Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

e eis que...

tumblr_nijlk8kc4c1qhzqx6o1_500.jpg

...a J. coloca o dedo no ar e diz: "eu tenho uma coisa a dizer sobre isso". e o "isso" era a pergunta do F. sobre um tema que foi levado a debate na aula há três semanas.

"joana, ainda temos muitas questões para resolver de outras aulas" 

é verdade, respondi. ainda bem que vocês podem ir registando no diário da filosofia as questões que ficam por resolver, por investigar. 

tumblr_nijky0f1RT1qhzqx6o1_500 (1).jpg

 

começamos a experimentar critérios, exemplos, a avaliar se aquilo que dizemos faz sentido ou não. voltamos atrás, mudamos de ideias. 

este grupo começa a viver a comunidade de investigação de uma forma muito forte: ajudam-se muito uns aos outros e respeitam a vez de falar, o tempo, as ideias dos outros. o entusiasmo pelas aulas é enorme. 

na última aula, havia muitos meninos a querer participar. fui escrevendo os nomes no quadro para não perder a noção de quem queria falar. às tantas a J., que era a última desta "lista de inscritos", levantou-se e veio ter comigo.

"quero dizer uma coisa, joana"

e o que queres dizer é só para mim ou para o grupo todo?

"é para o grupo todo, mas digo-te já para não ficar tanto tempo à espera" 

"o que é uma pergunta?"

Untitled design (51).png

 

em grupo investigámos o que era uma pergunta. descobrimos que nem todas têm um ponto de interrogação no fim. que às vezes dizemos coisas, e não estamos mesmo a perguntar. que quem pergunta quer saber alguma coisa.

um muito obrigada aos pequenos-grandes-filósofos pela presença no espaço Cócegas nos Pés.

prometemos voltar em breve... já no dia 22 de fevereiro. mais informações AQUI. 

 

concordar

(a dado momento, durante a aula de filosofia - 1º ciclo)
- então, quem concorda com a ideia da R. coloca o dedo no ar se faz favor.
a R. coloca o dedo de ar, de imediato. eu olhei para ela e devo ter franzido o sobrolho e largado um sorriso. a R. continuou de dedo no ar e disse:
- ó joana, eu concordo comigo própria!

 

tumblr_nijln4VdCu1qhzqx6o1_500.jpg

 

perguntar, investigar: "ó joana, o que é a filosofia?"

tumblr_nibv1yTLz11qhzqx6o1_500.jpg

 

"estou há cinco aulas a tentar responder a esta pergunta", dizia-me uma pequena-grande-filósofa do alto dos seus 7 anos.

mal sabe ela que esta pergunta incomoda e inquieta muita gente há uns dois mil e muitos anos... :)

a investigação desta aula aconteceu em torno da filosofia em si mesma, algo que os meninos ainda estão a descobrir. como? pela experiência. de aula para aula, os grupos têm vindo a revelar que sentem aquilo que é diferente nas aulas de filosofia, face às outras aulas que têm. 

"esta aula é só perguntas, perguntas e mais perguntas", dizia-me a I., há dias. 

a pouco e pouco, os meninos vão sentindo segurança e percebendo que nestas aulas se vive um espaço de liberdade e de autonomia, onde podemos dizer o que pensamos, concordar, discordar - e nem por isso deixamos de ser amigos uns dos outros - apresentar ideias diferentes, imaginar "como seria se"... e se há quem sinta desconforto perante isto, outros usufruem deste processo até ao tutano. e querem mais. 

"eu detesto as aulas de filosofia", dizia-me o P. olha, P., eu às vezes também não gosto muito. mas a vida tem coisas das quais gostamos mais, outras das quais não gostamos tanto. não é meu intuito que os meninos saiam da aula apaixonados pela filosofia (como eu estou, confesso!); é meu intuito que os meninos saiam das aulas com a curiosidade (ainda mais) aguçada e com vontade de olhar à sua volta e fazer perguntas, revelando assim o que "os incomoda", o que lhes agrada, o que não gostam, o que querem fazer. revelando a sua visão do mundo - que é única. somos todos diferentes, sabiam?

"nas tuas aulas podemos escolher coisas. e às vezes acontecem coisas aqui, diferentes das outras aulas, porque tu deixas-nos ser diferentes. somos todos diferentes! e tu és uma professora diferente!"

 

 

tumblr_nibuxgewrx1qhzqx6o1_500.jpg

 

há ainda muitos preconceitos em relação à filosofia para crianças. começa pela questão dos "conteúdos" das aulas. e depois as "avaliações" - tema muito polémico no que às AEC' (actividades de enriquecimento curricular) diz respeito.

em conversa com uma amiga e colega que trabalha na área, falamos do desempenhos dos "bons e maus alunos" nas aulas de filosofia: "normalmente, os alunos estão habituados a estudar (alguns literalmente a "marrar"), alguns são diariamente acompanhados pelos pais, com vista a obterem sucesso. quando se trata de filosofia, o que acontece é que eles não têm, de facto, matéria para estudar e isso é muito complicado para os ditos bons alunos, para os pais e, inclusivamente para os professores titulares. estes alunos aprendem a reproduzir e, como diria o Oscar Brenifier, a responder como os professores querem que eles respondam... não estão habituados a questionar, a interrogar-se e a explorar outras possibilidades." 

 

isto de estar no terreno, a colocar a filosofia em prática, vai muito para lá das quatro paredes da sala de aula. é ser consequente na prática do diálogo, no questionar, defendendo as metodologias e esclarecendo quem as estranha - na esperança de que as possa entranhar.

 

"podemos conversar sobre as avaliações, joana?"

tumblr_ni6lbuDy4V1qhzqx6o1_500.jpg

claro que podemos.

em grupo, dialogamos sobre o relatório do 1º período, que fui chamada a fazer, por turma. depois, os meninos "inscreveram-se" para podermos falar da avaliação individual. 

houve quem estivesse aborrecido por "só" ter bom ou "só satisfaz". falamos dos critérios de avaliação e das coisas que eles podiam melhorar - em grupo e individualmente.

 

quando falamos de pensamento cuidativo (que é a minha tradução livre para caring thinking, de Lipman) perguntei se alguém tinha uma ideia do que seria. e, para meu espanto, o C. levanta o braço e diz:

 

"por exemplo, houve uma aula em que tínhamos que dar perguntas para o quadro e a B. não dava perguntas. tu até perguntaste se ela tinha e o M. acabou por dar uma pergunta dele à B.."

 

eu conto esta história algures por AQUI e confesso que não tinha noção do alcance que este momento teve, para o grupo. inocentemente, pensava que só eu, o M. e a B. [nota, na talk os nomes das crianças foram alterados] teríamos guardado este momento. afinal, o C. também se apercebeu e sentiu esse momento como o acontecer deste cuidado do pensar. 

 

 

"hoje a aula está a ser super fixe!"

tumblr_ni6ksaO0vZ1qhzqx6o1_500.jpg

parece que estamos num acampamento, dizia o A. 

é verdade, hoje "fugimos" da nossa sala de aula e fomos até um dos meus cantinhos preferidos da escola, onde há só chão e um quadro de ardósia. nem mesas, nem cadeiras. pedimos emprestada a manta aos amigos do 1º ano e ali estivemos, a pensar em conjunto. a tomar notas no diário da filosofia. a escolher uma resposta, a procurar os "porquês".

sentada no chão, literalmente ao mesmo nível que os meninos - é assim que se quer, na filosofia para crianças. mas nem sempre é possível e não vamos, por isso, deixar de aplicar o rigor e a exigência da prática. 

a exigência é coisa que os meninos sentem, durante as aulas, durante os diálogos. e também sentiram nas avaliações do final do 1º período. o M. até estava aborrecido comigo, pois tinha tido Bom quando achava que merecia um Muito Bom: "oh joana eu gosto tanto destas aulas".  eu sei que sim e por isso lhe apontei aspectos que ele tinha que melhorar, de acordo com os critérios da disciplina.

o J. confessou-me, quase ao ouvido: 

- acho que a professora joana é um bocadinho exigente.
- ah sim? e isso é bom ou mau?
- depende. mas aqui [avaliações das aulas de filosofia] acho que é bom.

Cócegas na Filosofia: O que é uma pergunta?

Cócegas naFilosofia (2).jpg

25 de Janeiro, em Telheiras - Cócegas nos Pés

 

Oficinas de filosofia para crianças

10h30 - 11h30 - 4 aos 6 anos
11h30 - 12h30 - 7 aos 10 anos

Facilitadora:
Joana Rita Sousa | filocriatiVIDAde

Local:
Cócegas nos Pés
Rua Abel Salazar, nº 37 A, em Telheiras

Inscrição: 7,50eur

Pf enviar e-mail para geral@cocegasnospes.com com os seguintes dados:

- nome da criança e data de nascimento;
- contacto telefónico do pai/mãe/avó (...).

A inscrição é válida após recepção de e-mail de confirmação.

Todos os participantes deverão levar consigo meias anti derrapantes: vamos sentar-nos no chão, em almofadas.

* A Cócegas nos Pés reserva o direito de cancelar o Evento e avisará quem estiver inscrito da nova data.

www.cocegasnospes.com * geral@cocegasnospes.com * 93 425 73 56

a investigação continua: fantasia? verdade?

tumblr_ni8fh2OnCL1qhzqx6o1_500.jpg

 quem tem exemplos de "fantasia"? e quem sabe justificar esse exemplo?

 

o TPP da passada semana consistia em indicar 3 exemplos de fantasia e 3 exemplos de verdade. começamos pela fantasia, com o exemplo "monster high". motivo? são monstros e os monstros não existem, disse a Y. mas havia na sala quem não concordasse: "eu já vi um monstro". 

 

o V. e a Y. foram desafiados para uma "battle filosófica" na qual tinham que encontrar uma razão forte para convencer o outro da sua posição. o critério encontrado era ver - quem nunca viu um monstro acha que é uma fantasia; quem já viu, acha que é a verdade. 

durante o diálogo surgiu um outro conceito: o de mentira. e outro critério: acreditar ou não acreditar. 

tumblr_ni8fx16Vo61qhzqx6o1_500.jpg

 

não percam as cenas dos próximos episódios, durante os quais iremos tentar encontrar opostos entre fantasia / verdade / mentira e continuar a procurar critérios para perceber se os monstros e os unicórnios existem. 

temos um novo amigo na sala!

tumblr_ni4ohwYHCy1qhzqx6o1_500.jpg

 

o R. foi recentemente transferido para a nossa escola. "vamos ajudar o R. a perceber o que acontece nas aulas de filosofia?"

o desafio foi aceite e o resultado está à vista. o R., que nunca teve filosofia, disse-nos que ficou a perceber um bocadinho do que se passa nestas aulas.

neste dia, estivemos a trabalhar exemplos de "é uma pessoa" e "não é uma pessoa". não é fácil, mas conseguimos estabelecer um critério e dar vários exemplos.

 

às páginas tantas: 

 

"- I., tens o dedo no ar. queres ajudar a M. a explicar melhor?

- sim, eu posso ajudar, joana. primeiro vou fazer uma pergunta, digo o que é o critério, o que é o exemplo. e depois ajudo, pode ser?

 

quem sou eu para contrariar a I.? 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

@ creative mornings lx

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D