Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

filocriatividade | filosofia e criatividade

oficinas de filosofia e de criatividade, para crianças, jovens e adultos / formação para professores e educadores (CCPFC) / mediação da leitura e do diálogo / cafés filosóficos / #filocri

formação 25h - filosofia para crianças - acreditação CCPFC

joana rita sousa, 27.09.22

4.jpg

Este curso oferece momentos de reflexão e atividade sobre a temática Filosofia para/com Crianças e Jovens. Permitirá aos educadores e professores criar momentos que permitam às crianças e aos jovens desenvolver competências de diálogo, fazendo uso de ferramentas filosóficas para exercitar os pensamentos crítico e criativo.

📍 curso online, 25h (síncronas e assíncronas)

📍 formadora: Joana Rita Sousa / acreditação CCPFC

📍 informações junto da Casa do Professor

 

Filósofas com Natasha Hennemann, Fabiana Lessa e Laura Elisia Haubert

joana rita sousa, 26.09.22

eca76d_0fb9a215eda34186b590b6385f462b99_mv2.webp

amanhã às 22h (hora de Lisboa, Portugal) no canal youtube da Rede Brasileira de Mulheres Filósofas:

Venha conhecer mais sobre o livro Filósofas: o Legado das Mulheres na História do Pensamento Mundial. (...) as autoras Natasha Hennemann e Fabiana Lessa serão entrevistadas por Laura Elizia Haubert no canal Youtube da Rede Brasileira de Mulheres Filósofas.

 

para quem está em Portugal e pretende adquirir este livro, a Livraria da Travessa aceita encomendas. pode contactar a livraria via e-mail e encomendar (fazem envios via CTT). 

Educators learning through communities of philosophical enquiry

joana rita sousa, 21.09.22

iStock-1124485411-1024x543.jpg

‘Community’ is suggestive of collectivism and plurality, while ‘enquiry’ evokes processes of exploration led by pressing questions or concerns. Combining these concepts and practices is at the heart of the ‘community of enquiry’, associated with Philosophy for Children (P4C). Over the past 50 years, philosophical enquiry in community has been taken up, not only in schools around the world but also in a wide range of other contexts, including teacher education, university teaching and research, and in informal community settings.

The collection of writing brought together in this BERA Blog special issue draws attention to the thinking, shifts of perspective and wider development of educators who work with/in community of enquiry approaches. It highlights questions raised for those educators relating to how this practice can be critical, creative and educative for those who lead such enquiries, or would like to do so, whatever their field. The authors in this collection communicate about ideas and practices in order to problematise issues related to who, or what, is doing the educating in communities of philosophical enquiry. The contributions include discussions on:

- open and philosophical listening; troubling notions of child, listening and voice
- educators’ power and positionality and the impact on who can speak or be heard
silencing, marginalisation and epistemic violence
- hierarchies of knowledge and knowing
- eco-philosophical perspectives;
- the importance of place and embedded enquiry dialogue, social action and democracy
- reflexive and critical professional development
- the aims, purposes and forms of education;
- how processes of philosophical enquiry can generate wider dialogue towards the reconstruction of education.

 

para aceder aos textos, consulte o blog BERA.

próximas formações #filocri: pensamento crítico e pensamento criativo

joana rita sousa, 19.09.22

espreite a agenda #filocri / setembro:

🎨 técnicas de criatividade para o dia-a-dia [online]
🗓 21 de Setembro, 19h/21h30 - inscrições junto da Academia Gerador 

📚 blind date: com filósof@s: ciclo de leitura de leituras de textos filosóficos
🗓 20 e 29 de Setembro, 19h/21h - inscrições AQUI

☕️ café filosófico (online) - O Navio de Teseu - parceria Bertrand Livreiros
🗓 26 de Setembro, 18h30/20h - inscrições AQUI

 

no dia 1 de Outubro há oficinas online para crianças e jovens. consulte a agenda completa AQUI.

até breve!

#filopenpal: o vai e vem dos desafios filosóficos

joana rita sousa, 14.09.22

1.png

📩 o #filopenpal surgiu em 2015 e a motivação para criar este vai e vem de desafios filosóficos surgiu após um pai manifestar a sua impossibilidade em levar o filho às minhas oficinas de filosofia.

👉 foi assim que a filosofia começou a visitar a caixa de correio do J. (que em 2022 reencontrei, inesperadamente, numa escola onde estive a orientar oficinas de filosofia).

👉 acabei por alargar esta brincadeira a outros públicos e foi assim que o #filopenpal chegou a famílias de vários pontos do país, a pessoas crescidas, a turmas de vários ciclos de ensino e também à Escola Portuguesa de Macau.

👉 em 2020, os desafios filosóficos enviados via CTT passaram a ser partilhados via google drive, num vai e vem de perguntas, de respostas, de desafios que pretendem provocar o pensamento e o diálogo.

👉  neste artigo pode ler a experiência do #filopenpal vivida entre pai e filha. 

 

📩 o #filopenpal pode ser subscrito pelas famílias ou por educadores/as e professores/as que pretendam proporcionar esta experiência de vai e vem da filosofia às suas turmas.

🫶 há lugar ao pagamento de uma subscrição que cobre as despesas de envio (no caso do envio CTT), mas acima de tudo a criação do desafio filosófico. se quiser saber mais sobre o #filopenpal, consulte este formulário.

 

 

 

 

 

 

em Novembro comemora-se o Dia Mundial da Filosofia

joana rita sousa, 13.09.22

dia mundial da filosofia 2022.png

 

o Dia Mundial da Filosofia é uma comemoração instituída pela UNESCO e que acontece na terceira quinta-feira do mês de Novembro.

já há alguns anos que dedico todas as actividades do mês de Novembro à celebração deste dia: do dia 1 ao dia 31 de Novembro tenho agenda aberta para dinamizar actividades de comemoração do #DiaMundialDaFilosofia. 

 

que actividades posso assegurar? 

- oficinas de filosofia (do jardim de infância ao ensino secundário);

- cafés filosóficos;

- actividades do #ClubeDePerguntas;

- #filopenpal (envio de desafios filosóficos via CTT)

 

em que formatos?

- presencial ou à distância 

 

em que espaços posso desenvolver essas actividades? 

- escolas e/ou bibliotecas escolares;

- bibliotecas municipais;

- centros de estudo;

- centros de dia ou lares; 

- espaços culturais / associações ou outras entidades.

 

*

a agenda está a compor-se, pelo que sugiro que entre em contacto comigo via formulário o mais rápido possível. 

Como trabalhar perguntas filosóficas com o seu filho ou com a sua filha?

joana rita sousa, 13.09.22

 

- um artigo de Lukasz Krzywon, traduzido por Joana Rita Sousa

 

1. Encontre uma pergunta que queira investigar. Assim que tiver a pergunta definida, enquanto pai, pode fazer esta pergunta à noite, no momento de leitura de uma história, ou mesmo durante o juntar - mas lembre-se que é frequente as crianças identificarem estas perguntas por si mesmas. As perguntas podem ser inspiradas por livros, filmes ou situações da vida, mas no campo da filosofia, procuramos as perguntas que não têm respostas simples, mas que nos levam a aprofundar a compreensão de algumas grandes ideias - a justiça, o bem, a beleza e a coragem, para mencionar algumas.

 

leia o artigo completo AQUI

"Estamos a preparar estas crianças para que futuro?" - Carlos Neto

joana rita sousa, 12.09.22

quotes_filocri  (1).png

 

"Qualquer disciplina pode ser feita de forma activa; pode ser feita com instrumentos que eu coloco na mão dos alunos e eles vão investigar e explorar, vão pensar, fazer projectos, trabalhar em conjunto e descobrir o conhecimento. O conhecimento não se impõe, descobre-se da mesma maneira que o ensino não se faz por pontos finais, mas por vírgulas. Faz-se por perguntas e não por respostas.

As escolas têm de ter uma atitude de descoberta e reflexão para que todos aprendam que a complexidade e a incerteza são elementos fundamentais para pensar no futuro. As escolas não são prisões, têm de abrir os muros, abrir as salas, sair lá para fora. Repare, pintar uma árvore dentro da sala é completamente diferente de ir lá para fora e pintar a árvore real. A sociedade está a mudar, temos à porta o 5G. Dentro de poucos anos teremos uma robotização da sociedade, provavelmente o número de horas de trabalho irá diminuir."

 

para ler no Público: entrevista de Carlos Neto, especialista em Motricidade Humana. 

regresso às aulas, regresso às rotinas

joana rita sousa, 08.09.22

rotinas escolares.jpg

estamos de regresso às rotinas da escola: há material para comprar, horários para consultar, rotinas novas para criar. 

__

para as pessoas educadoras e professoras, Setembro marca o início de uma nova aventura, por vezes com caras novas, por vezes com caras conhecidas.

seja qual for o caso, recomendo que os primeiros dias de encontro na sala de aula sejam vividos com calma e com tempo para que todos se possam conhecer.

algumas perguntas que podem ajudar: 

- como te chamas? como gostarias de ser tratado/a?

- o que gostas de fazer? o que não gostas de fazer? 

- podes partilhar uma coisa que te tenha acontecido durante as férias?

consoante as idades e os grupos, estas perguntas podem ser feitas oralmente, por escrito ou até com o recurso a um desenho ou outra actividade de expressão artística. também poderá pedir às crianças / aos jovens que se apresentem através de um objecto, por exemplo, um objecto que está na sala ou algum objecto que possam trazer de casa.

as educadoras e os educadores, as professoras e os professores também deverão responder a estas perguntas. 

o início do ano também pode marcar o diálogo e a tomada de decisão sobre as regras que queremos ter na nossa sala, convidando as crianças e os jovens a participar nesta tomada de decisão. podemos avaliar as regras mais importantes, aquelas que são secundárias e também deixar algumas "de lado" para ver se são verdadeiramente importantes ou úteis para podermos trabalhar colaborativamente durante o tempo de aulas. 

__ 

a minha recomendação para as famílias passa também pela paciência e por evitar a pressa em adquirir as rotinas (sejam os horários ou os materiais). procurar respeitar o ritmo de cada um é desafiante, bem sei - mas é possível. 

o diálogo poderá ajudar, por exemplo, no momento de regresso a casa após um dia no jardim de infância ou na escola. eis algumas perguntas que podem ajudar a evitar o "como correu o dia?" e nos permitem ter mais informação e pensar mais demoradamente sobre o que aconteceu:

- aprendeste alguma coisa nova? 

- fizeste algum/a amigo/a?

- houve alguma situação que te deixou mesmo contente? 

- houve alguma situação que te deixou preocupado/a?

- fizeste alguma pergunta hoje?

- alguma coisa te deixou confuso/a?

- daquilo que aprendeste, há alguma coisa que gostasses de investigar ainda mais?

- podes ensinar-me uma coisa que tenhas aprendido?

 

escolha uma destas perguntas para cada dia da semana e pode até ir registando as ideias num diário que pode partilhar com o/a seu/sua filho/a. 

 

*

no site edutopia encontra alguns artigos que podem ajudar a lidar com estes momentos que podem trazer alguma ansiedade, além de alegria e de desafio.

eis as minhas sugestões de leitura: 

- 15 Questions to Replace ‘How Was School Today?’ (Elena Aguilar

- The First 5 Days: The Key to Success (Cheryl Abla

- When Young Children Return to the Classroom (Alissa Alteri Shea)

- Back-to-School Resources for Parents (Matt Davis)

 

*

tem outras sugestões? partilhe nos comentários! 

❤️ se reconhece valor nos conteúdos que partilho por aqui, considere pagar-me um café.

e a ignorância?

joana rita sousa, 07.09.22

Podemos pensar que o conhecimento é poder e que o saber nunca é de mais. Tal como é melhor ser rico do que pobre, pois se eu for rico posso sempre dar o meu dinheiro e ser pobre, poderíamos pensar que é sempre melhor saber alguma coisa, porque podemos sempre escolher não agir em conformidade com isso. Mas, num dos paradoxos da racionalidade, isto não é verdade. Por vezes, é realmente racional tapar os ouvidos com cera, a ignorância poder ser uma benção e, por vezes, aquilo que não sabemos não nos pode prejudicar.

 

Steven Pinker, Racionalidade, p. 56