 

"joana, tenho uma pergunta que é um bocadinho difícil" - filosofia no jardim de infância

tumblr_pnytonaKo21qhzqx6o1_500.jpg

 

[sala dos 3/4 anos]

 

nem sempre o que planeamos para a oficina de filosofia acontece durante a mesma. o motivo? dou prioridade aos interesses do grupo, às suas perguntas, às situações que apontam e que podem vir a ser tratadas filosoficamente. nada como praticar o "vamos ver onde é que isto nos leva". 

na semana passada, na sala dos 3/4 anos e entre alguma agitação típica das crianças que tinham vivido dias agitados e carnavalescos, eis que surgiu um dedo no ar acompanhado de uma cara muito interrogativa. o A. disse:

"tenho uma pergunta".

ah sim? então conta lá.

"e se calhar é uma pergunta um bocadinho difícil. porque é que isto  se chama filosofia?"

e por que é que achas que a pergunta é difícil?

"joana, acho que vai ser difícil para tu responderes"

 

e antes mesmo de abrir a provocação ao grupo, o pequeno A. fez uma viagem no tempo às primeiras oficinas de sempre e contou o que tínhamos feito no primeiro dia. o que fizemos depois disso e como chegámos até aqui. com a minha ajuda e de outros amigos, fizemos o percurso até chegar aqui, como se estivessemos a contar uma história. 

 

falámos de perguntas e de dizer coisas: e assim começámos a investigar a diferença entre perguntar e dizer uma coisa. 

 

tumblr_pnytn7RyfE1qhzqx6o1_500.jpg

 

[sala dos 4/5 anos]

 

quando entrei na sala do reino da fantasia já a criançada estava sentada em círculo, à minha espera. resolvi abandonar o que tinha pensado trabalhar, pois lembrei-me de pedir ajuda  a este grupo para investigar a pergunta do A. 

eis algumas razões para "isto" se chamar filosofia:

tu [ou seja, eu] fazes muitas perguntas

ajudas a pensar [referindo-se a mim]

nós também fazemos perguntas

nós aprendemos coisas 

tu escreves o que nós dizemos e depois podemos ver o que aprendemos contigo

 

depois de avançarmos no diálogo, no sentido de explorar as perguntas e o perguntar, ficámos com esta investigação para dar continuidade:

"há alguma coisa de especial nas perguntas da filosofia?"

 

para acompanhar o trabalho no jardim de infância 2018/2019:

oficina #1

oficina #2

oficina #3

oficina #4

oficina #5

oficina #6 

oficina #7

oficina #8

oficina #9

 

 

 

 

 

100 ideias para professores do primeiro ciclo: questionamento

52590225_2544182992319044_259877308460957696_n.jpg

o questionamento em sala de aula é algo que poderá ser praticado sem que haja propriamente um filósofo em sala. para tal, o professor tem de se preparar e ir além da atitude pergunta-resposta, tão comum no ensino, há tantos anos.

 

o livro de Peter Worley é uma ferramenta útil para quem quer abrir as portas da sua sala à atitude de perguntar, de procura de alternativas, de exploração de hipóteses e de (Ta-DA!) respostas inesperadas.

 

muitos dos diálogos que acontecem nas oficinas de filosofia são aporéticos. são verdadeiros caminhos sem saída, tal como acontecia nos diálogos platónicos, que nos relatam a vida de Sócrates. para poder agir como os motores desse diálogo, os facilitadores devem reconciliar-se com essa aporia, com a possibilidade de não chegar a UMA conclusão definitiva. é uma situação de desconforto, pois os alunos têm o professor como alguém que diz a resposta certa, que a valida; e os professores praticam essa mesma expectativa, pois foi para isso que foram treinados, enquanto professores.

 

100 ideas for primary teachers - questioning está publicado na bollomsbury.

 

Sandra Fonseca e Elsa Alves: "A Fpc (...) permite (...) o confronto com a diferença, a descoberta da riqueza da pluralidade (...)"

Conheci a Sandra e a Elsa através da Pós-Graduação da Universidade dos Açores. Trabalham na Escola Portugueesa de Macau (EPM), onde dinamizam oficinas de filosofia junto das crianças e adolescentes. 

sandra_elsa

Para acompanhar o seu trabalho, podem visitar a página de facebook do Clube de Filosofia da EPM

 

 

Lembram-se da primeira vez que ouviste falar de filosofia para crianças?

Sandra: Sim, lembro-me como se fosse hoje. Ouvi falar pela primeira vez de Fpc em 2007, quando terminei o curso de Filosofia. Na época a área ainda era pouco conhecida e poucas escolas sabiam da sua existência. Fiquei muito curiosa, tentei saber mais sobre os seus percursores e fundamentos e achei que seria um desafio para o futuro.

Elsa: A primeira vez que ouvi falar de FpC foi através da Sandra, que já dinamizava um Clube de Filosofia juntamente com um dos nossos colegas. Interessei-me pelo projeto, pois as ferramentas de pensamento que desenvolviam eram precisamente aquelas que faltavam na generalidade dos alunos. A partir daí foi um caminho em conjunto: fizemos a Pós-Graduação em 2014/15 e, nesse mesmo ano, iniciámos a prática regular e alargada de FpC na Escola Portuguesa...até hoje!

 

Como é que começaram a trabalhar nesta área?

O Projeto de Fpc foi está implementado na Escola Portuguesa de Macau desde o início do ano letivo de 2013/2014. O Projeto foi muito bem recebido no seio da comunidade escolar, quer pelos professores, encarregados de educação, quer pelos alunos. A adesão tem sido muito significativa, temos crescido e trabalhamos com turmas do 1º ao 9º ano. Já se realizaram várias atividades bastante enriquecedoras, que revelam que os objetivos traçados para o Projeto estão a ser cumpridos.

 

Consideram que a fpc é necessária para as crianças? Porquê?

Sim, defendemos a ideia de que a Fpc é muito necessária e deve ser iniciada o mais cedo possível. A atividade do filosofar ajuda a manter vivas nas crianças e jovens a curiosidade, a disposição para investigação em conjunto e permite o desenvolvimento competências de raciocínio, comunicação, socialização e desenvolvimento do espírito crítico.  Através do diálogo entre alunos, da realização de debates e de trabalhos em conjunto, a Fpc procura fomentar nos alunos a sua curiosidade natural, a capacidade de verbalizar aquilo que pensam, a sua cooperação na resolução de problemas, a respeitar a diferença sob a égide de valores morais e éticos humanos fundamentais para a felicidade, responsabilidade e liberdade individual e coletiva.

O acompanhamento deste projeto tem permitido observar que o contexto  multicultural da Escola Portuguesa de Macau tem atuado como um estímulo ao desenvolvimento da linguagem, pois os participantes necessitam de enunciar, exemplificar, clarificar, definir, justificar aquilo que consideram significativo. Numa escola com estas características, a procura de significado em comunidade de investigação filosófica estimula, também, a construção do pensamento criativo através de analogias e o desenvolvimento da (contra)exemplificação. A prática do diálogo, da descoberta de conexões entre conceitos e da sua verificação através de critérios lógicos tem encorajado o desenvolvimento do pensamento crítico e reflexivo.

 

Hoje em dia as crianças, em Portugal, têm muitas actividades na escola e depois da escola. Por que havemos de levar a filosofia para as escolas?

Pelas razões mencionadas acima.  

A Fpc é um espaço que permite às crianças e jovens o confronto com a diferença, a descoberta da riqueza da pluralidade, a aprendizagem de como lidar com a conflitualidade e de como fazer escolhas responsáveis e consequentes no exercício da liberdade individual.

 

O que faz com que uma pergunta seja uma questão filosófica – do ponto de vista da fpc?

Uma pergunta que nasça do espanto, aberta à reflexão, que permita o diálogo, a investigação e a descoberta em conjunto.

 

Quais são os maiores desafios que a Fpc enfrenta, nos nossos dias?

Estimular a curiosidade, o diálogo dentro e fora das salas de aula e combater a conformidade, o desinteresse e a ideia de que a Filosofia não tem utilidade.

 

Podem dar alguns conselhos aos professores e aos pais para os ajudar a lidar com as perguntas das crianças?  

Os conselhos que damos são nunca ignorar uma pergunta de uma criança, saber ouvi-la com muita atenção, dar espaço ao diálogo, quer em casa quer fora de casa e fomentar o espanto, a curiosidade e o diálogo na criança.

 

Alguma vez foram surpreendidas com uma pergunta de uma criança? Podem partilhar connosco que pergunta foi essa?

Sempre que participamos em sessões de filosofia para crianças surgem perguntas que nos surpreendem, seja pela profundidade que revelam, seja por quem as coloca, seja ainda pela forma como estimulam o diálogo. Estes são alguns exemplos:

- O que é que as pessoas pensam do mundo?

- Será que sonhar é pensar?

- Há regras para pensar?

- Justiça quer dizer igualdade?

- O que significa admiração?

- Qual a relação entre a raça humana e o egoísmo?

- A minha sabedoria é o teu orgulho?

- Porque temos medo de coisas de que os outros não têm?

Mas também há analogias admiráveis:

- Se eu fosse um livro, seria sempre um livro incompleto, porque começamos sempre com ideias diferentes daquelas com que terminamos.

- Se não houvesse liberdade, eras como um puzzle diferente dos outros: faltava-te a peça mais importante.

 

12241531_885483071520160_7121407005428012977_n.jpg

 

filosofia no jardim de infância: "eu tenho a mesma ideia da i., mas eu não quero concordar com ela"

tumblr_pn86wmLjco1qhzqx6o1_500-1.jpg

 

[joana] preciso da vossa ajuda para me lembrar do que fizemos da última vez que estive aqui...
[a.] oh joana, tu dizes isso só para a gente aprender!
[joana] humm? podes explicar?
[a.] tu sabes o que fizemos da última vez, mas fazes essa pergunta do lembrar só para a gente aprender as coisas. tu lembras-te, eu vejo pela tua cara!

- jardim de infância, sala dos 3 / 4 anos

 

52020588_2547090355361641_2693850079856427008_n.jp

 

já na sala dos 4/5 anos o diálogo foi outro, ainda em torno do jogo "o que é uma pessoa?".  sim, demoramos algum tempo nos trabalhos da filosofia pois não temos pressa. além disso, há várias coisas que precisamos observar, com atenção, por exemplo:

quando alguém afirma X e depois Y: o que significa isso? que mudou de ideias? ou que está confuso?

quais as consequências de escolher entre o SIM e o NÃO?

o que significa concordar com alguém? ou não concordar?

 

a propósito do concordar / não concordar, aqui fica um bocadinho do nosso diálogo:

[joana] a i. diz que a fotografia do félix deve ser arrumada no "não é uma pessoa" e tu?

[o.] eu também acho que está bem arrumada.

[joana] e a razão da i. para arrumar no "não é uma pessoa" é que o félix não fala a língua das pessoas. tens uma razão diferente?

[o.]  o félix fala cadelês e não fala a língua das pessoas.

[joana] então concordas com a i.?

[o.] não.

[joana] humm, se tu arrumavas o félix no mesmo sítio e dizes que a razão é igual à da i...

[o.] é assim: eu tenho a mesma ideia da i., mas eu não quero concordar com ela...

 

 e este foi o mote para trabalharmos o concordar / não concordar e o papel da vontade neste raciocínio...

 

para acompanhar o trabalho no jardim de infância 2018/2019:

oficina #1

oficina #2

oficina #3

oficina #4

oficina #5

oficina #6 

oficina #7

oficina #8

 

 

David Whitney: "(...) I don’t think philosophy is an ‘optional extra’ for a school’s curriculum.  How can learning how to think be optional?" 

David Whitney is a full-time primary school teacher and SMSC leader from Warwickshire in England. He has led bespoke philosophy for children programmes across a federation of schools and is the creator and writer of Delphi Philosophy, an interactive storytelling approach to philosophy for children.

I met David on Twitter and decided to contact him so he can answer my questions.

Thank you, Dave!

 

website002 (2).jpg

 

 

Can you recall the first time you heard about philosophy for children (p4c)?

I first came across philosophy for children when I was researching at university.  I was researching the idea of childhood innocence and trying to find examples of children showing abstract thinking at a young age.  I immediately loved the sound of it – and it debunked the myth that children aren’t capable of complex or abstract reasoning.  I didn’t see it in practise until I tried it for myself many years later.

 

How did you start working with p4c?

It was in my first year of teaching when I started to look into it – the children at my school have extraordinary passion and curiosity for their learning and I just thought they’d love it.  Then I read a book which made it all possible – The If Machine by Peter Worley.  I put the enquiries in that book into a scheme of work and built in some skill development, and away we went.  The impact of that first scheme was amazing.  I taught an enquiry called The Chair in the first lesson and the children were astonished.  They had just never had a lesson like it.  They were literally still talking about that lesson two years later!

 

Do you think p4c is necessary to children? Why?

Absolutely.  The reason is simply because children try to do it anyway.  On the one hand, much of the school curriculum includes skills which are developed by doing philosophy, but are never explicitly taught.  Children need the ability to give reasons, think of examples or change their mind, to give a few examples, in all their lessons – but our maths or English curriculum rarely gives them time to develop these skills. On the other hand, children are also natural philosophers.  I love the line in Jostein Gaarder’s Sophie’s World, where Alberto tells Sophie that philosophers have to “regain the faculty of wonder” that they had when they were children.  When you teach children philosophy, it feels like you’re unleashing some natural inner power in them!  Philosophy has the power to really bring out potential.

 

Nowadays children ( @ Portugal) have a lot of activities at school and after school. Why should we take philosophy to schools?

It’s much the same in England – one of the toughest parts of my job has not been persuading teachers that philosophy for children is a good idea – the hard part is finding time for it.  

But I don’t think philosophy is an ‘optional extra’ for a school’s curriculum.  How can learning how to think be optional? Once school leaders and teachers realise that philosophy teaches skills which the children go on to use in all their lessons, then they see the value of it. 

We developed Delphi Philosophy with this in mind – philosophy for children can be so much more than an interesting discussion – it can really develop children’s thinking and reasoning skills in a very clear and measurable way.

 

What makes a question a philosophical question – from a p4c point of view?

One of the funniest things about teaching children philosophical questions is that they have no problems asking them – but saying the word ‘philosophical’ can be a bit of a challenge!  In Delphi Philosophy, we’ve taken to calling them ‘big questions’.  In the story of Delphi the Philosopher, Delphi gets told that a philosophical question is one that doesn’t have a right answer, but you can get better answers by thinking about it. That definition seems to work well in class. 

The best philosophical questions for class discussions are usually simple enough for anyone to access but deep enough to challenge everybody.  A four year old can tell you what “being good” means, while a professional philosopher might know a lot of possible answers, none of them ‘right’. That makes it a philosophical question.

 

What’s the biggest challenge p4c faces, nowadays?

The challenge comes from all the other competing influences on schools.  I’m a full-time teacher and the vast majority of my time is spent teaching English and maths, planning, marking and assessing.  There are so many pressures on schools in England at the moment, and anxiety about inspection or data scrutiny is deeply ingrained in the system.  The sad reality is that schools end up feeling forced to teach a narrow curriculum based on passing the tests – which of course, isn’t real learning at all. 

In my experience, philosophy sessions are a highlight for the children because they are so refreshingly different from much of the rest of the curriculum.

 

Can you give the teachers and the parents some kind of advice to help them deal with the children’s questions?

Don’t be scared of them!  And don’t be afraid to say that you don’t know, and then ask them what they think. Sometimes a scary sounding question isn’t half as scary as it first sounds!  The most important thing is the conversation, not the answer.

 

Did the children ever surprise you with a question? Can you share that question with us?

The children constantly surprise me – every single day.  Writing the Delphi stories for the children in my school has been such a delight because it’s a reciprocal process – the children’s responses to the stories help me re-write them so that Delphi shows their responses.  One early example in my career was the first time I taught the enquiry about the invisibility ring – and what they would do with it. The first class who did this enquiry with me surprised me by all agreeing they should throw the ring in the river and be rid of the responsibility of using it.  So, I had Delphi do exactly the same thing.  Having a class of children to help me develop these stories is the most extraordinary privilege.

Dalia Toonsi: "(...) we have several challenges [like] the dual hierarchal relationship between the teacher and the learner"

I met Dalia Toonsi through Roger Sutcliffe (Dialogue Works) and I later found Dalia and the project Baseera on twitter. I asked Dalia if she could collaborate with my blog and she accepted to anwer my questions.

This is Dalia's point of view on Philosophy for Children, at Saudi Arabia. 

 

DyLJOMjWsAIed7R.jpg

 

Can you recall the first time you heard about philosophy for children (p4c)?

It was in 2008 when I was doing my masters in Cardiff university UK. I was interested academically in developing moral reasoning with children and this took me in a journey where I reached philosophy for children as a mean to achieve my academic goal.

 

How did you started working with p4c?

I came back to Saudi Arabia 2010 with my level 1 certification from SAPERE, I started to gather a small group of children to do the sessions. It wasn’t easy, philosophy is not a popular topic in my country and its banned in schools so I could not call my sessions : P4C, I choose different names to call my sessions anything  from wisdom to critical thinking as long as I don’t say “philosophy”. I started by gaining trust in the community, experience and competence came consequently and now, in 2019 the country is ready to accept new ideas and philosophy is on the table again after centuries of banning

 

Do you think p4c is necessary to children? Why?

Yes I do, first of all, I saw it work with  my children, having adopted the p4c approach at home, it contributed hugely in there holistic wellbeing, I am biased but yes I think P4c is a right to every child.

 

Nowadays children ( @ Portugal) have a lot of activities at school and after school. Why should we take philosophy to schools?

I think its essential for the education systems to adopt the idea of P4c . it doesn’t just make children think, but it also adds to teaching and to the school environment in general a sense of community and meaningful growth

P4C prompts the orientation towards education revolving around the needs of the student more than the academic goals of the teacher. It improves the quality of social communication skills and teamwork and most of all, it prompts values, moral reasoning and individual responsibility.

 

What makes a question a philosophical question – from a p4c point of view?

A good philosophical question is the one that creates tension, a collision between concepts or maybe a sense of contradictory

This power of contestability within the question makes it irresistible to think about and to engage in.

 

What’s the biggest challenge p4c faces, nowadays?

 I can speak of my country and we have several challenges:

  • The bad reputation of philosophy
  • The challenge of traditional content driven pedagogies
  • And the dual hierarchal relationship between the teacher and the learner

 

Can you give the teachers and the parents some kid of advice to help them deal with the children’s questions?

Just say with all your attention and respect : hmm that’s a great question, I never thought about it before, what do you think?

 

Did the children ever surprised you with a question? Can you share that question with us?

I have a bank of over 700 questions and I cherish them all. I like so many of them but take this one for example:

Why do good thing happen to evil people?

 

 

"o último dia"

52887098_10216746114497527_1781297231719038976_n.j

ontem foi o "último dia" de aulas da Pós-Graduação em Filosofia para Crianças e Jovens, na Universidade Católica Portuguesa. 

 

foi uma manhã intensa, de prática, de "trabalhos de pensar". avaliámos o percurso feito até aqui, com um cunho crítico, pois há muito a fazer. temos planos, temos objectivos e vamos arregaçar as mangas para continuar a levar a filosofia às crianças e aos jovens.

 este "último dia" é o começo de tantos outros dias para darmos continuidade a esta prática, a esta investigação.

 

 

seguimos caminho, com objectivos planeados em grupo, pois somos team pensamento colaborativo. 

já disse que foi um privilégio partilhar este caminho na companhia deste grupo de alunos? foi mesmo!

 

a próxima edição da PG já está agendada para Outubro e as inscrições estão abertas.

podem informar-se através do e-mail epgfa@ucp.pt ou telefone: (+351) 217 214 060

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

@ creative mornings lx

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D