Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

oficinas de perguntas, para crianças / para pais e filhos | formação para professores e educadores (CCPFC) | #filocri | #filopenpal

Temas de Hoje, Temas de Sempre - educação, ética e filosofia prática


«A primeira apresentação pública do Livro editado pela APEFP: Temas de Hoje, Temas de Sempre - educação, ética e filosofia prática, realiza-se no dia 24 de março, na cidade de Braga, nas instalações da Casa do Professor - Av. Central 106-110, pelas 18h 45m.»

Fonte: APEFP 

Florbela | Da dor que nos faz sentir a vida.

Realizado por Vicente Alves do Ó, “Florbela” apresenta-nos a vida de Florbela Espanca (Dalila do Carmo), a poetisa portuguesa que quis «amar, amar, perdidamente». O filme faz-nos viajar até ao momento em que Florbela deixa o seu segundo marido, António Guimarães (José Neves), e volta a casar com Mário Lage (Albano Jerónimo).
Apeles Espanca (Ivo Canelas), o irmão, surge como o grande amor da sua vida, o pilar, o tecto, a janela, a porta da alma de Florbela; uma alma perdida a loucura de viver e o tormento. Tormento esse que se adensa após a morte de Apeles, num trágico acidente com um hidroavião, no rio Tejo.
«Escreve, Florbela» – é uma das frases que se ouve mais durante o filme. Um imperativo categórico que Florbela só consegue cumprir após um «apelo» do irmão, já morto. Na fronteira entre o sonho e a realidade, Florbela pega no lápis e começa a escrever. Não resiste à terceira tentativa de suicídio e aos trinta e seis anos abandona este mundo.
Florbela (ou Flor d’Alma da Conceição) não era uma mulher do seu tempo. Florbela ousava usar calças. Florbela casou e descasou, sofreu abortos e nunca teve filhos. Estava longe de pertencer ao Clube das Esposas Perfeitas e Dedicadas. Florbela não era feliz. «Não sei viver» – diz ela ao pai, após este a resgatar do fundo de um poço. Florbela amou, amou perdidamente. Florbela perdeu-se algures entre o ser e o tornar-se. Florbela é intemporal: pela escrita que nos deixou e pelas vidas que tocou.
O cinema português está de parabéns: esta obra brinda-nos com uma excelente realização e com um naipe de actores de grande estirpe, a quem a tela fica tão bem!

vergonha | Entre o amor de desejo e o desejo do amor.

Realizado por Steve McQueen, “Vergonha” conta-nos a história de um homem bem sucedido, bem parecido, que foge à rotina do quotidiano através do sexo. Entre a sedução e a pornografia, entre o one night stand e a prostituição, Brandon (Michael Fassbender) vê-se encurralado pela visita “súbita” da irmã, Sissy (Carey Mulligan), que lhe “invade” o apartamento em Nova Iorque.

Brandon não vê para lá do imediato prazer. Acumula revistas pornográficas. Acumula vídeos no seu computador. Brandon é um ávido consumidor de sexo. De mulheres. De si mesmo. De homens. Do sexo pelo sexo. Sem emoção, sem compromisso, sem entrega que vá para lá daquela noite.

É entre um borrego mal assado e um copo de vinho que Brandon vislumbra algo mais do que o seu dia-a-dia de imediatez. É perante uma irmã vertiginosamente atraída para a destruição que Brandon sente a vergonha de simplesmente estar e não ser capaz de ser.

“Vergonha” proporciona-nos uma viagem ao interior de nós mesmos, à culpa que se sente no prazer, ao sentimento de finitude pelo prazer que rapidamente acontece e desaparece. Talvez Brandon procure a eternidade da vida num momento de prazer, que insiste em repetir noite após noite, dia após dia. Uma eternidade instantânea, à distância de uma troca entre corpos onde o amor se incompatibiliza com o sexo e vice-versa. Brandon procura sexo. E devido a essa busca desenfreada, o amor acaba por lhe fugir por entre os dedos. E aí Brandon também sente vergonha.

O filme estreou no Festival de Veneza e Michael Fassbender foi galardoado com o troféu de melhor actor. Em Portugal, “Vergonha” abriu o Fantasporto a 24 de Fevereiro de 2012.

t

let us be IGNITEd

No dia 7 de Março teve lugar mais um Ignite na Lx Factory, com a presença de uma mão cheia de oradores com ideias para partilhar. Tratou-se da 18ª edição deste evento em que o desafio é partilhar uma ideia durante 5 minutos, tendo como suporte 20 slides que passam de 15 em 15 segundos. Estive presente nos Ignite #3 e #6. Lembro-me que na primeira vez estava muito nervosa e o discurso não me pareceu muito fluído. Mas no final disseram-me: Joana, falaste com paixão. 

Na segunda vez, lembro-me de ter as pernas a tremer e a voz também… mas lá subi ao palco e falei (mais uma vez) sobre a paixão da minha vida: a Filosofia. 

Após duas experiências de partilha colaborativa com o Mário Pires, a apresentar uma comunicação sobre Os Prazeres da Vida, surgiu a ideia de levarmos essa comunicação ao Ignite. UAU, vamos! E lá reduzimos uma apresentação que tem cerca de 1h30m para… 5 minutos, partilhados a dois. O desafio foi muito engraçado e admitimos que nos divertimos muito durante o processo. Sim, porque para os ideístas como nós, o importante não são os resultados, mas sim os processos. Na viagem, não importa o destino, porque o destino é a própria viagem. 

E eu confesso: tinha saudades do Ignite. Do ambiente, das pessoas, de ver ideias a saltitar por todo quanto é lado. Aquilo é muito «a minha praia» pois é um espaço de comunicação plena, onde não importa o que tu fazes profissionalmente, mas sim aquilo que tens para dizer. De forma concisa e clara. É um espaço onde podes ser quem tu és, ninguém te leva a mal.

E na quarta feira houve um pouco de tudo: mensagens de empreendedorismo, de vontade em que o português se torne alemão, a história de um envelope vermelho que roubava sorrisos a quem o recebia e até partilhas de insucesso. Provando que a nossa vida é um filme indiano, houve quem partilhasse os insucessos da vida, com humor e criatividade. E isso é de louvar. António Reymao, estamos contigo para superar esta fase. E conta connosco para superar as dificuldades.

Houve outras ideias que gostaria de destacar: o Herlander Mauro Carvalho e a sua ideia de que o passe se deveria pagar «à paragem», para não desperdiçarmos dinheiro e investir (quem sabe) na saúde. Brilhante! E mais ainda porque o Herlander se fez acompanhar da mãe (lindo!). 

Não me recordo do orador em questão, mas sei que alguém lançou uma pergunta fundamental nos dias de hoje: em vez de olharmos só para os 14% de desempregados, porque não olhar para os 86% de empregados e perguntar: estão felizes? Estão motivados? As suas ideias são ouvidas na empresa? Será que esses 86% têm capacidade para produzir e assim «andar com o país para a frente»? Seremos todos trabalhadores TGIF? E de repente lembrei-me daquilo que estudei na minha tese de mestrado. 

Resumindo: o Ignite foi, mais uma vez, espaço de partilha de boas ideias, cheias de humor e de gente com o coração a bater lá dentro.

E eu cantei em cima da palete! YES! 

fotografia de Mário Pires

da #sala5, com saudades


2009 foi um ano marcante. entre outras coisas foi o ano em que entrei numa sala mágica, a sala da Ana Dominguez, educadora no Colégio de Alfragide. e desde então tem sido um crescendo de projectos, de ideias, de partilhas (de jantares e bons momentos!). 

há dias a Ana enviou-me esta fotografia, tirada por um dos meninos da #sala5. 

19 de Novembro de 2009: o primeiro dia do resto das nossas vidas (e projectos em comum). 

Ignite #18 - em Lisboa

Data: dia 7 de Março
Hora: a partir das 18h30m
Local: LxFACTORY (Rua Rodrigues Faria, 103) - Sala  FÁBRICA  L / XL


PROGRAMA:
18h30m - Abertura de Bilheteiras e OPEN-NETWORKING
  • Mário Pires & Joana Sousa - "Os prazeres da vida"
  • Gonçalo Lage - “Portugal - Quinto Império” 
  • Rui Neto Pereira - “Como transformar portugueses em alemães?”    
  • Fernando Mendes - “Trabalho é Conhaque (e vice-versa)”    
  • Armando Vieira - “Democracia Online”
  • Andresa Salgueiro - “Believe in Portugal” 
  • Rui Martins - “Movimento Internacional Lusofono” 
  • Herlander Mauro Carvalho - “Pague somente a distância que percorrer”
  • Miguel Teles - “Plantar Uma Árvore - Plante esta Ideia”
  • Jorge Fonseca - “Como um envelope vermelo criou centenas de sorrisos”
  • Faraz - “Ser Jovem e Ser empreendedor”
  • Antonio M Reymao - “O meu maior Flop”
  • Andre Borges - “Keep Pushing It!”
  • Yoann Nesme - “Empreender é difícil!”
  • Bertrand Caudron - “Gamification”
  • Pedro Ludovice Nogueira - “Service Design”
  • Humberto Neves - “Pequenos toques, grandes aprendizagens”
  • Carolina Granado Pinto - “Movement of creative synergies”
  • Pedro Tojal - “LideranSSa com Soft Skills”
  • Diogo Raposo de Oliveira - “Ignite your Life!”
  • Daniel & Carla Nobre - “Afinal, quem faz os "Bonecos" do ignite :)”

 
mais INFO aqui

criatividade e paixão na educação


a Associação Educativa para o Desenvolvimento da Criatividade organizou no passado dia 03 de Março um encontro subordinado ao tema criatividade e paixão na educação. temos que destacar a inspiradora conferência do professor António Câmara (Professor Catedrático da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa. Doutorado em Engenharia de Sistemas Ambientais em Virginia Tech. Fundador e Presidente do Conselho de Administração da YDreams.  Autor dos livros “Environmental Systems”, “Futuro Inventa-se” e “Voando com os pés na terra”). uma partilha deliciosa e que nos fez traçar caminhos e mapas nos quais a imaginação não tem limites.




«os meus alunos são os melhores do mundo» - dizia António Câmara. os «meus» pequenos filósofos também!

A Aleg(o)ria da Caverna

10 de Março | 11h na Livraria Cabeçudos

Filosofar é coisa de crianças? É. E de adultos também. Por isso, o projecto filocriatiVIDAde e a livraria Cabeçudos sugerem uma manhã diferente, em que pais e filhos são convidados a dar uso ao pensamento, a partir dos mais diferentes recursos. Uma história, uma fotografia, uma frase, um ideia: qualquer uma destas coisas pode ser o mote para filosofar e «treinar os músculos do pensamento».
No dia 10 de Março, Joana Sousa volta à Livraria Cabeçudos para conversar sobre a amizade.


Livraria Cabeçudos: R. Comandante Cousteau Lote 4.04.01 Loja A, 1990-303 Lisboa, Portugal

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

@ creative mornings lx

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D